Cultura

| Cinema

Dizem que rir é o melhor remédio, e que o poder do humor espanta a tristeza. Seguindo a linha desse raciocínio, os filmes de comédia possuem aquele dom de afastar qualquer tipo de bad. Misturando besteirol e assuntos do cotidiano, os longas que abordam essa temática acabam proporcionando muita diversão para as pessoas que não resistem a uma boa dose de gargalhada.

Para celebrar o Dia Internacional do Riso, neste sábado (18), o LeiaJá listou cinco clássicos cinematográficos, nacionais e internacionais, para quem deseja se acabar de rir.

##RECOMENDA##

1- Minha Vida em Marte

2- As Branquelas

3- As Loucuras de Dick & Jane

4- O Auto da Compadecida

5- De Pernas Pro Ar 2

A dubladora mexicana Andrea Arruti morreu aos 21 anos de idade e, de acordo com o que o jornal Clarín, as causas de morte ainda não foram reveladas - assim como a data exata em que ela faleceu.

A jovem era a responsável por dar voz à princesa Elsa de Frozen na versão em espanhol para a América Latina. Além disso, ela também trabalhava com dublagem em muitos desenhos animados, filmes de animação e jogos de videogame.

##RECOMENDA##

My Little Pony, Trolls e o famoso jogo League of Legends são alguns dos títulos que contam com a voz de Andrea.

A atriz australiana Cate Blanchett presidirá o júri do 77º Festival de Cinema de Veneza, que será realizado de 2 a 12 de setembro, anunciaram os organizadores nesta quinta-feira.

"Todo ano eu estudo a seleção de Veneza, e todo ano acho surpreendente e notável", disse Cate Blanchett, 50 anos, depois de receber a notícia, segundo o comunicado.

##RECOMENDA##

"Veneza é um dos festivais de cinema mais atraentes do mundo. É uma celebração do cinema, o meio que provoca e estimula em todas as suas formas", declarou ainda.

Para Alberto Barbera, diretor artístico da Mostra Venetian "será um grande prazer" receber Cate Blanchett em Veneza como presidente do júri "depois de aplaudi-la como a magnífica intérprete de 'Elizabeth: a idade de ouro" de Shekhar Kapur e em "I'm Not There ", do americano Todd Haynes, no qual ele transforma Bob Dylan em um dândi andrógino", disse ele.

A atriz foi escolhida "por seu compromisso artístico, humanitário e de apoio ambiental, além da defesa da emancipação feminina em um setor como o filme que ainda precisa enfrentar preconceitos machistas", disse Barbera.

Conhecida por sua batalha contra a violência sexual contra mulheres no cinema, Cate Blanchett estrelou um protesto histórico há dois anos, juntamente com outras estrelas durante o festival de Cannes na França, ano em que também presidiu o júri.

Uma exibição em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (CCBB/SP) tem a programação toda voltada para fãs das origens do cinema. Com apresentação de 190 filmes produzidos pela empresa de propriedade dos pioneiros do cinema, os irmãos Auguste Marie Louis Nicholas e Louis Jean Lumière, a mostra "Lumière Cineasta" estreia nesta quarta-feira (15) na região central da capital paulista. A lista também traz obras de diretores influenciados pelo trabalho dos franceses como Jean Renoir (1894-1979), Buster Keaton (1895-1966), Jacques Tati (1907-1982), Andy Warhol (1928-1987) e Harun Farocki (1944-2014).

A mostra exibe os curtas-metragens produzidos pela Societé Lumière entre os anos de 1895 e 1905. No período, a empresa elaborou mais de 1,4 mil filmes. No CCBB/SP, a programação estará dividida em 19 sessões temáticas denominadas como “Ângulos da Cidade”, “Operários, Camponeses” e “A Vida em Ato”. As obras serão apresentadas junto a curtas, médias ou longas-metragens realizados por cineastas que seguiam a mesma linha dos irmãos precursores da Sétima Arte. Além das produções, o evento ministrará um curso com duração de quatro aulas, relacionando o ofício dos Lumière a questões como vida urbana, trabalho e família.

##RECOMENDA##

Em cartaz até o próximo dia 10 de fevereiro, a programação será exibida das 9h às 21h, exceto às terças-feiras. O CCBB/SP fica na Rua Álvares Penteado, 112, no Centro. Os ingressos custam R$ 10.

Serviço:

Mostra “Lumière Cineasta” no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (CCBB/SP)

Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 – Centro

Quanto: R$ 10

Quando: de 15 de janeiro a 10 de fevereiro (exceto às terças-feiras)

Mais informações: (11) 3113-3651

Foi liberado nesta quarta-feira, dia 15, o trailer da cinebiografia Sergio, protagonizada por Wagner Moura. Produzida pela Netflix, ela narra a história de um diplomata brasileiro morto em 2003 durante um ataque a bomba à sede da ONU em Bagdá.

[@#video#@]

##RECOMENDA##

Conforme diz a sinopse, após anos trabalhando na instituição, Sérgio decide viver uma vida simples ao lado da esposa, a economista argentina Carolina Larriera, papel de Ana de Armas. Antes, no entanto, ele assume uma última missão a pedido de George W. Bush para ir até a capital do Iraque que está recém-mergulhada em um caos com a invasão norte-americana.

Porém, a missão que deveria ser breve é interrompida por um homem-bomba que lança um caminhão contra o quartel-general da ONU. A partir daí, as paredes do edifício caem sobre Sérgio e ele passa a lutar entre a vida e a morte.

O longa estreia no dia 17 de abril.

Adam Sandler ficou de fora da lista de indicados ao Oscar 2020. O ator, no entanto, não deixou o bom humor de lado ao falar sobre o assunto em suas redes sociais.

Más notícias: Sandman não recebeu amor da Academia. Boas notícias: Sandman pode parar de usar ternos. Parabéns a todos os meus amigos que foram indicados, principalmente à Mama, escreveu em tom de ironia.

##RECOMENDA##

O ator estava cotado para ser indicado, pela primeira vez, na categoria de Melhor Ator, por sua atuação no filme em Joias Brutas. Porém, ele acabou não sendo notado pela Academia e foi esnobado.

Na mensagem, o ator parabeniza a atriz Kathy Bates em sua publicação. Ela está indicada na categoria de melhor atriz coadjuvante por O Caso Richard Jewell. Bates foi mãe de Sandler na comédia O Rei da Água, de 1998, como Mama Baucher.

O filme Joias Brutas, estrelado por Sandler, chega à Netflix no dia 31 de janeiro.

Em breve, a Turma da Mônica estará novamente - em carne e osso - nas telonas do cinema. A turminha já está gravando a sequência de sua estreia cinematográfica, o filme Lições. As filmagens acontecem até o dia 11 de fevereiro, em Minas Gerais, e a data de estreia do longa deve ser anunciada em breve.

Em Lições, Mônica, Cebolinha, Cascão e Magali vão ter que encarar as consequências de um erro cometido na escola, além dos desafios da passagem da infância para a adolescência. A nova aventura da turma é uma adaptação da graphic novel homônima, escrita e desenhada pelos irmãos Vitor e Lu Cafaggi. 

##RECOMENDA##

O elenco traz de volta as crianças Giulia Benite (Mônica), Kevin Vechiatto (Cebolinha), Laura Rauseo (Magali) e Gabriel Moreira (Cascão) Também retomam seus personagens do primeiro filme,  Monica Iozzi (Dona Luísa), Paulo Vilhena (Seu Cebola) e Fafá Rennó (Dona Cebola). A novidade de Lições fica por conta de outros personagens do universo da Turma da Mônica que vão aparecer pela primeira vez em sua versão live-action. 

Rodrigo Santoro usou o Instagram na última segunda-feira (13) para celebrar a indicação ao Oscar do desenho Klaus, na categoria de Melhor Animação. Na produção natalina da Netflix, o ator trabalhou como dublador e fez a voz, na versão brasileira, de um dos protagonistas da história, Jesper.

"Que alegria receber a notícia de que #Klaus foi indicado ao #Oscar2020 na categoria "Melhor Animação". Parabéns a todos que fizeram parte dessa construção tão bonita. É, sem dúvida, uma história que emociona crianças e adultos. Se ainda não assistiu, aproveite: está disponível na @netflixbrasil@theacademy", escreveu Santoro na legenda da publicação comemorativa.

##RECOMENDA##

Fernanda Vasconcellos que dá voz à personagem Alva pulicou a mesma mensagem de Rodrigo Santoso, enquanto Daniel Boaventura, que dubla o personagem Klaus, deixou uma mensagem para lá de especial para celebrar o sucesso do trabalho:

"Uma grande alegria saber da indicação de Klaus ao Oscar de Melhor Animação na premiação deste ano. Parabéns ao diretor Sergio Pablos por desenvolver mais uma linda história inspirada na magia do Natal, que encantou e ainda pode tocar outros tantos corações. Fico muito feliz por ter contribuído com a dublagem brasileira dando voz a Klaus, ao lado dos queridos @rodrigosantoro e @fevasconcellos. Um abraço também aos dubladores da versão original, Jason Schwartzman, J. K. Simmons, @rashidajones e toda a equipe. Agora é aguardar a cerimônia no mês que vem e torcer. Quem ainda não viu ou quer ver de novo, pode assistir ao filme na @netflixbrasil", escreveu.

Klaus disputa a desejada estatueta do Oscar com Toy Story 4, Link Perdido, Como Treinar seu Dragão 3 e I Lost My Body.

Ele prometeu nunca mais voltar, mas Patrick Stewart mudou de ideia e novamente vai viver aventuras no espaço como o capitão Jean-Luc Picard em uma nova série da franquia "Star Trek", que será lançada na próxima semana.

Após se despedir do personagem que deu a ele fama internacional, o ator inglês shakespeariano, que completa 80 anos este ano, ficou tentado a voltar ao universo trekker por causa de uma nova visão de Picard.

##RECOMENDA##

"Faz 17 anos desde que eu disse 'au revoir' a Jean-Luc", declarou Stewart à AFP durante uma visita a Paris, e um quarto de século desde o encerramento de "Star Trek- A Nova Geração", o primeiro "spin-off" de "Star Trek", a série de ficção científica surgida nos 1960.

"Era minha intenção absoluta não apenas nunca voltar a esse mundo, mas assumir que tudo o que podia ser dito havia sido dito - que não havia mais nada a dizer", acrescentou o ator.

Isso até Stewart começar a conversar com Alex Kurtzman, o criador de "Star Trek: Picard", e o roteirista Michael Chabon, que queria levar o comandante a lugares aonde nunca esteve antes.

Chabon traz um certo prestígio ao projeto como romancista premiado com o Pulitzer - mas ele também é um fã de longa data de Star Trek.

"Descobri que eles tinham ideias inesperadas e que estávamos em um mundo diferente daquele criado pela 'Nova Geração'", afirmou Stewart, que nos últimos anos emprestou seu talento a outro personagem emblemático, o professor Xavier de "X-Men".

Agitado e abalado

"Parece um novo começo, porque Picard está em uma situação completamente diferente daquela que vimos nos 178 episódios e quatro filmes de cinema anteriores", explica.

Por um lado, o agora almirante reformado, que sempre exibiu fleuma e autoridade, sofrerá uma genuína transformação na nova série, que estreia dia 23 de janeiro na CBS e na Amazon Prime.

O velho Picard perdeu o rumo, abalado pela morte do androide Data, que era um verdadeiro amigo para seus colegas da Frota Estelar.

"O mundo ao redor dele é transformado e não é mais o mesmo mundo que ele conhecia", diz Stewart, que apareceu pela última vez a bordo da nave "Enterprise" no filme de 2002 "Nêmesis".

Picard volta à ação dessa vez para ajudar Dahj, uma jovem cheia de angústias.

Além disso, a nova série também mostra Picard voltando às suas raízes gaulesas, enquanto a civilização francesa parece estar à beira da extinção.

Com algumas cenas gravadas em um vinhedo, Picard fala em sua língua nativa. "Tentamos criar um cenário o mais francês possível", disse Stewart à AFP.

Paralelos com o presente

Na nova série, Picard conta com a ajuda de Raffi Musiker, uma hacker investigadora com talentos inigualáveis interpretada por Michelle Hurd, que é atormentada por seus demônios e pelas relações complicadas com o capitão no passado.

"Acho que ela representa muitas pessoas, mulheres feridas e assombradas pelas escolhas e decisões que tomaram na vida", explica Hurd à AFP.

"Ela está apenas tentando acordar de manhã e enfrentar o dia. Ela é muito, muito boa no trabalho dela. Às vezes acho que talvez essa habilidade... seja a coisa que a distrai do que a assombra", acrescentou.

A outra personagem feminina importante da série é Dahj, interpretada pela atriz britânica Isa Briones.

"Dahj meio que coloca tudo em movimento... fazendo Picard se aventurar em uma nova missão", diz ela.

Embora não fosse uma grande fã da série original, Isa diz que sempre admirou os valores, como direitos humanos e diversidade, que a criação de Gene Roddenberry promovia muito à frente de seu tempo.

"Eu gosto de dizer que é uma bela responsabilidade que temos. As pessoas se preocupam muito com esse programa ... Isso as ajudou a encontrar as pessoas certas, que falam o mesmo idioma que os fãs", comentou.

Como costuma acontecer com a ficção científica, Briones disse que "as histórias refletem os eventos atuais".

"Vamos contar histórias que são pertinentes para este momento. Não estamos dando lições, mas estamos trazendo luz aos dilemas humanos", acrescentou.

As inscrições e o edital para o 16° Festival Osga de Vídeos Universitário, realizado pela UNAMA - Universidade da Amazônia, foram prorrogadas até o dia 27 de fevereiro de 2020. Requisitos, orientações e prazos estão no edital (acesse aqui). 

O Festival Osga é o maior evento audiovisual universitário da região Norte e o terceiro maior e mais antigo do Brasil. Este ano tem como tema "O livro é uma felicidade encadernada".

##RECOMENDA##

Desde 2015, estudantes de todo o país regularmente matriculados no ensino superior podem inscrever seus projetos. Além das oito categorias tradicionais da competição – Curta de Ficção, Vídeo Minuto, Vídeo Publicitário, Minidocumentário, Osga na Escola, Vídeo Arte e Vídeo Mobile –, a grande novidade desta edição é a categoria Vídeo Sustentável, direcionada para pós-graduandos e que tem o apoio do Sindicato das Indústrias Minerais do Estado do Pará (Simineral).

Criado dentro de sala de aula, em 2005, o Festival Osga começou por iniciativa de uma turma de Publicidade e Propaganda da UNAMA - Universidade da Amazônia. O nome Osga faz trocadilho com a maior premiação de cinema do mundo, o Oscar.

Em 2011, o Festival passou a aceitar trabalhos de alunos de outras instituições de ensino superior de Belém do Pará e rompeu os muros da universidade, indo parar no centenário Cine Olympia. Nos anos seguintes a participação aumentou cada vez mais, e o Festival já chegou a receber mais de 50 inscrições em uma das suas edições.

Com uma gama de parceiros e apoiadores, o Festival Osga de Vídeos Universitários se incorporou ao calendário do Grupo Ser Educacional e ganhou dimensão nacional. Alguns dos curtas vencedores jámereceram destaque e prêmios país afora, como “Espátula e Bisturi”, “Diário Íntimo” e “Pretas”.

 

 

 

No dia 9 de fevereiro, em Los Angeles, nos Estados Unidos, serão anunciados pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas os vencedores da 92ª edição do Oscar. A lista dos indicados, divulgada nesta segunda-feira (13), foi bastante comentada na internet.

Encabeçando os trending topics do Twitter, por exemplo, os nomes que irão concorrer ao prêmio levantaram uma pergunta: Cadê os negros? O questionamento levantado por diversas pessoas foi o mesmo abordado pela cantora brasileira Iza. Em sua conta oficial do microblog, Iza não se conformou com a ausência da atriz Lupita Nyong'o como uma das indicadas na premiação.

##RECOMENDA##

Abraçando cada vez mais produções de streaming, e exaltando filmes recordes de bilheteria, como é o caso de Coringa, que disputa 11 estatuetas, o Oscar 2020 continua estendendo o tapete para a arte branca e masculina. Assim como o espanto de Iza, a expectativa em cima de Lupita estava grande.

Em 2019, a estrela do longa-metragem Nós, dirigida por Jordan Peele, recebeu elogios dos críticos de cinema pela entrega em sua atuação. Apresentando nas edições anteriores discursos entusiasmados, e com substâncias de protesto, todos voltados para a igualdade, o Oscar 2020 deixou de lado o talento arrebatador de mulheres fortes e de negros que buscam a representatividade.

Morbius, filme do vampiro inimigo do Homem-Aranha, ganhou seu primeiro trailer nesta segunda-feira (13). Longa é protagonizado por Jared Leto e chega aos cinemas esse ano. Quem também está no elenco é Michael Keaton, revivendo o papel do vilão Abutre. 

Morbius conta a história de um cientista que, na tentativa de se curar de uma rara doença sanguínea, acaba infectando a si mesmo com um tipo de vampirismo. Assista:

##RECOMENDA##

[@#video#@]

As indicações ao Oscar foram divulgadas nesta segunda-feira, com "Coringa" recebendo o maior número delas (11) à frente dos favoritos "Era uma Vez ... em Hollywood", "1917" e "O Irlandês".

A seguir, cinco curiosidades do anúncio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood:

##RECOMENDA##

- Scarlett e Saoirse fazem história -

As diretoras foram excluídas da lista de indicados, mas duas atrizes têm bons motivos para comemorar nesta segunda.

Scarlett Johansson nunca tinha sido indicada para um Oscar, mas conseguiu duas indicações de uma vez.

Ela vai concorrer a melhor atriz, por seu papel no drama "Histórias de um casamento", e melhor atriz coadjuvante, pelo papel de jovem mãe que esconde uma menina judia em seu sótão durante a Segunda Guerra Mundial, em "Jojo Rabbit."

Enquanto isso, Saoirse Ronan conseguiu sua impressionante quarta indicação ao Oscar aos 25 anos. Ela é a segunda mulher mais nova a realizar o feito, atrás de Jennifer Lawrence.

- Recorde sul-coreano -

"Parasita", o sucesso de crítica de Bong Joon-ho, torna-se o primeiro filme sul-coreano a concorrer tanto a melhor filme de língua estrangeira, quanto a melhor filme.

É o sexto filme de língua não-inglesa a conquistar esta indicação dupla, depois de "Roma", no ano passado.

Nenhum dos cinco anteriores, contudo, conseguiu levar o princial troféu da noite para casa.

Será que a crítica social de Bong pode conseguir isso?

No Globo de Ouro, o diretor sugeriu que o público deveria "superar as barreiras das legendas" e ver seu filme.

- Netflix chegou lá -

A temporada de premiações tem sido irregular para a Netflix.

Líder de indicações ao Globo de Ouro com uma enorme margem, a gigante do streaming levou apenas dois prêmios - um para Laura Dern, atriz coadjuvante em "Histórias de um casamento", e outro para Olivia Colman, protagonista da série de TV "The Crown".

Apesar disso, a Netflix - que gastou milhões de dólares para atrair os maiores talentos da indústria cinematográfica e financiar generosas campanhas de de premiação - recebeu impressionantes 24 indicações ao Oscar nesta segunda.

- Williams de olho no recorde de Walt Disney -

"Star Wars: a ascensão Skywalker" não foi bem recebido pela crítica, mas uma nova indicação pela trilha do lendário compositor John William era uma aposta certa.

Nesta segunda, ele recebeu sua 52ª indicação ao Oscar - se aproximando do recorde individual de Walt Disney, com 59.

O filme, que conclui a "Saga Skywalker", levou outras duas indicações, de edição de som e efeitos visuais.

- J-Lo, Sandler e De Niro esnobados -

Duas grandes estrelas que esperavam ser indicadas por suas atuações passaram batidas pela Academia nesta segunda.

Jennifer Lopez nunca foi indicada a um Oscar, mas sua performance como uma stripper astuta em "As golpistas" gerou um "buzz" significativo.

De Niro, que venceu pela última vez em 1980 por "Touro indomável" e não conseguiu levar o prêmio em três indicações desde então, não conseguiu convencer a Academia com seu papel em "O irlandês".

Ele teve que se contentar com a indicação a coprodutor na categoria de melhor filme.

E Adam Sandler, muito elogioado por sua atuação em "Uncut Gems", tinha esperanças de finalmente ser indicado para o grande prêmio, e ficou de fora.

"Coringa" lidera com 11 o número das indicações ao Oscar anunciadas nesta segunda-feira em Los Angeles pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, que também indicou na categoria melhor documentário "Democracia em vertigem", da brasileira Petra Costa.

"Dois Papas", o filme de Fernando Meirelles para a Netflix, foi indicado para melhor ator (Jonathan Pryce), melhor ator coadjuvante (Anthony Hoptkins) e melhor roteiro adaptado.

##RECOMENDA##

O filme de gângster "O irlandês", de Martin Scorsese, o filme de guerra "1917" e "Era uma vez ... em Hollywood", a ode de Quentin Tarantino à meca do cinema, se seguem a "Coringa", com 10 indicações cada um.

A Academia americana novamente excluiu mulheres da categoria de direção, com destaca para a ausência de Greta Gerwig, cujo filme "Adoráveis Mulheres" está sendo amplamente elogiado.

Pouca diversidade

Nas categorias de atuação, todos os indicados são brancos, com exceção de Cynthia Erivo, indicada como melhor atriz por "Harriet".

Saoirse Ronan ("Adoráveis Mulheres"), Scarlett Johansson ("História de um Casamento"), Charlize Theron ("O Escândalo") e a favorita Rene Zellweger ("Judy") completam a categoria.

Além de Joaquim Phoenix, considerado o favorito, o espanhol Antonio Banderas foi indicado ao prêmio de melhor ator por "Dolor y Gloria", junto com Leonardo DiCaprio ("Era uma vez em Hollywood"), Adam Driver ("História de um casamento") e Jonathan Pryce ("Dois papas").

A controvérsia de omitir mulheres e minorias, em um setor criticado por sua falta de diversidade, foi despertada nas indicações de Bafta, equivalente ao Oscar na Grã-Bretanha, onde todos os indicados eram homens brancos.

Um membro da Academia Americana havia dito à AFP que previa que "este ano seria muito controverso" novamente porque "muitos diretores do sexo masculino foram indicados".

"Infelizmente, existem apenas cinco indicados para melhor diretor em um ano incrivelmente forte", disse ele, citando nomes como Scorsese, Tarantino e Sam Mendes ("1917"), indicados ao lado de Todd Phillips ("Joker") e Bong .

"A Academia quer escolher o melhor, mas também quer ser sensível a mulheres e minorias", comentou Chris Beachum, do site de rastreamento de prêmios Gold Derby.

Mas estrelas não-brancas como Lupita Nyong'o, Awkwafina e Jennifer Lopez também ficaram de fora da competição, assim como Eddie Murphy.

A votação para a escolha dos indicados ao Oscar, da qual participam os mais de 9.000 membros da Academia, terminou na última terça-feira, dois dias após o Globo de Ouro, que abriu a temporada de premiação em Hollywood.

A votação que determinará os vencedores, na qual os membros votam em todas as categorias, começa em 30 de janeiro e termina cinco dias depois.

O Oscar será entregue em Hollywood no dia 9 de fevereiro.

Na manhã dessa segunda-feira (13) foi revelada a lista de indicados ao Oscar de 2020. A premiação, que reconhece os melhores artistas e produções do mundo do cinema, acontece no dia 9 de fevereiro, nos Estados Unidos. Logo abaixo, confira os indicados nas principais categorias:

Melhor diretor

##RECOMENDA##

Martin Scorsese de O Irlandês

Todd Philips de Coringa

Sam Mendes de 1917

Quentin Tarantino de Era Uma Vez em... Hollywood

Bong Joon Ho de Parasita

Melhor filme

Ford Vs Ferrari

O Irlandês

Jojo Rabbit

Coringa

Adoráveis Mulheres

História de um Casamento

1917

Era Uma Vez em... Hollywood

Parasita

Melhor atriz principal

Cynthia Erivo por Harriet

Scarlett Johansson por História de um Casamento

Saoirse Ronan por Adoráveis Mulheres

Charlize Theron por O Escândalo

Renée Zellweger por Judy: Muito Além do Arco-Íris

Melhor ator principal

Antonio Banderas por Dor e Glória

Leo DiCaprio por Era Uma Vez em... Hollywood

Adam Driver por História de um Casamento

Joaquin Phoenix por Coringa

Jonathan Pryce por Dois Papas

Melhor atriz coajudvante

Kathy Bates por O Caso Richard Jewell

Laura Dern por História de um Casamento

Scarlett Johansson por Jojo Rabbit

Florence Pugh por Adoráveis Mulheres

Margot Robbie por O Escândalo

Melhor ator coadjuvante

Tom Hanks por Um Lindo Dia na Vizinhança

Anthony Hopkins por Dois Papas

Al Pacino por O Irlandês

Joe Pesci por O Irlandês

Brad Pitt por Era Uma Vez em... Hollywood

Melhor filme estrangeiro

Corpus Christi, de Jan Komasa

Honeyland, Tamara Kotevska, Ljubo Stefanov

Os Miseráveis, de Ladj Ly

Dor e Glória, de Pedro Almodóvar

Parasita, de Bong Joon Ho

Melhor trilha-sonora

Coringa, por Hildur Guðnadóttir

Adoráveis Mulheres, por Alexandre Desplat

História de um Casamento, por Randy Newman

1917, por Thomas Newman

Star Wars: Ascenção Skywalker, por John Williams

O Rei, por Nicholas Britell

Melhor figurino

O Irlandês

Jojo Rabbit

Coringa

Adoráveis Mulheres

Era Uma Vez em... Hollywood

Melhor fotografia

O Irlandês, por Rodrigo Prieto

Coringa, por Lawrence Sher

O Farol, por Jarin Blaschke

1917, por Roger Deakins

Era Uma Vez em... Hollywood, por Robert Richardson

Efeitos Visuais

Vingadores: Ultimato

O Irlandês

O Rei Leão

1917

Star Wars: Ascenção de Skywalker

Melhor filme de animação

Como Treinar o Seu Dragão 3

Perdi Meu Corpo

Klaus

Link Perdido

Toy Story 4

Melhor canção original

I Can’t Let You Throw Yourself Away, de Toy Story 4

I’m Gonna Love Me Again, de Rocketman

I’m Standing With You, de Superação: O Milagre da Fé

Into the Unknown, de Frozen 2

Stand Up, de Harriet

Roteiro adaptado

O Irlandês

Jojo Rabbit

Coringa

Adoráveis Mulheres

Dois Papas

Melhor roteiro original

Entre Facas e Segredos

História de um Casamento

1917

Era Uma Vez em... Hollywood

Parasita

Mixagem de som

Ad Astra

Ford vs Ferrari

Coringa

1917

Era Uma Vez em... Hollywood

Edição de Som

Ford vs Ferrari

Coringa

1917

Era Uma Vez em... Hollywood

Star Wars: Ascenção de Skywalker

Melhor curta de animação

Dcera

Hair Love

Kitbull

Mémorable

Sister

Melhor curta de live-action

Brotherhood

Nefta Football Club

The Neighbors’

Window

Saria

A Sister

Melhor edição

Ford vs Ferrari, por Michael McCusker, Andrew Bucklan

O Irlandês, por Thelma Schoonmaker

Jojo Rabbit, por Tom Eagles

Coringa, por Jeff Groth

Parasita, por Jinmo Yang

Melhor documentário curta-metragem

In the Absence

Learning to Skateboard in a Warzone (If You're a Girl), de Carol Dysinger

Life Overtakes Me, de Kristine Samuelson, John Haptas

St. Louis Superman, de Sami Khan, Smriti Mundhra

Walk Run Cha-Cha, Laura Nix

Melhor documentário

Indústria Americana, de Julia Rieichert, Steven Bognar

The Cave, de Feras Fayyad

Democracia em Vertigem, de Petra Costa

For Sama, de Waad Al-Kateab

Honeyland, de Tamara Kotevska, Ljubo Stefanov

Maquiagem e Cabelo

O Escândalo

Coringa

Judy: Muito Além do Arco-Íris

Malévola: Dona do Mal

1917

Nenhuma cineasta, nenhum ator negro. O diretor de cinema inglês Steve McQueen criticou os principais prêmios britânicos de cinema, após a controvérsia sobre a falta de diversidade nas indicações deste ano.

McQueen, o primeiro cineasta negro a ganhar um Oscar de Hollywood, por "Doze anos de escravidão" em 2014, disse que o Bafta corre o risco de não "interessar a ninguém", se não se tornar mais inclusivo.

##RECOMENDA##

Seu comentário vem depois que a lista de indicados nas principais categorias do Oscar da Academia Britânica de Cinema e Televisão não incluiu mulheres, ou membros de minorias.

Todos os atores nas quatro principais categorias de atuação são brancos, e não há cineastas como candidatas à melhor direção.

A polêmica sobre a lista de indicados levou a academia a anunciar que conduzirá uma "revisão cuidadosa e detalhada" de seu sistema de votação, insistindo em que o equilíbrio é um "problema de toda indústria".

McQueen, que já viu dois de seus filmes premiados anteriormente pelo BAFTA, chamou essa afirmação de "absurda" e apontou vários atores e atrizes negros que poderiam ter sido indicados este ano.

O diretor, que recebeu o título de cavaleiro na lista anual de homenagens do Ano Novo da rainha Elizabeth II, disse que, sem uma reforma, o BAFTA acabará por "não ter credibilidade".

Um relatório de 2018 da empresa de psicologia de negócios Pearn Kandola apontou que 94% de todos os indicados ao BAFTA eram brancos.

O Oscar enfrentou críticas semelhantes nos últimos anos, com listas de indicados para os melhores atores e atrizes exclusivamente brancos em 2015 e 2016.

O Brasil já tem um representante na disputa do Oscar, maior premiação do cinema mundial. É o filme Democracia em Vertigem, da diretora Petra Costa que concorre na categoria Melhor Documentário. O filme mostra os bastidores do processo de Impeachment da ex-presidente Dilma Roussef e é exibido pela Netflix. 

Após passar por uma pré-lista com 15 filmes de todo o mundo, o documentário da mineira Petra Costa conquistou um lugar entre os cinco indicados. Democracia em Vertigem disputa a estatueta com American Factory, The Cave, For Sama e Honeyland. A cerimônia de entrega dos prêmios acontece no dia nove de fevereiro. 

##RECOMENDA##

Esta é a primeira vez que a cineasta é indicada ao Oscar.  A lista completa de indicados foi divulgada na manhã desta segunda (13), pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. 

 

"Era uma vez em... Hollywood", de Quentin Tarantino, recebeu o prêmio de melhor filme concedido pelos críticos de cinema neste domingo (12), uma semana depois de reinar no Globo de Ouro.

O Critics' Choice Awards, que premia o melhor do cinema e da televisão, é considerado um termômetro do Oscar, cujas indicações serão anunciadas nesta segunda-feira (13).

##RECOMENDA##

"Pela primeira vez, concordo com os críticos", brincou Tarantino ao receber o prêmio de melhor ator coadjuvante por Brad Pitt, antes de voltar ao palco para receber o prêmio principal da noite.

A carta de amor de Tarantino para a Hollywood dos anos 1960, estrelada por Leonardo DiCaprio e no contexto dos assassinatos cometidos pela seita de Charles Manson, também venceu os prêmios de melhor roteiro original e melhor direção de arte.

Depois de ganhar o Globo de Ouro de melhor comédia, o filme parece estar caminhando para o Oscar.

A categoria de melhor diretor terminou em empate, entre o diretor britânico Sam Mendes e o sul-coreano Bong Joon-ho.

O épico da Primeira Guerra Mundial "1917", de Mendes, também ganhou os prêmios de melhor montagem e de fotografia, enquanto "Parasita", de Bong, foi escolhido o melhor filme em língua estrangeira.

Joaquin Phoenix e Renée Zellweger aumentaram seu favoritismo ao Oscar conquistando os prêmios melhor atriz e melhor ator por "Coringa" e "Judy - Muito além do arco-íris".

Laura Dern e Pitt venceram nas categorias de ator e atriz coadjuvantes por seus papéis em "História de um casamento" e "Era uma vez em... Hollywood".

O comediante Eddie Murphy foi ovacionado ao receber um prêmio por sua carreira, antes de seu filme "Meu nome é Dolemite" vencer na categoria de melhor comédia.

Robert De Niro se disse surpreso ao receber com Al Pacino o prêmio de melhor elenco por "O Irlandês".

"Francamente, eu não esperava isso", afirmou, depois que o épico, um dos favoritos ao Oscar, foi deixado de lado no Globo de Ouro e em outras premiações.

Na televisão, a série britânica "Fleabag" reinou com três prêmios, incluindo de melhor série de comédia.

"Succession" venceu como melhor série de drama.

Ava DuVernay agradeceu à Netflix por "deixar uma mulher negra fazer seu trabalho", depois que "Olhos que condenam", a verdadeira história de cinco jovens de minorias raciais que foram falsamente acusados de estuprar uma corredora em Nova York, ganhou o prêmio de melhor série limitada.

Estão abertas as inscrições para a mostra competitiva do 2° Festival Mazzaropi de curta-metragens. A edição de 2020 acontece entre os dias 9 e 12 de abril, no Museu Mazzaropi, em Taubaté, São Paulo, e é um dos eventos cinematográficos que marcam a 27ª Semana Mazzaropi.

Os curtas de até 15 minutos de duração podem ser inscritos gratuitamente pelo site até 20 de fevereiro. De acordo com o regulamento, a obra não pode ter sido exibida publicamente e tem que ter sido filmada no máximo há dois anos, e precisa ter legendas caso não seja narrada em português.

##RECOMENDA##

A lista dos finalistas será divulgada até 26 de março e os grandes vencedores anunciados no encerramento do festival em abril. As premiações do trófeu Mazzaropi se dividem em dois júris: técnico e popular. O juri técnico decide as categorias de melhor ator, melhor atriz, melhor direção, melhor filme e humor. O popular vota também no melhor filme da mostra. 

Em 2019, Osmar Prado levou o troféu de melhor ator pelo curta Um café e quatro segundos.

*Da assessoria

Na noite da última quarta-feira, dia 8, diversos famosos compareceram ao National Board of Review Annual Awards, organização de críticos de cinema, para a premiação de 2020. Dentre as estrelas que apareceram por lá estava Brad Pitt, que teve os holofotes voltados para si ao vencer na categoria de Melhor Ator Coadjuvante pelo longa Era Uma Vez Em... Hollywood.

Segundo a revista Harper's Bazaar, enquanto recebia o troféu, que foi entregue por um de seus amigos próximos, Bradley Cooper, Brad fez questão de mencionar a importância do parceiro na sua batalha contra o álcool.

##RECOMENDA##

Durante o discurso, o loiro mencionou que Bradley, antes de chegar à cerimônia, estava colocando a sua filha de dois anos de idade, Lea De Seine Shayk Cooper, para dormir.

- Obrigado, Bradley. Bradley acabou de colocar a filha dele para dormir e aí veio correndo para cá, disse ele, entretendo a plateia.

Em seguida, fez uma revelação interessante. O ator, que fala abertamente sobre seu problema com o álcool desde 2017, só agora contou quem teria sido uma grande ajuda na batalha contra o vício:

- Eu estou sóbrio por conta deste cara [Bradley]. E desde então, cada dia tem sido mais feliz, disse.

De acordo com a revista, Brad também teria ficado um ano e meio comparecendo às reuniões dos Alcoólatras Anônimos depois do divórcio com Angelina Jolie, em 2016. A publicação ainda afirma que o artista está sóbrio desde então.

 

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando