Carreiras

| Intercâmbio

Nesta sexta-feira (9), em publicação no Diário Oficial da União (DOU), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou detalhes de uma seleção que oferece bolsas para intercâmbio. Ao todo, 1.400 oportunidades estão disponíveis no âmbito do Programa de Doutorado-Sanduíche no Exterior (PDSE).

De acordo com a Coordenação, podem participar do processo seletivo doutorandos de programas de pós-graduação com nota igual ou superior a quatro na Avaliação Quadrienal da Capes de 2017. Estados Unidos, Espanha e Itália são alguns dos países onde os aprovados poderão atuar.

##RECOMENDA##

“Com o orçamento de R$ 89,8 milhões, o Programa permite que alunos matriculados em cursos de doutorado no Brasil façam parte de seus estudos em instituição no exterior. Após a conclusão da bolsa, que dura entre quatro e seis meses, eles devem retornar ao País para a defesa da tese”, informou a Coordenação.

Caberá às instituições de ensino selecionarem seus candidatos até 12 de março de 2021. Quem for aprovado nessa etapa fará a inscrição pela internet, de 15 de março a 1º de abril, devendo, ainda, apresentar certificação de proficiência em língua inglesa.

Segundo a Capes, a seleção deverá durar até 1º de junho, enquanto as atividades no exterior estão com início previsto para julho e setembro do próximo ano. Outros detalhes informativos podem ser obtidos no edital publicado nesta sexta-feira.

Da próxima terça-feira (12) até 25 de outubro, a Cebrusa, empresa que auxilia brasileiros que desejam trabalhar no Canadá, realizará um evento virtual gratuito chamado “Jornada Sua Profissão no Canadá”, abordando aspectos sobre mercado de trabalho e imigração. As inscrições devem ser feitas através do site da iniciativa.

O evento será ministrado pelo presidente da empresa, Daniel Braun, através de 14 encontros nas redes sociais sobre o mercado de trabalho. No último dia, haverá uma aula sobre imigração para o Canadá. Participantes que usam o aplicativo Telegram terão acesso à gravação das aulas e materiais bônus exclusivos.

##RECOMENDA##

“Estamos oferecendo um evento totalmente on-line e gratuito com encontros diários no YouTube, Facebook e Instagram, no qual serão abordadas as nuances do mercado de trabalho canadense, assim como as profissões mais requisitadas e como é possível ser contratado por uma empresa de lá”, destaca Braun. 

LeiaJá também

--> Seleção para intercâmbio na Alemanha segue com inscrições

Seguem disponíveis, até 16 de outubro, as inscrições para o Programa Capes/DAAD, que oferece intercâmbio para a Alemanha. O processo seletivo dispõe de 45 bolsas de doutorado, por meio de uma parceria entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e o Serviço Alemão de Intercâmbio.

Serão financiadas até dez bolas pela Capes, tais como duas de doutorado pleno, de até 116.360 euros, três na modalidade sanduíche, de até 46.180 euros, entre outras possibilidades. Saiba todos os detalhes no edital da seleção.

##RECOMENDA##

As 35 bolsas restantes, segundo a Capes, serão pagas pelo DAAD. “Interessados nas bolsas devem seguir as normas do DAAD, bem como o Regulamento Geral de Bolsas no Exterior da CAPES. Outros pré-requisitos incluem ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente no Brasil, não ter título de doutor, não receber ou ter recebido bolsa para a mesma modalidade, não acumular bolsas e possuir confirmação formal de orientação de instituição alemã”, detalhou a Coordenação.

Entre os benefícios para os aprovados estão mensalidades, passagens ou auxílio-deslocamento, auxílio-instalação, seguro-saúde e auxílio-dependente. Um dos objetivos do programa é fomentar a formação de professores e pesquisadores, cooperando para a formação acadêmica e intercâmbio científico entre brasileiros e alemães. 

Algumas das fases da seleção são avaliação curricular e análise de documentos. Mais informações podem ser obtidas pelo site do programa e por meio do edital do processo seletivo.

O Núcleo de Internacionalização do Instituto Ipê, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), informou que estão abertas as inscrições para o programa de mestrado CHEVENING UK. As candidaturas para 2021/2022 devem ser realizadas até o dia 3 de novembro, às 12h, na página do programa.

Em um curso de mestrado com duração de um ano, o programa Chevening oferta bolsas de estudo para profissionais de todo o mundo em qualquer universidade do Reino Unido, em todos os campos de atuação. As bolsas são integrais, permitindo que o aluno foque em suas atividades acadêmicas e se desenvolva profissionalmente e academicamente.

##RECOMENDA##

Os detalhes a respeito das fases seletivas podem ser obtidos no site do programa. Nele, os candidatos podem consultar mais informações sobre o intercâmbio.

O Santander, através da iniciativa '#InvistaEmVocê', abriu, nesta quarta-feira (23), as inscrições para 1.525 bolsas de estudos em universidades do exterior. Quem deseja concorrer a uma das oportunidades deve se inscrever através do site do programa.

Há bolsas para cursos presenciais e on-line em universidades como MIT Professional Education, London School of Economics, Universidade da Pennsylvania, dentre outras. A oportunidade é destinada a graduandos de todo o Brasil que estão no começo da carreira. "Formações têm foco no aprimoramento de habilidades digitais e emocionais, na capacidade de liderança, idiomas, desenvolvimento de carreira e acesso ao mercado de trabalho internacional", detalhou a instituição financeira.

##RECOMENDA##

De acordo com o superintendente executivo do Universidades Santander Brasil, Nicolas Vergara, a oportunidade de intercâmbio é uma forma de combater a crise econômica causada pelo novo coronavírus. “A pandemia atingiu em cheio a empregabilidade do jovem no Brasil, além de antecipar ao momento presente as necessidades de atualização de habilidades de diferentes esferas, mas essenciais, como digitais e emocionais. As bolsas globais que estamos oferecendo preparam os jovens neste momento de transformação aguda e profunda”, comenta o superintendente, conforme informações da assessoria de imprensa do Santander.

Um dos programas disponíveis, o Bolsa Santander English for Professional Development – Universidade da Pennsylvania, reúne 500 vagas. Elas são direcionadas a estudantes que falem inglês e almejam ingressar no mercado de trabalho internacional. "As atividades se darão por meio de conferências, debates e exercícios de compreensão que os alunos podem completar de forma independente. Além disso, terão encontros com os instrutores e colegas, e algumas tarefas em equipe. Duração 13 semanas. Público-alvo: jovens que miram o mercado de trabalho internacional e falem inglês", detalhou o banco. Interessados podem conferir, através do edital de cada bolsa, quais são os requisitos, prazo de inscrição, público-alvo, domínio da língua, tempo de duração e outros critérios da seleção.

Iniciativa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em parceria com o Comitê Francês de Avaliação da Cooperação Universitária com o Brasil (Cofecub), selecionará, dentre 108 projetos, 45 pesquisadores ativos do Programa Capes/Cofecub para a missão de trabalho na França ainda em 2020. O programa visa discutir a retomada da mobilidade acadêmica internacional a partir de 2021 e buscar soluções para reduzir os efeitos da pandemia nos trabalhos conjuntos desenvolvidos entre instituições de ensino e pesquisa brasileiras e francesas.

“Essa ação contribuirá para a retomada da mobilidade internacional no próximo ano, com segurança para os nossos pesquisadores”, comenta, por meio de nota, Benedito Aguiar, presidente da Capes.

##RECOMENDA##

Conforme a Capes, os pesquisadores que desejarem se inscrever devem estar cadastrados como membros da equipe no Sistema de Bolsas e Auxílio (SCBA). O comprovante de inscrição e a documentação completa deverão ser enviados até sexta-feira (18) por meio do Sistema Linha Direta.

Para participar da seleção, os candidatos precisam, preferencialmente, ser coordenadores que possuam título de doutor e vínculo empregatício permanente com a instituição principal ou associada. O processo seletivo será composto por análise dos documentos e dos requisitos das candidaturas. Confira mais informações sobre o programa no site da Capes.

De acordo com o Relatório Anual do Parlamento Canadense sobre Imigração de 2018, o país pretende conceder 341 mil vistos de residência permanentes em 2020, e 350 mil em 2021. Daniel Braun, presidente da Cebrusa, empresa que oferece soluções de imigração para o Canadá, afirma que neste ano, mesmo diante da pandemia de Covid-19, o país já recebeu mais de 20 mil famílias de imigrantes.

“O Canadá precisa receber novos imigrantes nos próximos anos, pois o país precisa de pessoas, devido ao baixo crescimento populacional”, afirmou Braun. No entanto, muitas pessoas que desejam mudar de país legalmente e com visto de trabalho ou estudo, por exemplo, têm dúvidas sobre o processo de preparação para o intercâmbio. Para casos assim, segundo Braun, a Cebrusa criou um programa de mentoria que visa preparar futuros imigrantes para se mudar e viver em solo canadense.

##RECOMENDA##

“O Fórmula de Imigração mostra um passo a passo de como morar no país, tornando a imigração simples, clara e objetiva”, disse o presidente da empresa, destacando que o país oferece mais de 60 programas de imigração e sem o planejamento necessário fica difícil saber em qual se encaixar.

“O programa de mentoria é como se eu pegasse na mão do candidato e o ajudasse a escolher o melhor caminho para ele e para a família morarem no país. Ajudamos em absolutamente tudo, em todas as dúvidas. É possível inclusive ligar para o pessoal da mentoria e tirar as dúvidas. A pessoa tem o contato de um condutor de imigração”, ressaltou Braun.

O programa de mentoria inclui curso de inglês completo e também um preparatório para o mercado de trabalho. As inscrições estão abertas no site da Cebrusa, com vagas limitadas. Mais informações podem ser obtidas no site ou através do e-mail contato@cebrusa.com.br

LeiaJá também

--> Brasileiros indicam país mais seguro para intercâmbio

Estão abertas as inscrições para o programa global 'Chevening', do governo britânico, que está ofertando bolsas de estudo para mestrados de um ano, em qualquer área, nas principais Universidades no Reino Unido. Interessados devem se inscrever até o dia 3 de novembro por meio do site da seleção.

Para concorrer a uma das oportunidades, os candidatos devem atender a alguns requisitos, como ser brasileiro de qualquer faixa etária e estado do país, ter curso superior completo, dois anos de experiência profissional, sendo válidos trabalho voluntário e estágios, possuir um bom nível da língua inglesa e serem aceitos por, pelo menos, uma universidade britânica. O programa não divulgou o número de bolsas oferecidas.

##RECOMENDA##

A seleção será composta por análise da documentação cadastrada e entrevista. Selecionados, os estudantes ganharão bolsas de estudos que incluem anuidade da universidade escolhida, sendo o limite de £18 mil para cursos de MBA, passagem de ida e volta para o Reino Unido, ajuda de custo mensal para subsistência e auxílios extras para gastos essenciais, entre outros benefícios. Confira mais informações sobre o programa.

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em parceria com o Serviço Alemão de Intercâmbio (DAAD), abriu, nesta segunda-feira (14), as inscrições para a seleção que está oferecendo 45 bolsas de doutorado na Alemanha. Interessados devem se candidatar até o dia 16 de outubro por meio do envio da documentação especificada no edital, para um formulário eletrônico.

A Capes financiará, no máximo, de dez bolsa entre doutorado pleno, doutorado-sanduíche com cotutela e doutorado-sanduíche sem cotutela, com o valor máximo de até 116.360 euros; o restante será financiado pelo DAAD.

##RECOMENDA##

Para concorrer a uma dessas oportunidades, os candidatos ainda devem atender a alguns pré-requisitos, como ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente no Brasil, não ter título de doutor, não receber ou ter recebido bolsa para a mesma modalidade, entre outros critérios. A seleção será composta por análise da documentação e entrevista com os candidatos.

Ao serem selecionados, os estudantes receberão alguns benefícios como mensalidades, passagens ou auxílio-deslocamento, auxílio-instalação, seguro-saúde, entre outros. Para orientadores brasileiros e alemães, ainda serão pagas diárias e passagens ou auxílio-deslocamento.

O programa terá duração de até 48 meses, a depender do tipo de doutorado escolhido. Acesse o edital da seleção e obtenha mais detalhes.

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em parceria com o Serviço Alemão de Intercâmbio (DAAD), está oferecendo 45 bolsas de doutorado na Alemanha. Quem deseja participar deve se inscrever a partir do dia 14 de setembro por meio do formulário virtual e enviar a documentação exigida no edital para o endereço eletrônico.

Interessados em concorrer a uma das bolsas devem seguir alguns pré-requisitos como ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente no Brasil, não ter título de doutor, não receber ou ter recebido bolsa para a mesma modalidade, entre outros. 

##RECOMENDA##

A seleção será composta pela análise da documentação e entrevista com os candidatos. Ao serem selecionados, os estudantes receberão alguns benefícios como mensalidades, passagens ou auxílio-deslocamento, auxílio-instalação, seguro-saúde, entre outros. Para orientadores brasileiros e alemães ainda serão pagas diárias e passagens ou auxílio-deslocamento. 

O programa terá duração de até 48 meses, a depender do tipo de doutorado escolhido. Acesse o edital da seleção e obtenha mais detalhes.

Um levantamento da Brazilian Educational & Language Travel Association (Belta) – instituição que reúne empresas do segmento de intercâmbio do país - , publicado na última quinta-feira (3), mostra que, para os estudantes brasileiros, a Nova Zelândia é tida como o país mais seguro para fazer intercâmbio após a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Realizada com estudantes de 22 estados de todas as regiões da federação, a pesquisa revela, também, que a Nova Zelândia é classificada como a nação mais competente no que diz respeito ao controle da pandemia.

Segundo o estudo, 71,3% dos estudantes que têm vontade de fazer algum tipo de curso fora do país consideram, no quesito sanitário, a Nova Zelândia como o Estado mais seguro para uma viagem de estudos em um futuro próximo (2020-2022). O levantamento mostra, ainda, que 75,7% dos estudantes brasileiros acreditam que a Nova Zelândia é o país mais competente nos protocolos de controle da pandemia.

##RECOMENDA##

Para Amy Rutherford, diretora regional da Education New Zealand – agência do governo neozelandês voltada à educação internacional  -, os números do estudo mostram a responsabilidade da Nova Zelândia para com a saúde dos cidadãos. “Os números da pesquisa refletem o comprometimento da Nova Zelândia com a saúde das pessoas. Nossa atuação é guiada por protocolos com embasamento científico, além de empatia e solidariedade. Assim que for possível, os estudantes internacionais poderão voltar à Nova Zelândia para desfrutar da educação de excelência e voltada para o futuro oferecida por nossas instituições de ensino”, diz Amy, segundo a assessoria de imprensa.

Feita entre julho e agosto de 2020, por meio da internet, a pesquisa entrevistou estudantes de várias faixas etárias. De acordo com o levantamento, aprender uma nova língua é um dos maiores estímulos para estudar em outro país, como também a oportunidade de ter uma experiência internacional e a possibilidade de conciliar estudos e trabalho. Além disso, enriquecer o currículo e investir em educação internacional fazem parte dos objetivos mais importantes. Em meio à atual situação mundial, a pesquisa analisou fatores de decisão para realização de um intercâmbio e a expectativa do desempenho educacional dos países após a pandemia da Covid-19.

Uma parceria entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Serviço Alemão de Intercâmbio (DAAD recebe inscrições, até as 17h do dia 16 de outubro, para a seleção de bolsas de doutorado na Alemanha. No total, o processo seletivo dispõe de 45 oportunidades, conforme edital publicado nesta sexta-feira (4) no Diário Oficial da União (DOU).

Segundo a Capes, são oferecidos 116.360 euros para financiamento de bolsas no exterior. “A Capes financiará até dez bolsas. Serão até duas de doutorado pleno, de até €116.360,00, até três de doutorado-sanduíche com cotutela, de até €46.180,00, e até duas de doutorado-sanduíche sem cotutela, de €23.730,00. O DAAD apoiará até 35 bolsas”, detalhou a instituição.

##RECOMENDA##

Entre as exigências estão ser brasileiro ou estrangeiro com visto permanente no Brasil, não possuir título de doutor, e não receber ou ter recebido bolsa para a mesma modalidade. Mensalidades, passagens, seguro de saúde e auxílio-instalação são alguns dos benefícios previstos para os aprovados.

“O dia 9 de outubro, uma semana antes de esgotar o prazo de inscrições, é a data limite para os interessados solicitarem cadastramento de instituição brasileira ou estrangeira no sistema da CAPES. Depois há publicação da relação das inscrições, análise das candidaturas, entrevistas com os candidatos, tempo para recorrer e divulgação do resultado final, este previsto para março de 2021, seis meses antes do início das atividades, em setembro daquele ano”, informou a Capes. Confira mais detalhes no edital do processo seletivo.

A Universidade de São Paulo (USP) divulgou, nesta segunda-feira (31), que está com inscrições abertas para o Programa de Bolsas de Intercâmbio Internacional, na Modalidade Empreendedorismo, para alunos de graduação da unidade. As candidaturas devem ser realizadas até o dia 1º de outubro pelo Sistema Mundus.

Segundo o edital de seleção, há duas modalidades de bolsas, sendo uma voltada para linhas de pesquisa em desenvolvimento tecnológico, inovação e empreendedorismo; e outra destinada a alunos que desenvolvem projetos que promovem melhorias de práticas associadas à inovação e ao empreendedorismo na USP. As bolsas serão gerenciadas pela Agência USP de Inovação (Auspin).

##RECOMENDA##

Para participar do programa é necessário que os estudantes tenham concluído pelo menos dois semestres ou 20% do tempo total do curso de graduação no qual estiver matriculado. Além disso, o candidato deverá anexar a carta de aceite da instituição estrangeira, o plano de atividades com planejamento da pesquisa e as documentações exigidas, previstas em edital. A banca avaliadora, formada por especialistas do setor acadêmico e empresarial, serão indicados pela Auspin. 

Segundo o edital, os intercambistas passarão de 90 a 180 dias em instituições de ensino, instituto de pesquisa ou empresa com base tecnológica, em 2021. Os estudantes irão receber um auxílio financeiro que varia entre R$ 11 mil a R$ 32 mil, a depender do período do intercâmbio e do país de destino. Foi destinado R$ 1,6 milhão para a realização do programa.

Estão abertas, até o dia 31 de outubro, as inscrições para as bolsas de estudo de excelência do Governo Suíço, destinadas a estudantes brasileiros que desejem cursar doutorado, pós-doutorado ou realizar pesquisas na Suíça. A oportunidade está ofertando bolsas com duração de 12 meses, podendo ocorrer prorrogação por 36 meses.

Os candidatos selecionados ganharão, além da bolsa, subsídio mensal, seguro saúde e auxílio passagem. Os interessados que atendam aos requisitos de admissão, conforme o tipo de programa escolhido, devem solicitar diretamente na embaixada os documentos de candidatura por meio do e-mail brasilia.bolsas@eda.admin.ch. O número de vagas não foi informado. Confira mais detalhes através do guia de candidatura.

##RECOMENDA##

Nesta segunda-feira (17), a Cebrusa Brasil, empresa de soluções de imigração para o Canadá, divulgou uma nova etapa do programa Maratona do Brasil ao Canadá, que será realizado a partir do dia 7 setembro, de forma gratuita e on-line. O programa orienta pessoas interessadas a se preparar para morar legalmente em solo canadense.

“Mostraremos na maratona uma série de conteúdo, do mais básico, para quem está começando a pesquisar sobre imigração, até ao mais avançado, para quem precisa da informação certa para poder realizar esse sonho. O programa ajuda qualquer pessoa, independente de questões financeiras, idade, formação ou experiência profissional, a se preparar para morar no país com a melhor qualidade de vida do mundo”, afirma Daniel Braun, presidente da Cebrusa, segundo informações da assessoria.

##RECOMENDA##

Além desse encontro, haverá uma pré-maratona que será realizada no próxima segunda-feira (24), que trará em uma série de lives diárias abordando temas relacionados à vida no país, planejamento financeiro, critérios dos programas de imigração até assessorias gratuitas com outros participantes. A transmissão ocorrerá simultaneamente nas redes sociais do presidente da Cebrusa Daniel Braun

O presidente ainda explica que encerramento do programa será na “Conferência Decisão”, marcada para o dia 13 de setembro. Para participar deste momento é necessário que o candidato realize a inscrição através do site da Maratona Seu Futuro no Canadá.

Mesmo em meio a pandemia da Covid-19, a Fundação Alexander von Humboldt determinou a permanência do processo seletivo para a edição 2020/2021 da Bolsa Chanceler Alemã para Futuros Líderes do Brasil (German Chancellor Fellowships for prospective leaders from Brazil). Interessados devem realizar as inscrições até o dia 15 de setembro, através do site da instituição.

O programa é destinado a jovens pesquisadores brasileiros que, através do incentivo financeiro para custear capacitação profissional e pessoal na Alemanha, impulsionam suas carreiras. Dentre os requisitos para participar do projeto é necessário que o candidato tenha formação superior completa, fluência nos idiomas inglês ou alemão, além de apresentar uma carta de recomendação de um mentor para a pesquisa, que pode ser de instituição de ensino privada ou pública.

##RECOMENDA##

Os bolsistas aprovados terão auxílios mensais que variam entre 2.170 e 2.770 euros, dependendo das qualificações. Outros custos também ficam previstos na bolsa de estudos, como cursos adicionais de alemão, suporte para a família acompanhar o jovem e as despesas com viagem. 

Para explicar detalhes sobre programa e esclarecer dúvidas, o responsável pelo departamento de seleção da Fundação Alexander von Humboldt, doutor Damian Grasmück, participará de uma live no canal da Câmara Brasil-Alemanha de São Paulo, no Youtube. O encontro está marcado para o dia 5 de agosto, às 10h. Outras informações podem ser obtidas através do site da Fundação Alexander von Humboldt.

Muitas vezes, por falta de informação, estudantes desconhecem caminhos para realizar intercâmbio acadêmico de graça ou gastando muito pouco. A viagem ao exterior com o objetivo de aprender é uma boa oportunidade para quem deseja adquirir novas experiências, praticar conhecimentos e conhecer novas culturas.

Existem programas por meio de universidades públicas e privadas para estudantes matriculados. Já para estudantes do ensino médio da rede estadual de ensino em Pernmabuco, é possível tentar um intercâmbio por meio do Programa Ganhe o Mundo (PGM), da Secretaria de Educação e Esportes do Estado (SEE-PE). Há também a possibilidade de realizar um intercâmbio por conta própria através de uma agência especializada. 

##RECOMENDA##

O LeiaJá entrou em contato com universidades públicas estaduais para saber como é feito todo o processo de intercâmbio dos alunos e quais sãos os custos. Confira:

Universidade de Pernambuco (UPE)

De acordo com Karl Schurster, responsável pela assessoria de relações internacionais da UPE, o foco é o processo de internacionalização da universidade e para isso  contam com parcerias por meio de Memorando de Entendimento (MOU). “Nossos acordos são voltados para que nossos alunos, professores e até servidores técnicos possam continuar sua formação no exterior”, diz. 

A UPE tem mais de 200 convênios firmados com universidades ao redor do mundo. Schurster comenta que “esses convênios se baseiam no princípio da reciprocidade para os alunos de graduação. Ou seja, se eles não pagam para estudar em nossa universidade também não pagamos para estudar nas deles”. Ele ainda acrescenta que na graduação os estudantes da UPE podem estudar de um mês até mesmo dois anos no exterior e trazer os créditos para a universidade validar no Brasil. 

Vale pontuar que a instituição de ensino também fornece opção de intercâmbio por meio do programa do Santander, sendo oferecidas três bolsas internacionais para que alunos possam estudar durante um período de seis meses em uma universidade na América Latina ou Península Ibérica. Além disso, o programa também oferece oportunidade de bolsas de estudos para estudantes de qualquer universidade. 

“Temos um acordo de cooperação com a universidade de Torino e a Fiat, onde os nossos alunos de engenharia, em média três durante o ano, vão estudar lá e eles mandam mais três para o nosso País”, explica Karl Schurster. Ele também pontua que um dos acordos mais ativos é o da Universidade do Porto, em Portugal. “Esse nós temos enviado muitos alunos de várias áreas e nossos professores procuram muito esse convênio por conta da língua e da qualidade da Universidade”, garante.

Schurster diz que são enviados muitos estudantes do curso de medicina para fazer parte de aulas práticas médicas sem nenhum custo. “Naturalmente, o estudante paga suas passagens e hospedagem, mas não paga as propinas universitárias. Na pós-graduação esse processo é igual se o aluno for fazer uma curta temporada, mas se ele for tentar fazer o curso integral no exterior tem que pagar as taxas administrativas da universidade desejada”, finaliza. 

Jairo Fernandes, ex aluno da UPE, realizou o intercâmbio acadêmico por meio do programa Santander para a universidade nacional de La Plata, na Argentina. “A universidade que escolhi disponibilizou uma lista de pessoas que são nativas e oferecem quartos ou casa inteira para estudantes de intercâmbio na cidade. Os gastos eram controlados por mim, a partir da disponibilização da bolsa pelo Santander. Então, foi um trabalho mais de cálculo e controle, já que o valor da bolsa era integral e antes de tudo começar fiz um câmbio e calculei uma média entre aluguel, transporte e alimentação para poder viver de forma tranquila na Argentina. Não tive muitos problemas com isso, tendo em vista que houve uma organização financeira”, relembra o intercambista. 

Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Para os alunos matriculados na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), é possível realizar o intercâmbio por meio dos programas Brafagri e Santander de Bolsas Íbero-Americanas, que são parceiras com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Santander Universidades. As instituições custeiam a mobilidade acadêmica dos alunos selecionados.

Para participar do programa do Santander, é preciso que os candidatos estejam inscritos na página virtual da ação. A partir disso, todos os cadastrados serão contemplados com um curso de experiência internacional on-line, que consiste em um conteúdo dedicado àqueles que desejam vivenciar um intercâmbio por meio de dicas e orientações. As regras de participação estão disponíveis no edital. O programa está com inscrições abertas até o dia 23 de agosto e a prova de língua espanhola está prevista para 10 de setembro.

Quanto ao programa Brafagri, os estudantes interessados precisam realizar inscrições e passar por algumas etapas. Caso selecionado, será concedido ao aluno, pelo período efetivo de estadia na França, bolsa de graduação, no valor de 870 euros mensais; seguro-saúde de 90 euros mensais; auxílio instalação de 110 euros e auxílio deslocamento/passagem aérea de ida e volta em classe econômica promocional, para o traslado Brasil/França/Brasil, emitida pela Capes. O programa se encontra encerrado e o resultado já foi divulgado. Mais informações podem ser obtidas no último edital aberto.

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Já para os estudantes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) que desejam realizar um intercâmbio gratuito, a instituição informou que desde o fim do Ciências Sem Fronteiras não há mais possibilidade, mas é possível realizar o processo por um baixo custo. 

Madson Diniz, diretor executivo de Relações Internacionais da UFPE, separou uma lista com os países mais em conta, sendo esses boas opções para os estudantes   realizarem um intercâmbio individual. Na lista, as alternativas são voltadas para alunos de qualquer universidade e que cursem graduação, mestrado ou doutorado. Confira: 

Alemanha

Todas as universidades são gratuitas desde 2014 e em algumas universidades federais, cobra-se uma contribuição semestral e/ou taxas administrativas, na faixa de 50 euros.

Madson comentou que o estudante precisa pesquisar quais são as instituições estrangeiras que possuem convênio com a universidade em que o aluno estuda, para que assim sejam analisados os custos.  “As universidade que têm um convênio mútuo facilitam o procedimento e o setor de relações internacionais pode mediar o contato. Ou então, por conta própria, o estudante pode entrar em contato com a universidade que se interessa, seja pela região ou pela área de estudo. Alguns países, como a Alemanha, Suécia e Noruega possuem órgão que tem o objetivo de difundir o intercâmbio acadêmico. Por exemplo, a Alemanha possui o DAAD, essa entidade oferece várias opções de intercâmbio para graduação, mestrado e doutorado”, explicou o diretor de Relações Internacionais. 

Áustria 

As universidades públicas ou federais da Áustria cobram cerca de 360 a 720 euros anualmente.

Noruega

Segundo o site Study In Norway, universidades e faculdades estatais da Noruega via de regra não cobram mensalidade dos alunos, incluindo estudantes estrangeiros. 

Finlândia

De acordo com o site Study in Finland, alunos de cursos de PhD não pagam "tuition fees". O mais comum é que eles recebam salário ou bolsas de estudo enquanto atuam como pesquisadores. Para cursos de mestrado e graduação, porém, tanto as instituições públicas quanto as privadas cobram mensalidades desde o segundo semestre de 2017. Mesmo assim, em alguns casos, é possível ficar isento dessas taxas.

Suécia

Assim como na Finlândia, os estudantes estrangeiros na Suécia não precisam pagar mensalidade para programas de doutorado. O mais comum é que eles recebam salário ou, ao menos, uma bolsa de estudos. No entanto, no caso de programas de graduação ou mestrado, essas taxas podem ser aplicadas.

Islândia

O país tem sete universidades, quatro das quais são públicas. E, nelas, não são cobradas as "tuition fees" apenas uma taxa administrativa de registro, que custa cerca de US$ 600 por ano. Convertendo e tirando a média, dá cerca de R$ 270 por mês para estudar numa universidade islandesa. Por outro lado, o custo de vida no país pode ser proibitivo, mesmo considerando os preços baixos que se paga para estudar. Há, no entanto, pelo menos duas universidades que concedem bolsas de estudos a alunos internacionais. As bolsas, segundo o site Study in Iceland, são oferecidas também pelo ministério de Educação, Ciência e Cultura da Islândia, e variam a cada ano.

Mobilidade Virtual 

A mobilidade virtual permite que estudantes cursem disciplinas ou cursos on-line concomitantemente com seus estudos. O programa é uma oportunidade de prática de segundo idioma, contato com novas culturas e internacionalização do currículo, sem despesas com viagens. A mobilidade virtual tem vindo a aumentar exponencialmente a capacidade de viagem e de trocas culturais abrindo horizontes de saberes e experiências que de outro modo seriam impossíveis de realizar para a maioria dos indivíduos. Importa assim lembrar, desde já, as consequências positivas dos contatos interculturais entre grupos e indivíduos e destacar a sua importância para o desenvolvimento do conhecimento, da economia e da cultura.

Madson comentou que geralmente a mobilidade virtual é gratuita e destaca-se a interatividade e comunicação entre professores e estudantes de diferentes nacionalidades e proveniências culturais que visam a formação acadêmica, mas também devem proporcionar momentos de contato cultural. "Para isso, devem ser proporcionados diferentes ambientes digitais onde a comunicação e a participação são encorajados, tais como plataformas de comunicação, videoconferências, wikis, blogues, e-mails e a possibilidade de participar em conferências e encontros científicos com ligação streaming”. finalizou.

Para participar do Programa Ganhe o Mundo (PGM), o estudante precisa ter alcançado a média mínima de sete pontos sem arredondamento, média bruta, no desempenho acadêmico escolar nas disciplinas de português e matemática, nos dois primeiros bimestres do ensino médio.

Manuela Freitas, ex-aluna da Escolas de Referência em Ensino Médio Joaquina Lira, situada na cidade de  Aliança, em Pernambuco, realizou intercâmbio com destino ao Canadá, por meio do PGM, quando cursava o 2° ano, em 2014. Ela comentou que passou cinco meses. Após a inscrição, foi divulgado a seleção das pessoas que iriam realizar o curso de língua estrangeira. “No ano em que realizei o intercâmbio também foi aplicada uma prova para saber quem poderia viajar. Considerei uma prova simples, mas para isso precisei estudar bastante”, comentou a intercambista.

“O PGM fica responsável pela escolha da família em que o aluno ficará hospedado. Daí, cada participante precisa enviar uma carta para as famílias comentando um pouco sobre sua personalidade. Com isso, as famílias selecionam o intercambista de acordo com a carta enviada”, explica Manuela.

“Minha rotina de estudos foi tranquila no Canadá, procurei sempre revisar assuntos assim que chegava das aulas. Não tinham conteúdos relacionados ao Brasil, eram todos de lá”, acrescentou a intercambista. Quanto aos custos, Manuela explica que a família que recebe os intercambistas ganham um determinado valor do Governo para se manter, além de um valor que é passado para o estudante.

Lucas Vicente, instrutor da Língua Inglesa, exerceu suas atividades entre os anos de 2014 a 2019, no Programa Ganhe o Mundo. Ele explica que “os alunos sempre foram interativos no PGM para ter um acesso ao intercâmbio fora do país. O programa é um espaço para que os estudantes possam ter acesso ao inglês e ao espanhol. São muitas opções de destino como Argentina, Nova Zelândia, Estados Unidos, Austrália, Canadá, Chile, entre outros. É um programa bastante amplo e que, de fato, fornece oportunidades para estudantes da Rede Estadual”, comenta.

O LeiaJá também entrou em contato com o setor de Relações Internacionais da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau Recife para saber como é feito o processo de intercâmbio da universidade privada. Thaisa Guimel, assistente do setor, explicou que todos os anos é aberto o período de inscrições  do Programa de Bolsas Santander, onde os alunos do Grupo Ser se inscrevem, participam do processo seletivo (análise das documentações) e concorrem às bolsas de estudo.

Josias Santos, ex-aluno da UNINASSAU, realizou o intercâmbio por meio de um dos programas que o Santander forneceu em parceria com a universidade. Ele explica que quando foi selecionado para receber a bolsa, já estava ciente do valor que seria passado para ele. “Foi passado para mim R$ 15 mil, então, tive que decidir como seria a organização dos gastos. O principal critério  da seleção foi a média global, então foi analisado todo o histórico acadêmico”, relembra.

O intercambista ainda ressalta que a vivência foi bem marcante, desde o ponto de vista acadêmico até humanitário. “Sair da zona de conforto e experimentar o novo foi bem desafiador e transformador. A família que me recebeu no Chile foi bem gentil. Hoje em dia até brinco dizendo que tenho uma família brasileira e outra chilena. Desenvolvemos uma relação tão boa que fui até convidado para retornar ao país para passar as férias e eles arcariam com os gastos. São coisas como essas que o dinheiro não paga e que irão me marcar para sempre”, relatou Josias.

Atualmente, a UNINASSAU está com inscrições abertas para alguns dos programas de intercâmbio que o Santander oferece. Confira: 

Programa de Bolsas Santander Top España

 Com inscrições abertas, a viagem será realizada em 2021, prevista para o mês de férias. O aluno selecionado irá cursar durante três semanas o curso de espanhol e cultura espanhola na Universidade de Salamanca, na Espanha. Será pago passagem, hospedagem, alimentação, curso, certificado, seguro e  material didático. 

Programa de Bolsas Santander Íbero Americanas

Apesar das inscrições estarem canceladas em decorrência da pandemia da Covid-19, os alunos que já foram selecionados irão passar um semestre dos seus cursos de graduação no exterior. Além disso, recebem uma bolsa auxílio no valor equivalente a 3 mil euros para custear as despesas (passagem, hospedagem, documentação , alimentação).

Intercambistas da UNINASSAU em Portugal 

Foto: Divulgação/RelaçõesInternacionais/UNINASSAU

Os alunos interessados em participar e conhecer diversos outros meios que são oferecidos pela UNINASSAU para realização do intercâmbio devem entrar em contato com o setor de Relações Internacionais, através do e-mail  relacoesinternacionais@sereducacional.com.

Os países e universidades de destino são Chile, na Universidade Del Desarrollo (UDD); Portugal, no Instituto Universitário da Maia (ISMAI); Argentina, pela Universidade Del Norte Santo Tomás de Aquino (UNSTA); e Alemanha, na Ludwigsburg University (exige alemão básico).

A UNINASSAU também disponibiliza bolsas parciais de intercâmbio, onde o aluno que atender aos pré-requisitos da bolsa não paga a mensalidade da IES Estrangeira. Porém, ele deve arcar com suas despesas pessoais como hospedagem, alimentação, passagem e documentações. Nesta modalidade, o intercâmbio é feito durante seis meses. 

Além dessas possibilidades, o intercâmbio também pode ser feito diretamente com uma agência privada que ficará responsável por todo o processo. De acordo com Bruna Suassuna, da STB Intercâmbio, no Recife, o processo que deve ser feito é bem simples. A pessoa interessada procura uma agência de intercâmbio e junto ao consultormolda o programa e decide o país, cidade, escola, duração, carga horária, hospedagem, entre outros. 

A STB  ressaltou que o país mais em conta está o Canadá, com destino a cidade de Toronto. As atividades acadêmica seriam realizadas na Kaplan Internacional com a opção do curso General English. A taxa do material e o curso seria 1.028,00 dólares canadenses, o que resulta no Brasil em R$ 3.992,68. Confira todo o orçamento desenvolvido pela STB.

A preocupação aumenta entre os milhares de estudantes estrangeiros nos Estados Unidos ameaçados de deportação pelo governo americano, se não retomarem as aulas presenciais, apesar do aumento do número de casos e de óbitos por coronavírus no país.

Apenas nas universidades públicas da Califórnia, que anunciaram cursos virtuais a partir de setembro, quando começa o primeiro semestre do ano letivo, existem mais de 40.000 estudantes estrangeiros. Em Harvard, que suspendeu cursos presenciais por todo ano, eles são cerca de 5.000.

##RECOMENDA##

Na segunda-feira, a Polícia de Imigração dos EUA (ICE, na sigla em inglês) anunciou a revogação dos vistos de estudantes universitários que não estiverem inscritos em cursos presenciais.

Os estudantes estrangeiros se tornaram, com isso, vítimas colaterais da pressão por parte do presidente dos EUA, Donald Trump, para forçar a reabertura de todas as escolas e universidades do país, embora a pandemia esteja longe de estar sob controle. Desde março, já são quase três milhões de casos e mais de 131.000 mortes no país.

A Universidade de Harvard e o MIT entraram na Justiça na quarta-feira (8) para bloquear a decisão "arbitrária e caprichosa" do governo.

"Chegou sem aviso prévio, e sua crueldade perde apenas para sua irresponsabilidade", disse o presidente da Universidade de Harvard, Lawrence Bacow.

"Eu posso ser afetado, se eles não oferecerem cursos presenciais", disse Taimoor, de 25 anos, estudante paquistanês na Cal State Public University, em Los Angeles.

"Estou preocupado. Isso pode mudar meu futuro e meus projetos", desabafou.

Um estudante indiano matriculado em um mestrado em uma grande universidade do Texas conta que planejava fazer cursos on-line neste outono (primavera no Brasil) para evitar o contágio da COVID-19.

Ele já teve cursos virtuais no último semestre, mas agora será forçado a retornar fisicamente para a universidade para não perder o visto.

"O custo do tratamento no hospital é muito maior do que no meu país", diz esse jovem de 25 anos, que pediu para não ser identificado. "Então eu tenho medo", afirmou.

"Eu falo com muitas pessoas que estão realmente assustadas", acrescentou.

"Estamos sozinhos em um país estrangeiro. Não tenho ninguém para cuidar de mim", em caso de doença, acrescentou.

Uma estudante indiana que faz mestrado em Engenharia Eletrônica em uma grande universidade do Arizona, um dos focos do novo coronavírus, também tem medo.

Ela sabe que terá de voltar ao campus para concluir seu trabalho de pesquisa e garantir sua posição de tutora para alunos mais jovens, apesar de "parecer muito difícil controlar a propagação do vírus em um campus tão lotado".

A maioria das universidades americanas (84%, de acordo com o site Chronicle of Higher Education) é voltada para uma fórmula presencial, ou híbrida, que combina cursos virtuais e ensino presencial. Isso permitiria aos estudantes evitar a deportação, com a qual são ameaçados pelo governo Trump.

Algumas, como a Universidade do Sul da Califórnia (USC), que anunciou inicialmente que quase todos os cursos estariam on-line, estão considerando oferecer mais cursos presenciais.

- "Injusto" -

Muitos temem o ressurgimento da pandemia no outono (primavera no Brasil). Isso forçaria os estabelecimentos a retornarem à educação virtual, e os estudantes estrangeiros teriam de deixar o país.

O governo "não pode controlar o vírus. Isso pode acabar mal", disse a futura engenheira indiana, que viverá "em um estado de inquietação permanente" até o final do próximo semestre.

"Investi três anos da minha vida e trabalhei duro para obter esse diploma. Se meu visto for revogado, seria terrível", lamentou.

O número de estudantes estrangeiros nos Estados Unidos dobrou em 15 anos e, desde 2015, encontra-se estável no patamar de quase um milhão, segundo o Instituto de Educação Internacional.

O custo proibitivo da maioria das universidades americanas, o aumento de universidades concorrentes, especialmente na Europa, e a política de imigração de Trump tornaram os Estados Unidos um país menos atraente para ir estudar.

As decisões recentes "correm o risco de enfraquecer uma das maiores vantagens dos Estados Unidos, seu sistema educacional, o melhor do mundo" para o ensino superior, alerta Aaron Reichlin-Melnick, do Conselho Americano de Imigração (AIC, na sigla em inglês).

Até então, a futura engenheira indiana que estuda no Arizona queria ficar nos Estados Unidos para fazer um doutorado, e talvez até mais. Hoje, porém, ela tem dúvidas, diante "do tratamento dos imigrantes e das pessoas com vistos temporários por parte do governo".

Estudante do Instituto Federal de São Paulo, Isabelly Moraes Veríssimo dos Santos, de 18 anos, conquistou, em 2020, a aprovação em sete das dez universidades estrangeiras a qual pleiteou oportunidades de estudo. Nesta segunda-feira (6), às 16h30, a jovem particicipará de uma live no Vai Cair No Enem, projeto multimídia realizado em parceria com o LeiaJá.

No encontro, a estudante contará como era sua rotina de estudos para aprovação, qual o processo de candidatura às vagas em universidades estrangeiras, dará dica para os estudantes que estão se preparando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), entre outros assuntos abordados. 

##RECOMENDA##

Isabelly foi aprovada na Charles Darwin University (Austrália), Cedar Crest College, Ohio University, Nova Southeastern University, Rose-Hulman Institute of Technology, Indiana University Bloomington, todas nos Estados Unidos. A transmissãos erá exibida por meio do Instagram @vaicairnoenem e do canal youtube.com/vaicairnoenem

Foto: Arquivo pessoal

[@#video#@]

Brasileiros podem desenvolver pesquisas nos Estados Unidos. Foto: Divulgação/Fulbright

##RECOMENDA##

Pesquisadores podem participar do Programa de Intercâmbio Educacional e Cultural do Governo dos Estados Unidos da América (Fulbright), que oferece editais para estudo e atuação nos Estados Unidos. As formações são oferecidas nas modalidades doutorado sanduíche, pesquisador visitante e visitante júnior; quanto às inscrições, as candidaturas podem ser feitas até 2 de agosto, por meio da internet, de maneira gratuita.

Ao todo, 30 oportunidades são ofertadas para doutorado sanduíche em todos os segmentos do conhecimento. A duração é de nove meses; o curso iniciará suas atividades em agosto do próximo ano, enquanto o término está previsto para junho de 2022. Conforme informações divulgadas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), os selecionados terão benefícios, tais como bolsa mensal, auxílio instalação de mil dólares e passagem aérea.

“O programa também oferta vagas para professor/pesquisador visitante nos EUA com mais de sete anos após o doutorado. Interessados podem se candidatar a até 10 bolsas de três ou quatro meses de duração para realizar pesquisas e/ou ministrar palestras em instituições de Ensino Superior ou centros de pesquisa nos Estados Unidos. Os benefícios a serem recebidos pelos aprovados incluem US$ 19.200 mil para quatro meses de permanência nos EUA, US$ 20.200 mil para duas visitas de dois meses ou US$ 14.400 para três meses de permanência para cobrir as despesas de passagem aérea e manutenção no país; seguro para acidentes e doenças limitado; e taxa do visto J-1”, detalhou a UFPE conforme informações da sua assessoria de imprensa. Uma das etapas do processo seletivo é a análise curricular dos participantes.

No que diz respeito à modalidade de pesquisador júnior, o Programa Fulbright dispõe de dez bolsas. Jovens doutores, de qualquer área do conhecimento, poderão ser beneficiados. Entre as exigências do processo seletivo, eles devem ter sido contratados em caráter permanente em instituições de ensino superior com atividades no Brasil.

Uma série de atividades está prevista para os candidatos aprovados. Entre elas estão pesquisas, palestras, apresentação de cursos e seminários. “Serão concedidos aos selecionados os benefícios de US$ 15.600 mil para quatro meses de permanência, US$ 16.600 mil para duas visitas de dois meses ou US$ 11.700 mil para três meses. Estes valores deverão cobrir as despesas de passagem aérea e manutenção nos EUA; seguro saúde; e taxa do visto J-1”, informou a UFPE. Mais informações podem ser obtidas no endereço virtual do programa.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando