Cultura

| Literatura

O escritor italiano Andrea Camilleri, "pai" do comissário Montalbano, faleceu nesta quarta-feira (17) aos 93 anos, anunciou o hospital onde ele estava internado em estado crítico desde uma parada cardíaca em junho.

"Seu estado, ainda crítico nos últimos dias, piorou nas últimas horas, comprometendo suas funções vitais", anunciou o hospital de Roma em um comunicado, acrescentando que o funeral será realizado de forma privada.

##RECOMENDA##

A Itália, porém, espera poder prestar uma última homenagem a esse "papa" do romance policial.

Foi sob a sua caneta que nasceu, em 1994, o famoso comissário Montalbano, amador de boa comida e uma das principais figuras do romance policial europeu.

Diretor de teatro e de televisão e roteirista, Andrea Camilleri, se tornou conhecido como romancista tardiamente, mas o sucesso foi avassalador.

O anúncio da morte deste ex-militante comunista provocou uma chuva de homenagens unânimes em toda a Itália e nas redes sociais, onde a mensagem "Ciao Maestro" ("Adeus, Mestre") estava em alta.

"Esta é uma triste notícia para a Sicília, que perde seu filho, e para a Itália, que vê partir um magnífico mestre da vida. Adeus Andrea Camilleri, vamos sentir sua falta", declarou o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio (M5S, antissistema).

O outro vice-primeiro-ministro, Matteo Salvini (extrema direita), elogiou "o incansável narrador de sua Sicília".

"Uma voz única e maravilhosa desaparece", escreveu Nicola Zingaretti, líder do Partido Democrata (centro-esquerda) e irmão de Luca Zingaretti, o ator que interpreta o comissário Montalbano na televisão. "Perdemos muito mais que um grande escritor. Restará para nós a beleza de suas histórias".

"Ele ofereceu a Sicília ao mundo", disse o ministro da Justiça, Alfonso Bonafede, ele próprio um siciliano.

A história da cirandeira Lia de Itamaracá compõe as páginas do livro que carrega o nome da artista. O perfil traçado pelo jornalista pernambucano Marcelo Henrique Andrade será lançado no próximo sábado (13), na Fenearte, que nesta edição homenageia a Ciranda. A sessão de autógrafos do autor e da homenageada acontecerá no Salão Janete Costa, a partir das 17h.

No material de 136 páginas, o jornalista reuniu depoimentos da cirandeira, de familiares e artistas pernambucanos, além de falas de profissionais da imprensa e de especialistas na área de cultura e música. Os relatos relembram o começo da carreira de Lia, ainda na década de 70, quando lançou o primeiro LP. Em um dos capítulos, o autor abriu espaço para a polêmica em torno da música Essa Ciranda quem me deu foi Lia, do cirandeiro Antônio Baracho, também homenageado na Fenearte.

##RECOMENDA##

Os textos ainda entram na vida íntima de Maria Madalena Correia do Nascimento, o nome de batismo da cantora. Uma das histórias reconta o dia em que a casa dela foi incendiada. A relação com a filha adotiva Chica e o romance com o marido Toinho também estão narrados na biografia.

O livro-reportagem Lia de Itamaracá é o resultado de 30 meses de uma pesquisa de mestrado em jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba. “É um trabalho literário composto de fragmentos reais. É uma espécie de grande reportagem dividida em capítulos. Ao lado de Lia, selecionei os momentos mais marcantes e impactantes da vida e da carreira dela”, explica o jornalista Marcelo Henrique Andrade.

A obra também reúne fotografias de Ytallo Barreto e de fotógrafos parceiros, que registraram a trajetória da Rainha da Ciranda ao longo de mais de 60 anos de carreira. Em janeiro, trechos desse trabalho também foram publicados numa edição comemorativa pelos 75 anos da cirandeira. A venda do livro-reportagem será revertida para a reconstrução do Centro Cultural Estrela de Lia, na Ilha de Itamaracá.

Serviço

Lançamento do livro Lia de Itamaracá na 20ª Fenearte 

13 de julho | 17h

Salão Janete Costa - Centro de Convenções de Pernambuco

Preço do exemplar: R$ 40

*Da assessoria

O cartunista e ilustrador argentino Guillermo Mordillo morreu, aos 86 anos, na ilha espanhola de Maiorca, confirmaram nesta segunda-feira seus representantes.

"Lamentamos muito anunciar que o senhor Mordillo faleceu na noite de 29 a 30 de junho", disse à AFP um porta-voz da Rubinstein, agência que administra seus direitos internacionais.

##RECOMENDA##

Seus desenhos eram impregnados de um humor negro que ele definia como "a ternura do medo".

Um dos cartuns mais tuitados após o anúncio de sua morte ilustra seu estilo: um homem preso pela polícia em sua casa por ter pintado o telhado com ondas cor-de-rosa em um bairro de residências uniformes e de um cinza deprimente.

"As pessoas às vezes me perguntam como surgem as ideias. Para mim, está claro: as ideias são como borboletas, elas voam de uma forma fugaz e eu tento capturá-las", disse ele em uma entrevista em 2011.

Mordillo nasceu em Buenos Aires em 1932, no mesmo ano que seu compatriota Quino e o francês Sempé, com quem era frequentemente comparado.

Filho de imigrantes espanhóis, morou em Lima e Nova York antes de se mudar para Paris em 1963, quando foi catapultado para o sucesso.

Como não era fluente em francês, seus desenhos eram silenciosos, sem comentários ou diálogos, um estilo que se tornou sua marca registrada.

Seus trabalhos apareceram em importantes revistas francesas, como Paris Match ou Marie Claire.

Sua popularidade não se limitou à França. Também conquistou a Espanha e teve "um sucesso astronômico na Inglaterra e na Alemanha", lembra Glénat, seu editor na França.

"Recebemos muitas condolências por meio das redes sociais, o que reflete sua popularidade e respeito mundial por pessoas de todas as idades", disseram Peter e Geraldine Radzim, do estúdio em Mônaco Art Petrus.

O cartunista argentino, que também ilustrou livros infantis e cartões de felicitações, disse em algumas entrevistas que sua vocação despertou quando ele viu a "Branca de Neve" da Disney no cinema.

Ele ficou especialmente impressionado com os grandes narizes dos sete anões do filme e integrou esse recurso em seus próprios trabalhos.

Segundo Art Petrus, o seu funeral será na quinta-feira em Maiorca.

São muitas as produções da literatura e do cinema que abordam o universo LGBT, e a experiência para o leitor/espectador é completa quando a narrativa de um livro ganha sua versão para a telona.

Por isso, no Dia do Orgulho LGBT, comemorado nesta sexta-feira (28), o LeiaJá selecionou cinco produções que abordam a diversidade e cujas histórias foram inspiradas nas páginas de livros.

##RECOMENDA##

 

1. "Me Chame Pelo Seu Nome"

O livro homônimo do escritor André Aciman conta a história de Elio, um jovem que está passando as férias na Itália quando Oliver, um ajudante de seu pai, vai passar uma temporada com a família. A vida de Elio munda quando ele descobre ter um setimento especial por Oliver. Nas telonas, o filme conduzido com delicadeza pelo diretor Luca Guadagnino é protagonizado por Timothée Chalamet e Armie Hammer. A produção ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado em 2018.

 

2. "A Linha da Beleza"

Escrito pelo inglês Alan Hollinghurst e publicado em 2004, o livro conta a história do jovem Nick, que vai morar de favor na casa dos pais de seu melhor amigo, em plena revolução sexual dos anos 1980 e as influências cotidianas da era Thatcher. Envolvido com a diferente realidade daquela família, ele passa a frequentar festas e o meio político enquanto questiona o seu papel no mundo. A BBC adaptou o livro para uma minissérie de quatro capítulos, estrelada pelo ator Dan Stevens, da série "Downton Abbey" (2010-2015).

 

3. "A Garota Dinamarquesa"

O livro de Daniel Ebershoff mostra a vida de Lili Elbe, uma das primeiras a se submeter a série de cirurgias de redesignação sexual na década de 1920. No filme, o pintor Einar (Eddie Redmayne) é casado com Gerda (Alicia Vikander) e começa a mudar a própria aparência, transformando-se em uma mulher, e passa a se chamar de Lili. Apoiado pela mulher, Einar/Lili passa pela arriscada cirurgia e cai em depressão ao tentar se transformar por completo em Lili.

 

4. "Boy Erased"

O filme inspirado no livro de Garrard Conley foi envolvido em uma polêmica. É que no início deste ano, a estreia da produção nos cinemas brasileiros foi cancelada. Na época, pelo Twitter, o autor se pronunciou alegando censura. A produtora Universal Pictures respondeu aos fãs que as salas de cinema não faziam parte da estretégia de divulgação do filme no Brasil. O livro e DVD foram lançados posteriormente. "Boy Eresad" narra a saga de Jared, um rapaz gay, filho de um pastor, que é obrigado pela família a fazer terapia para "curar" sua homossexualidade. A produção tem no elenco Nicole Kidman, Russell Crowe, Lucas Hedges e Troye Sivan.

 

5. "Com Amor, Simon"

Filme e livro são um dos mais queridos pelos adolescentes que se identificam com as desventuras de Simon, um jovem que tem a vida perfeita, mas que esconde de todos um segredo: gostar de rapazes. Ele começa a se corresponder por e-mail com um colega da escola e logo se apaixona pelo rapaz, mas sem saber sua verdadeira identidade. O ator Nick Robinson interpreta Simon na versão cinematográfica da obra de Becky Albertalli.

Neste sábado (22), acontece a Poc Con, primeira feira de quadrinho e artes gráficas protagonizada por artistas LGBTQ+. O evento acontece na Zona Sul de São Paulo e reúne mais de 70 quadrinistas.

A feira foi idealizada pelos artistas Mario César e Rafael Bastos Reis para dar mais visibilidade aos talentos LGBTQ+ das artes gráficas em um evento aberto ao público. "Tinha vontade de fazer esta feira há um tempo, porque eu notava em outras feiras que participei, como o FIQ!, a CCXP e na Bienal de Quadrinhos de Curitiba, como vem surgindo novos autores LGBTQ+ de quadrinhos nos últimos anos. E aí, eu conheci o Rafael, e ele me falou que tinha vontade de montar uma feira assim também. Então resolvemos juntar forças pra tirar a ideia do papel", conta César.

##RECOMENDA##

Foram mais de 345 inscrições, mas forma selecionados 71 artistas para o evento. Os organizadores fizeram uma rigorosa triagem. "Escolhemos os artistas pensando em ter todas as siglas bem representadas e pensando também na diversidade racial e de gênero. Ficamos felizes de conseguirmos mais autoras femininas do que homens na seleção final", revela César.

Serviço

Poc Con - Feira LGBTQ+ de Quadrinhos e Artes Gráficas

Quando: 22 de junho, sábado, das 10h às 19h

Onde: Osaka Naniwa-Kai – Rua Domingos de Morais, 1581 – Vila Mariana – SP

Entrada Gratuita

Maurício de Souza, o criador da Turma da Mônica, está sempre disposto a aumentar a turminha. A inclusão social faz parte disso e já é uma realidade nos quadrinhos mais famosos do Brasil. A galera já conta com personagens cadeirante, autista, deficiente visual e com síndrome de Down. Essa família, em breve, vai aumentar com mais um personagem, dessa vez, homossexual.

Quem revelou a possibilidade da chegada de um personagem gay na Turma da Mônica foi Mauro de Sousa, filho de Maurício que também trabalha com ele. Em entrevista ao UOL, ele contou que a novidade está em análise: "Estamos estudando tudo, em que turma ele entraria, como seria... Logo, logo ele vai existir".

##RECOMENDA##

Recentemente, os fãs da Turma da Mônica se encantaram com uma publicação de Maurício de Sousa no Instagram. Ele publicou uma foto ao lado de Mauro e seu marido e os seguidores ficaram impressionados com o carinho existente na família. Mauro contou que o pai é bastante interessado em aprender mais sobre o universo LGBT e que sempre busca informações, inclusive, conversando com o filho e seus amigos a respeito.

Em julho, a cantora Rita Lee chega às livrarias com seu novo livro infantil, Amiga Ursa, uma história triste, mas com final feliz. A história é inspirada na ursa Rowena a quem Rita conheceu pessoalmente antes do lançamento do livro.

Rowena, que costumava se chamar Marsha, é conhecida como a 'ursa mais triste do mundo'. Ela foi vítima de tráfico de animais e levada de sua terra natal, Sibéria, para circos e zoológicos nos quais sofreu maus tratos. Resgatada por organizações de defesa dos direitos animais, a ursa veio parar no Brasil e aqui foi rebatizada como Rowena.

##RECOMENDA##

Em Amiga Ursa, Rita Lee também é personagem, a Vovó Ritinha. Antes da chegada do livros às livrarias, a cantora e escritora foi ao encontro de sua musa inspiradora. Rita cantou para Rowena que logo se aproximou e acabou ganhando suco e biscoitos com mel. Em entrevista a Guilherme Samora, a cantora falou sobre o momento. "Ter encontrado com Rowena foi um dos dias mais especiais da minha vida".

[@#video#@]

 

Considerado o primeiro livro brasileiro sobre desenho tipográfico a tratar o assunto em detalhes, "O Mecotipo - Método de Ensino de Desenho Coletivo de Caracteres Tipográficos" ganha edição comemorativa de 10 anos apresentando conteúdo atualizado e ampliado. A autoria é do mestre em design, fundador da Tipos do aCaso e idealizador dos cursos de Design Gráfico e de Produto da AESO-Barros Melo, Leonardo Buggy. O lançamento acontecerá nesta quinta-feira (13), às 16h, no Centro Cultural Barros Melo, na Cidade Alta, em Olinda.

A obra foi lançada, originalmente, em 2007 e rapidamente tornou-se referência na área, ajudando na aplicação de experiências em sala de aula, como também auxiliando no ingresso de profissionais no universo da tipografia. A segunda edição do livro foi produzida com financiamento coletivo resultante de campanha que atingiu o dobro da meta inicial e mobilizou designers de todo Brasil.

##RECOMENDA##

"A união de várias pessoas em prol de um ideal é o coração deste livro e motor de todas as ações que eu tenho promovido em torno da tipografia desde 2007. Dezesseis designers, entre estudantes, professores e profissionais de mercado, trabalharam em conjunto para criar e diagramar a obra com fontes digitais brasileiras. Um esforço coletivo ímpar, que produziu este projeto gráfico impactante e inovador", detalha Buggy.

Entre as novidades da nova versão está o método renovado com exercícios; síntese duas vezes maior, repleta de novas informações e referências; e sistema de avaliação. Durante o evento, o autor fica disponível para assinar dedicatórias nos exemplares à venda. A programação também conta com palestra sobre os novos conhecimentos da criação e desenvolvimento de tipos, ministrada por Buggy, além de coquetel para networking entre os presentes.

Serviço

Leonardo Buggy lança livro em Olinda

13 de junho (quinta-feira) | 16h

Centro Cultural Barros Melo, Rua de São Bento, nº 200, Varadouro, Olinda

Entrada gratuita

*Da assessoria

Setenta anos depois de sua publicação, o livro escrito pelo britânico George Orwell "1984" continua fascinando os leitores, em particular os mais jovens, fãs de distopias e mergulhados nas redes sociais.

"Alguns alunos ainda ficam escandalizados com o livro (...), outros consideram fascinante", conta o professor de Inglês Michael Callanan, que trabalha na escola Parmiter, de Watford, no noroeste de Londres.

##RECOMENDA##

"É o paradoxo desse livro. Embora tenha 70 anos, mantém sua atualidade", acrescenta este professor que participa da organização do Prêmio Orwell da Juventude, destinado a estimular os jovens a manifestarem suas opiniões políticas.

Escrito em 1948 - origem do título do livro, apenas com a inversão dos últimos dois números - e publicado em 8 de junho de 1949, "1984" descreve um futuro, no qual o Partido reina em um país totalitário sob o olhar inquisidor do "Big Brother". O passado é reescrito e uma nova língua impede todo e qualquer pensamento crítico.

Para Jean Seaton, diretora da Fundação George Orwell, que perpetua a memória do escritor falecido em 1950 aos 46 anos, sua obra é "incrivelmente visionária".

Esta professora de História da Mídia na Universidade de Westminster compara os "dois minutos de ódio" do livro, um ritual em que a população é incitada a odiar o "Inimigo do Povo", às "pessoas vertendo seu ódio nas redes sociais".

- Impulsionado por Trump -

Em sete décadas, o livro nunca desapareceu da cena editorial e até registrou picos de vendas.

Em 2017, o fato de uma assessora de Donald Trump usar a expressão "fatos alternativos" - um termo empregado em "1984" - deu grande impulso e visibilidade ao livro, provocando novas reimpressões. Desde sua publicação, a obra já vendeu 30 milhões de exemplares nos Estados Unidos e, naquele ano, as vendas aumentaram 165% em relação a 2016, disse à AFP a editora Penguin Books.

No Reino Unido, as vendas dispararam em 2013, após as revelações do ex-analista americano Edward Snowden sobre a vigilância do governo americano promovida pela Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês).

O professor Callanan afirma que, "nos últimos dois anos, com o auge de Trump, um número significativo de estudantes se preocupou muito com a direção que o mundo está tomando".

Já Seaton aponta que o livro marca "mesmo aqueles que não o leram" por sua influência na cultura pop - dos filmes à música, passando pelos videogames.

Quando abrem o livro pela primeira vez, os alunos de Callanan "reconhecem imediatamente algumas coisas", como o "Big Brother", a "novilíngua", ou a "polícia do pensamento". São "fórmulas de Orwell que estão de acordo com nosso tempo e que os jovens entenderam", completou o professor.

"1984" se mantém como um clássico, porque "as pessoas leem quando jovem e, depois, releem mais velhos, adquirindo uma compreensão diferente das coisas", observa Seaton.

"As pessoas o leem buscando pistas sobre o que deveriam temer hoje em dia", acrescenta.

A livraria Saraiva e o Grupo Ativista Literário para Mulheres Ansiosas (C.A.L.M.A.) promovem, neste sábado (8), na loja do Shopping Recife, a leitura do livro 'Hibisco Roxo' (Companhia das Letras), da autora Chimamanda Ngozi Adichie. O evento é gratuito e será realizado às 15h.

O livro conta a história de Kambili, uma adolescente que mostra como a religiosidade católica de seu pai, famoso industrial nigeriano, destrói lentamente a vida da família. Enquanto narra as aventuras e desventuras de Kambili e de sua família, o romance também apresenta um retrato contundente e original da Nigéria atual.

##RECOMENDA##

Com o objetivo de criar um espaço seguro para reunir mulheres ansiosas com desejo de praticar a autodescoberta, desenvolver senso crítico e estimular o sentimento de acolhimento por meio da leitura, o Grupo C.A.L.M.A. organiza encontros mensais com temas diferentes para que experiências e sentimentos possam ser compartilhados.

Serviço

Clube da Leitura C.A.L.M.A sobre o livro Hibisco Roxo

Neste sábado | 15h

Livraria Saraiva do Shopping Recife

Rua Padre Carapuceiro, 777 - Boa Viagem

Entrada gratuita

*Da assessoria

Nesta sexta-feira (07), foi lançado o Centro de Entretenimento Familiar - Estação Turma da Mônica. O evento contou com a presença do cartunista e empresário Maurício de Sousa, responsável pela criação dos personagens da turminha, em quadrinhos.

Olinda é a primeira cidade do Nordeste a receber o projeto. A intenção é a de que sejam implantadas outras unidades pelo Brasil.

##RECOMENDA##

O espaço funcionará no terceiro piso do Shopping Patteo Olinda, de terça a sexta-feira, das 14h às 22h; aos sábados, domingos e feriados, das 12h às 21h. Os valores para curtir a Estação Turma da Mônica são de R$ 69 (inteira) e R$ 34,50 (meia-entrada). Confira os detalhes no vídeo a seguir:

Para homenagear os 30 anos da morte do escritor Paulo Leminski, a Saraiva preparou uma curadoria especial com os livros do autor. Até o próximo domingo (9), os títulos estarão disponíveis no site da livraria.

A seleção conta com alguns dos principais livros de Leminski, como Distraídos Venceremos, Vida - 4 biografias, O bicho alfabeto, Afrodite - Quadrinhos eróticos, Guerra dentro da gente e Toda poesia.

##RECOMENDA##

 

O escritor recifense Frederico Toscano lança, no próximo sábado (8), seu primeiro trabalho de ficção, o livro Carapaça Escura. O lançamento acontece no Café Castigliani, onde o autor recebe o público para uma tarde de autógrafos acompanhada de bate papo sobre a obra com o professor André de Sena. O evento começa às 16h.

Vencedor no terceiro lugar prêmio Jabuti com seu livro de estreia, na categoria Gastronomia, Toscano, agora, aposta em sua obra de ficção. Carapaça Escura traz 10 contos de terror, ambientados em cenários pernambucanos. As histórias passam pelo litoral e sertão, entrando em favelas e em casa abastadas, com fatos insólitos levados a contextos reais.

##RECOMENDA##

No livro, o autor também faz uso do horror para promover críticas à sociedade atual, apesar de trabalhar diversas temporalidades como em contos que se passam na década de 1960. Carapaça Escura é um lançamento da editora Patuá, de São Paulo.

Serviço

Lançamento do livro Carapaça Escura

Sábado (8) - 16h

Café Castigliani (Estrada do Encanamento, 323 - Parnamirim)

 

A escritora Andrea Nunes lança, na próxima quinta (6), seu novo romance de espionagem Jogo de Cena. Ela recebe os leitores para uma noite de autógrafos no Museu do Estado de Pernambuco, às 19h.

Jogo de Cena é o terceiro título de Andrea Nunes, uma das poucas escritoras brasileiras a se dedicar ao gênero do suspense. No novo livro, ela conta como a pequena cidade de Mangueirinhas, no interior de Pernambuco, mudou de ares e de destino após o suposto suicídio do boticário francês Michel Simon. O evento foi seguido por violentos assassinatos atribuídos a seres do folclore e os eventos acabaram por abalar a tranquilidade da cidade e seus moradores.

##RECOMENDA##

Além do lançamento marcado no Museu do Estado de Pernambuco, Andrea Nunes também promove uma noite de lançamento em João Pessoa, no dia 14 de junho. Na Paraíba ela recebe os leitores na Livraria Leitura, às 17h. O livro será lançado pela editora Cepe.

 

[@#galeria#@]

Alunos de Psicologia da faculdade UNINASSAU, em Belém, criaram uma cartilha educativa com o objetivo de conscientizar e alertar pais e crianças contra o abuso sexual infantil. A cartilha foi distribuída em evento no domingo (19), no Parque Estadual do Utinga, na capital paraense, com uma peça teatral.

##RECOMENDA##

A ideia da criação da cartilha partiu da professora Rose Daise Melo do Nascimento, da disciplina Tópicos Integradores. O trabalho teve como propósito fazer uma intervenção relacionada ao abuso sexual infantil.

Os alunos elaboraram um conteúdo com base na fauna paraense. O texto da cartilha foi feito pelas alunas Alessandra da Costa e Daniela Vivam, que criaram personagens desenhados por Renam Wendel.

Segundo a aluna Alessandra da Costa, a aceitação da cartilha foi de 100% e superou todas as expectativas da turma. Segundo ela, a única dificuldade foi financeira. O custo da impressão inviabilizou a produção de uma tiragem expressiva, observou.

Para Alessandra, idealizadora do projeto, a cartilha é de grande importância para a sociedade. “É necessário que tenhamos consciência de que a violência pode estar inserida no espaço doméstico, familiar e escolar. Dessa forma, a cartilha vai servir de instrumento de vigilância e na disseminação da informação a fim de contribuir com a orientação das ações na sociedade”, ressaltou a estudante.   

A atividade fez parte da programação em alusão ao Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças, 18 de maio. “Essa iniciativa é importante não só por ser pensada e organizada pelos estudantes, mas para mostrar que estamos preocupados enquanto participe dessa comunidade. É necessário incentivar as ações de políticas públicas e motivar as intervenções psicológicas porque essa violência pode desestruturar emocionalmente todo um ambiente familiar e deixar marcas nas vítimas sem dimensões”, finalizou o coordenador do curso de Psicologia da UNINASSAU Belém, Alex Miranda.

 

Para reforçar a campanha #livrodepresente também no Dia dos Namorados, a livraria Saraiva está promovendo a campanha Expresse o seu amor. O objetivo da ação é valorizar a pluralidade de sentimentos provocados pelo amor e estimular os casais a trocarem livros no dia deles.

Uma das estratégias da livraria para atrair os consumidores enamorados é a ação Livro Às Cegas. Nela, 10 obras literárias serão disponibilizadas sem terem os títulos mencionados nem as capas reveladas. O parceiro deverá escolher o livro para seu par a partir da sinopse da obra e ambos só descobrirão o escolhido na hora de abrir o presente.

##RECOMENDA##

Além disso, a Saraiva preparou uma curadoria de livros com descontos de até 60% em títulos de romance, policial, biografia e terror, entre outros. Os preços começam a partir de R$ 29,90.

 

O repórter Mário Magalhães escreveu sobre os fatos mais marcantes do ano de 2018 e suas repercussões imediatas e futuras. O livro Sobre lutas e lágrimas - Uma biografia de 2018, traz alguns dos fatos mais marcantes acontecidos durante aqueles 12 meses e os sentimentos e ideias que advieram deles.

Na 'biografia', Mário aborda alguns dos fatos acontecidos em 2018 e as consequências deles. Ele começa com o réveillon da vereadora Marielle Franco, passa pelo seu assassinato e se encerra com a iminência da posse de Jair Bolsonaro. O livro também fala da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o atentado sofrido por Bolsonaro.

##RECOMENDA##

O livro será lançado no dia 10 de junho, às 18h, na livraria Da Vinci, no Rio de Janeiro. Estão confirmadas, também, noites de autógrafos em São Paulo, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, no dia 11; e em Salvador, na Livraria Cultura do Salvador Shopping, no dia 13.

 

O jornalista Ricardo Boechat, falecido em fevereiro deste ano, acaba de ganhar uma homenagem. O livro Toca o Barco - Histórias de Ricardo Boechat, reúne 'causos' e histórias de pessoas que conviveram próximo a ele.

Ao todo, 32 colegas revelaram algumas das histórias compartilhadas com Boechat nos bastidores da televisão. Os textos são inéditos e assinados por José Simão, Ancelmo Gois, Leilane Neubarth, Datena, Tatiana Vasconcelos, Milton Neves e Rodolfo Schneider, entre outros.

##RECOMENDA##

A publicação chega ao público em dois formatos, impresso e e-book e terá eventos de lançamento nas cidades do Rio de Janeiro, no dia 6 de junho; e São Paulo, em 11 de junho.











 

A Fundação Cultural Tancredo Neves do Estado do Pará (Centur) promoveu, na quinta-feira (30), um duplo lançamento de livros em homenagem ao centenário do escritor paraense Ildefonso Guimarães. A cerimônia é uma parceria da família do ficcionista com a Editora Paka-Tatu.

No evento foram lançados a segunda edição de “Senda Bruta”, que foi originalmente publicado por Ildefonso em 1965 e recebeu o prêmio Samuel Mac Dowell do Governo do Estado, organizado pela Academia Paraense de Letras; e o inédito “Ildefonso Guimarães – Ensaio do Centenário”, dos escritores José Arthur Bogéa, Paulo Maués Corrêa e Paulo Nunes.

##RECOMENDA##

Nascido em Santarém, oeste do Pará, no dia 23 de janeiro de 1919, Ildefonso passou a maior parte de sua vida em Óbidos, cidade que o inspirou na escrita de diversas obras. O escritor também trabalhou como jornalista e fez parte da Academia Paraense de Letras desde 1966. Ele morreu aos 85 anos, em 2004, e faria 100 anos neste ano. Outros livros do autor são: “História sobre o Vulgar” (1961), “Os Dias Recurvos” (1984), “Contos Recontados” (1990), “Sombras do Entardecer” (2004) e “Crônicas de Rua” (2011).

Por Ana Luiza Imbelloni.

  O site Pottermore anunciou que o universo de um dos bruxos mais amados do universo nerd, Harry Porter, irá ganhar quatro histórias. Os livros serão publicado em formato digital.

As obras irão abordar matérias do currículo escolar de Hogwarts: Uma Jornada por Feitiços e Defesa Contra as Artes das Trevas; Uma Jornada por Poções e Herbologia; Uma Jornada por Adivinhação e Astronomia e Uma Jornada pelo Trato das Criaturas Mágicas.

##RECOMENDA##

O primeiro livro será publicado no Pottermore em 27 de junho.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando