Esportes

| Basquete

 Nesta sexta-feira (15), encerra-se o período de pré-temporada da National Basketball Association (NBA), e dentre os últimos jogos que estão para acontecer e prometem ser um dos melhores está  o confronto entre Miami Heat e Boston Celtics. Ambos os times estão inseridos na Conferência Leste e entram em quadra a partir das 19h30 (horário de Brasília), na American Airlines Arena (FTX Arena), na cidade de Miami, Flórida (EUA).

A temporada 21/22 começa oficialmente na próxima terça-feira (19), mas já é possível projetar nesta fase preliminar quais elencos prometem dar trabalho para os adversários. Este é o caso do Miami Heat, que vai aproveitar o fato de jogar em casa, para conquistar mais uma vitória. O pivô Bam Adebayo, que possui 2,06 metros, pode ser uma das armas do time, já que é referência quando se trata de aproveitamento em rebotes e tocos.

##RECOMENDA##

Já o Boston Celtics, comandado pelo ex-atleta Ime Udoka, precisa de ferramentas surpresas para conseguir vencer a última disputa válida pela pré-temporada. Assim, o time pode apostar em jovens promessas, como o novato Aaron Nesmith, de 21 anos, que foi escolhido no Draft de 2020 para compor o elenco e tentar ir em busca de mais um título da NBA, para se sagrar de vez o time mais vitorioso da história da liga.

Até o momento, ambos os times tiveram oito jogos disputados. O Miami Heat venceu quatro partidas, perdeu outras quatro, e agora detém a 8ª posição. Já o Boston Celtics venceu cinco e perdeu apenas três, portanto, está um pouco acima na tabela de classificação, no 5° lugar. Vale lembrar que a tabela é composta por 15 times, e dentre esses, apenas os oito melhores de cada conferência avançam para os playoffs.

 

 

A Liga Nacional de Basquete enviou um documento aos clubes sobre algumas mudanças realizadas no protocolo de prevenção à covid-19 para a temporada 2021-2022 do Novo Basquete Brasil, que começa no dia 23 de outubro. A vacinação é um dos itens em destaque e, diferentemente da NBA, será exigido imunização de 100% dos indivíduos envolvidos na competição, como atletas, membros de equipe, árbitros e colaboradores.

"A vacinação foi uma estratégia de proteção, diante da sua eficácia comprovada, e uma preocupação da liga com todos os colaboradores, jogadores, árbitros, todos os envolvidos em um jogo... Foi uma maneira encontrada para proteger o ecossistema do campeonato", explicou o médico Diego Gadelha ao Estadão. Ele é diretor da equipe da Unifacisa, de Campina Grande (PB), e participou da elaboração do protocolo de 39 páginas.

##RECOMENDA##

Existe apenas uma exceção para aceitação dos não vacinados: se o clube comprovar que o atleta está em uma faixa etária que ainda não foi alcançada pelo cronograma do município. Ele terá, no entanto, de cumprir o cronograma de vacinação local para seguir em condições de atuar por sua equipe.

A situação é parecida para quem foi imunizado apenas com a primeira dose. Caso o jogador deixe de cumprir o cronograma de vacinação, ele pode ser impedido de entrar em quadra. A LNB promete acompanhar esta questão de perto.

O tema vacinação tem gerado bastante repercussão na NBA. Apesar de não exigir que os atletas fossem imunizados para participarem da temporada, a liga não pode impedir que algumas cidades, como Nova York, façam tal exigência. É o caso, por exemplo, de Kyrie Irving, que foi afastado pelo Brooklyn Nets por ser recusar a tomar a vacina. O armador não pode atuar justamente nos jogos da franquia em casa.

Além da exigência de vacinação, todos os envolvidos terão de passar por testes de covid-19. O documento indica um teste antígeno no máximo 24 horas antes da viagem (quando o time for atuar como visitante) ou dois dias antes do primeiro jogo em casa, para equipes locais. Outro teste de antígeno será feito antes de todos os jogos, na parte da manhã. A equipe da casa deverá providenciar enfermeiro habilitado para a testagem de árbitros e do adversário.

O público está liberado nos ginásios, dependendo da legislação local. O clube mandante pode determinar regras mais rígidas, se assim desejar, nunca mais brandas. Apenas os torcedores do time mandante estão liberados para acompanhar aos jogos.

As equipes agora podem novamente tomar banho nos ginásios. A operação no banco de reservas também volta ao normal, com apenas 16 assentos e com um máximo de 21 integrantes listados. A exigência de máscaras para a comissão técnica permanece inalterada.

Além do documento resumido, que foi elaborado pelo departamento técnico-operacional, a LNB enviou o protocolo completo aos clubes, reforçando a necessidade de segui-lo para o bom andamento da temporada 2021-2022.

Kyrie Irving, astro do Brooklyn Nets na NBA, falou pela primeira vez nesta quinta-feira desde que sua decisão de não se vacinar contra a covid-19 vem causando polêmica no mundo esportivo. O armador de 29 anos usou de suas redes sociais para defender sua "liberdade individual" e garantiu que não deixa de pensar na sua carreira.

"Não acreditem que eu estou me aposentando. Não acreditem que eu estou abandonando o jogo por questões de mandarem eu tomar a vacina ou eu não me vacinar. Não acreditem em nada disso", disse Irving em um transmissão ao vivo em suas redes sociais.

##RECOMENDA##

Irving foi barrado de participar de treinos e jogos dos Nets. A decisão da franquia em afastar o jogador ocorreu justamente após sua decisão de não se imunizar contra o novo coronavírus, que fez milhões de vítimas ao redor do mundo.

"Você acha que eu realmente quero perder dinheiro?", questionou o armador em sua live. Ele tem contrato de 40 milhões de dólares estabelecidos para serem ganhos somente nesta temporada. Em sua transmissão, o jogador ainda compartilhou dados enganosos a respeito da vacinação da covid-19. Mais de 90% dos atletas da NBA estão imunizados, uma proporção muito maior comparada à população geral dos Estados Unidos.

"Vocês acham que eu quero desistir do meu sonho de conquistar um campeonato?", continuou. "Você acha que eu realmente quero desistir do meu trabalho? Acham que eu quero ficar simplesmente sentado em casa?"

Na última terça, o Brooklyn Nets barrou as atividades de Irving até que ele esteja "em condições de participar". A cidade de Nova York, onde fica a franquia, exige que adultos e adolescentes tenham pelo menos uma dose da vacina para entrar em locais fechados, assim como ginásios esportivos.

Por fim, Irving disse falsamente que sua decisão em não se imunizar não afeta outras pessoas. Isso é um erro. A variante Delta, mais contagiante, se espalhou rapidamente em áreas com baixo índice de imunização. Os hospitais nestas regiões estão lotados de pacientes sem vacina, disponibilizando apenas poucos leitos e poucos profissionais para atender pessoas com outras demandas.

A NBA continua com as comemorações de 75 anos da liga. Nesta semana foi lançado o curta-metragem "NBA Lane", com a participação de diversos jogadores, ex-jogadores e atores. O objetivo é convidar os espectadores a conhecer a história do esporte e acompanhar a temporada 2021-2022, que terá início no próximo dia 19. O filme está disponível em todas as plataformas digitais e redes sociais da NBA e conta também com uma página especial no site oficial da liga.

Segundo a direção de marketing da NBA, o curta-metragem foi criado para homenagear a história e o futuro da NBA. Entre os atuais jogadores, participam do filme LeBron James, Kevin Durant, Carmelo Anthony, Kawhi Leonard, Chris Paul, Devin Booker, Donovan Mitchell, Russell Westbrook, Trae Young, LaMelo Ball, Anthony Davis e Zion Williamson.

##RECOMENDA##

Magic Johnson, Larry Bird, Bill Russell, Kareem Abdul-Jabbar, Dwayne Wade, Manu Ginóbili, Julius Erving, Dirk Nowitzki e Dikembe Mutombo fazem parte do elenco de ex-jogadores. Há também uma homenagem com um mural para Kobe Bryant.

O ator Michael B. Jordan, que já participou de filmes como Creed, Space Jam e Pantera Negra, também está presente no filme.

No filme vemos um bairro que reúne todas as estrelas do esporte e Michael B. Jordan é um motorista de ônibus que transporta crianças para um passeio pelo local que abriga os 75 anos de cultura do basquete. Durante o trajeto, os passageiros encontram os astros em situações do cotidiano.

Treze cidades de nove Estados estão na briga para sediar a Copa América de basquete masculino de 2022, que terá o Brasil como sede após 37 anos. A definição dos quatro locais que receberão as 12 seleções do torneio acontece no final da próxima semana. Após quase dois meses de visitas técnicas, a organização fechou a lista em Salvador, Recife, Vitória, Rio de Janeiro, Brasília, Uberlândia (MG), Ipatinga (MG), São José dos Campos (SP), Franca (SP), São Bernardo do Campo (SP), São José do Rio Preto (SP) e Canoas (RS).

A Copa América acontecerá entre os dias 3 a 11 de setembro de 2022, com quatro sedes, e com a participação de Brasil, Argentina, Estados Unidos, Canadá, México, República Dominicana, Porto Rico, Venezuela, Uruguai, Panamá, Ilhas Virgens e Colômbia. A organização é uma parceria da Confederação Brasileira de Basketball (CBB) com a Holding de marketing esportivo do jogador Daniel Alves.

##RECOMENDA##

"A AmeriCup (Copa América) de 2022 será um sucesso, não tenho a menor dúvida. E a grande procura por parte das cidades brasileiras para receber o evento, de Norte a Sul do país, mostra a força do basquete. Tenho certeza que as quatro que forem escolhidas, ajudarão nós, brasileiros, a entregar um grande evento para as Américas", disse o presidente da CBB, Guy Peixoto Jr.

A vinda da Copa América para o Brasil reforça o trabalho da CBB para o ciclo olímpico de Paris-2024, quando o basquete buscará a classificação para retornar aos Jogos, e também para o crescimento da modalidade. O país não recebe a competição desde 1984, quando ficou com o título em cima de Porto Rico, em São Paulo. A última conquista do torneio veio em 2009, justamente quando os porto-riquenhos foram sede.

"Fizemos as visitas técnicas em todas as cidades que se interessaram em receber a AmeriCup e até o fim da próxima semana teremos tudo fechado para anunciar as quatro sedes do torneio. A partir daí, daremos um passo importante para, com praticamente um ano de antecedência, nos organizarmos para entregar um evento de excelência", disse Maurício Santos, diretor executivo da Copa América no Brasil.

Um dos principais astros da NBA das últimas duas décadas, o espanhol Pau Gasol anunciou nesta terça-feira a sua aposentadoria, aos 41 anos. O pivô de 2,13 metros de altura encerra sua trajetória profissional no basquete com dois títulos da NBA, três medalhas olímpicas e um título mundial, pela seleção da Espanha.

"Vou me aposentar do basquete profissional. É uma decisão difícil, após tantos anos, mas é uma decisão em que pensei bastante", avisou o agora ex-atleta. O anúncio não surpreende porque Gasol vinha dando sinais de que deixaria o esporte nos últimos anos. Ele já havia se aposentado da seleção espanhola em agosto, após perder para os Estados Unidos nas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

##RECOMENDA##

Na capital japonesa, ele disputou sua quinta Olimpíada da carreira. Ele soma duas medalhas de prata, em Pequim-2008 e Londres-2012, e um bronze, obtido no Rio-2016. Ainda pela equipe nacional do seu país, ele foi um dos líderes do time que se sagrou campeão mundial em 2006. E participou de três conquistas europeias, em 2009, 2011 e 2015.

Gasol vinha defendendo o Barcelona desde fevereiro deste ano. Mas seu rendimento já não era mais o mesmo. O pivô vinha jogando abaixo do esperado desde que sofreu uma fratura por estresse no pé esquerdo. A recuperação foi lenta e o tirou das quadras por quase dois anos, quase antecipando sua aposentadoria.

Foi no Barcelona que Gasol se tornou profissional, em 1999. Mas ele ficou mais conhecido pelas grandes temporadas na NBA, principalmente com a camisa do Los Angeles Lakers, segundo time que mais defendeu na carreira, entre 2008 e 2014 - o primeiro foi o Memphis Grizzlies, entre 2001 e 2008.

Pelos Lakers, o espanhol foi campeão da NBA por duas vezes, em 2009 e 2010. Na sequência, defendeu as cores de Chicago Bulls, San Antonio Spurs e Milwaukee Bucks. Chegou a assinar com o Portland Trail Blazers em 2019, mas não chegou a defender a equipe. Gasol encerrou sua trajetória na NBA em 2019 com uma média de 17 pontos e 9,2 rebotes em 1.226 jogos.

Neste ano, ele foi eleito para representar os atletas pelos próximos sete anos no Comitê Olímpico Internacional (COI). O cargo elevado coloca o ex-jogador de basquete no mesmo nível que integrantes de famílias reais da Europa e do Oriente Médio, empresários do esporte e lideranças de negócios no mundo que tem a mesma função no COI.

Jogando fora de casa, o Brooklyn Nets bateu o Los Angeles Lakers por 123 a 97 em jogo que abriu a pré-temporada da NBA, disputado na noite de domingo. Ainda sem contar com suas grandes estrelas como Kevin Durant, James Harden e Kyrie Irving, a franquia de Nova York fez boa partida e bateu tranquilamente o time da Califórnia, que não contou com LeBron James e Russel Westbrook.

Além dos estrelados jogadores, outros nomes como Joe Harris, Patty Mills, Blake Griffin, pelos Nets, e Carmelo Anthony e Trevor Ariza, pelos Lakers, também foram poupados pelos treinadores, que aproveitaram a ocasião para dar minutos para outros atletas, que podem ser fundamentais nas rotações das equipes durante a temporada 2021-2022 da liga.

##RECOMENDA##

Jogando no ginásio Staples Center, em Los Angeles, os Lakers entraram em quadra com um quinteto formado por Kendrick Nunn, Kent Bazemore, Talen Horton-Tueker, Anthony Davis (único dos grandes astros em quadra) e DeAndre Jordan.

Davis atuou somente durante o primeiro quarto e marcou seis pontos, com uma assistência e um rebote. Os grandes nomes foram Malik Monk, com 15 pontos, Horton-Tucker (10 pontos, três assistências e quatro rebotes), Kendrick Nunn (nove pontos e sete rebotes) e Dwigth Howard (11 pontos e seis rebotes).

Os Nets tiveram Jevon Carter, Bruce Brown, DeAndre Bembry, LaMarcus Aldridge e Paul Millsap como os cinco que iniciaram o duelo, mas o grande destaque veio do banco de reservas. O ala-armador Cameron Thomas anotou 21 pontos, com duas assistências e quatro rebotes.

Com o início dos treinamentos para a próxima temporada da NBA, o mundo viu diversos jogadores importantes afirmarem que não seriam vacinados contra a Covid-19. Do outro lado, o time dos vacinados ganhou o reforço de LeBron James, astro do Los Angeles Lakers.

Na noite de terça-feira (28), durante o "Media Day" da franquia, LeBron James falou sobre a vacina e explicou por que decidiu tomar, ressaltando que foi para proteger a "família e amigos". O astro também revelou que não houve uma conversa entre os jogadores sobre tomar a vacina.

##RECOMENDA##

"Você sempre tenta entender os caminhos que você tem para estar disponível e proteger uns aos outros e colocar você na melhor chance possível para estar disponível a seus colegas, disponível para o que você precisa fazer em quadra", disse. "O objetivo principal é obviamente vencer o campeonato. E isso começa, obviamente, com a saúde em primeiro lugar.

Anteriormente, em meados de março, LeBron James provocou incerteza sobre a sua decisão de ser vacinado, dizendo que discutiria com sua família e preferiu mantê-la na esfera "privada".

O gerente geral dos Lakers, Rob Pelinka, disse na semana passada que a vacina não seria um problema para a equipe. "Na noite de abertura, todos os jogadores que atualmente estão inscritos em nossa lista serão considerados totalmente vacinados", afirmou o executivo. Entretanto, apesar de ter se vacinado, LeBron James disse que não planeja "enfatizar" que outros atletas também se vacinem.

O tema tem muita importância não só pela questão de saúde pública, mas também porque cidades como Nova York e San Francisco determinaram que pessoas não vacinadas contra a covid-19 não podem participar de eventos em locais fechados, incluindo atletas da NBA.

A NBA planeja seguir essas exigências, o que significa que os jogadores não vacinados podem não atuar em partidas nas arenas de New York Knicks, Brooklyn Nets e Golden State Warriors. Entre jogadores da liga que não se vacinaram ou que não revelaram seu status de vacinação estão Andrew Wiggins, dos Warriors, Kyrie Irving, dos Nets, e Bradley Beal, do Washington Wizards.

A NBA é a principal liga de basquete do mundo. O campeonato chama a atenção do planeta todo e ganha mais destaque a cada temporada que passa. A competição retorna com a sua pré-temporada neste fim de semana e, por isso, o LeiaJá preparou uma lista com os principais jogadores brasileiros que já atuaram na liga nos últimos anos. Confira:

- Rolando Ferreira Júnior

##RECOMENDA##

O pivô medalhista de ouro no Pan-Americano de Indianápolis, em 1987, foi o primeiro brasileiro a chegar em solo americano na liga profissional. Ferreira Júnior foi draftado pelo Portland Trail Blazers, em 1988, onde jogou por apenas uma temporada. Porém, o atleta abriu caminho para os 'brazucas' na principal competição de Basquete.

- Nenê Hilário

Nenê é considerado um dos melhores da história do basquete brasileiro. O pivô foi a 7ª escolha geral do Draft, em 2002, e se tornou a melhor posição de um brasileiro no evento. Hilário atuou por Denver Nuggets, Washington Wizards e Houston Rockets.

A melhor temporada de Nenê foi no Denver, onde o brasileiro chegou à final da conferência oeste em 2009. Mas a equipe perdeu para o Lakers de Kobe Bryant.

Além disso, Hilário foi o brasileiro a chegar mais perto de atuar no All Star Games. Na temporada 2011-2012, o jogador foi o 3º mais votado para sua posição, mas uma embolia pulmonar sofrida no início de 2012 o tirou do restante da temporada, e por consequência, do All Star Games.

- Leandrinho

Eleito o 6° melhor homem da NBA, em 2007, Leandrinho é um dos mais influentes jogadores brasileiros na liga Americana. O ala-armador atuou por Phoenix Suns, Toronto Raptors, Indiana Pacers e Golden State Warriors.

O brasileiro foi draftado em 2003, com a 28ª escolha. Em 2014, o ala chegou ao Golden State Warriors e fez parte do elenco histórico liderado por Stephen Curry. Na temporada seguinte, em 2015, Leandrinho se tornou o 2° brasileiro a vencer o título da liga.

- Anderson Varejão

O aniversariante de hoje (28), Anderson Varejão completa 39 anos. Draftado em 2004, o pivô nascido no ES passou pelo Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors.

Em 2009, o brasileiro chegou à final da conferência leste, ao lado de LeBron James. Varejão tem a curiosidade de ter atuado no início da temporada 2015/2016 pelo Cavaliers e chegar na final da temporada com a Jersey (camisa) do Golden State. Além disso, Cavaliers e Golden se enfrentaram na final daquela temporada. O Cleveland sagrou-se campeão.

No ano seguinte, o Golden foi campeão da NBA. Porém, Anderson Varejão havia sido dispensado da franquia. O atleta brasileiro recebeu o anel de campeão, mas pela NBA não é considerado detentor do título.

- Tiago Splitter

O pivô se tornou o primeiro brasileiro a ser campeão da liga. O atleta atuou pelo San Antonio Spurs, Atlanta Hawks e Philadelphia 76ers.

Na temporada 2012/2013, o pivô assumiu a titularidade no San Antonio Spurs e foi peça fundamental para a conquista do título da NBA sobre o Miami Heat de LeBron James.

Atualmente, o jogador aposentado faz parte da comissão técnica do Brooklyn Nets, como técnico de desenvolvimento de atletas.

Bônus: Na temporada que está prestes a começar, o Brasil possui dois representantes: 

-Raulzinho ou Raul Neto está no Washington Wizards e recebe mais importância a cada temporada. Na jornada passada, o atleta registrou a maior marca de minutagens e pontos de sua carreira.

- Didi Louzada: O representante mais novo na liga, o ala brasileiro está no New Orleans Pelicans. Didi foi draftado em 2019 e foi enviado para o Sydney Kings, time do basquete australiano, para adquirir experiência.

O brasileiro entrou em quadra em alguns jogos do New Orleans na última temporada. O ala recebeu elogios do técnico da franquia pelo seu desempenho defensivo.

Gustavo de Conti é o novo técnico da seleção brasileira masculina de basquete. O anúncio foi feito nesta segunda-feira pela Confederação Brasileira de Basketball (CBB). Aos 41 anos, o treinador do Flamengo, que irá acumular as duas funções, assume o Brasil no ciclo olímpico de Paris-2024 com a ambição de levar o país de volta à Olimpíada após ausência em Tóquio-2020.

Natural da cidade do Rio de Janeiro, nascido no bairro da Tijuca, Gustavo De Conti mudou-se cedo para São Paulo e começou no basquete aos sete anos, como armador, no Corinthians, Monte Líbano, Ypiranga e por último o Paulistano. Ele começou como técnico da base em 1997, no Ypiranga, quando ainda era jogador do Paulistano, e depois foi para o próprio Paulistano, como treinador nas categorias de base, até chegar ao adulto.

##RECOMENDA##

Com a chegada de Gustavo De Conti, a seleção brasileira volta a ter um técnico nascido no Brasil após 13 anos. O último foi Lula Ferreira, que deixou em 2008 para o espanhol Moncho Monsalve assumir. Ele chega para substituir o croata Aleksandar Petrovic, técnico do Brasil nos últimos quatro anos.

"Agradeço ao presidente Guy (Peixoto Jr.) pelo convite e ao Flamengo pela liberação para seguir no clube e treinar também a seleção. É a realização de um sonho e um desafio na minha carreira. Desde que comecei como treinador de basquete, nas categorias de base do Ypiranga e depois no Paulistano, por quase 24 anos de carreira, trabalhei com esse objetivo. Não será uma trajetória fácil, o basquete mundial é muito equilibrado, mas tenho certeza que podemos entrar em todas as competições para brigar por coisas boas. Aproveito para pedir a união de toda a comunidade do basquete, pois precisaremos de todos para atingir esse objetivo", disse.

Hegemônico no Brasil nas últimas temporadas, Gustavo de Conti é tricampeão nacional, por Paulistano (2017-2018) e Flamengo (2018-2019 e 2020-2021), campeão da última Champions League Américas pelo clube rubro-negro, além de campeão paulista em 2017 pelo Paulistano, bicampeão da Copa Super 8 (2018 e 2020-2021) e tricampeão carioca com o Flamengo em 2018, 2019 e 2020. Foi eleito o melhor técnico do país nos anos de 2014, 2017, 2018 e 2021.

"Gustavo é o grande técnico da geração de treinadores brasileiros e chegou a hora de termos um técnico do nosso país dirigindo a seleção novamente. Os títulos conquistados pelo De Conti nos últimos anos falam por si só, mas o respeito dos atletas, de toda a comunidade do basquete e todo o nosso estudo antes de realizar essa escolha nos deixa tranquilos e confiantes que Gustavo fará um grande trabalho na Seleção Brasileira. Desejo toda a sorte do mundo para ele nessa missão", afirmou o presidente da CBB.

A contratação de Gustavo De Conti pela CBB é também um retorno para casa. Em 2012, o técnico passou a fazer parte da comissão técnica do Brasil, onde ficou até 2016, quando Aleksandar Petrovic assumiu. O treinador brasileiro chega como "head coach" do departamento que tem Diego Jeleilate como diretor do basquete masculino, em uma parceria de longa data que vem desde o Paulistano e agora também está junta no Flamengo.

PRIMEIRA MISSÃO - O primeiro compromisso de Gustavo de Conti com o Brasil é em novembro, pela abertura das Eliminatórias do Mundial de 2023. O Brasil faz dois jogos contra o Chile, nos dias 26 e 27, com horários e local ainda a serem definidos. A competição irá classificar sete seleções do continente para o Mundial. Posteriormente, na própria competição, duas seleções das Américas avançam direto para Paris-2024 (as duas de melhor campanha). As demais melhores ranqueadas jogam o Pré-Olímpico.

Morreu na última sexta-feira (17) a ex-jogadora da seleção brasileira feminina de basquete Geisa Oliveira, aos 42 anos. Ela estava grávida de três meses e sofreu uma parada cardiorrespiratória.

A ex-pivô foi tetracampeã nacional do esporte, além de ter atuado na seleção brasileira. Suas últimas atuações no basquete foram como representante da Liga de Basquete Feminino (LBF).

##RECOMENDA##

Geise foi homenageada nas redes sociais por outros jogadores e pelo perfil oficial da LBF no Twitter.

As lembranças e notas de pesar também vieram de ex-colegas da profissão, como Clarissa dos Santos e Damiris Dantas.

A ex-jogadora tinha 1,89m de altura, e também atuou em equipes na Espanha, Hungria e Itália. Ela foi velada na cidade de Campinas, em São Paulo, onde morava com o marido.

 

Com aproximadamente 90% dos atletas vacinados, a NBA não vai exigir que o restante dos jogadores se imunize contra a covid-19. Segundo informações da ESPN americana, divulgadas pelos jornalistas Baxter Holmes e Adrian Wojnarowski, os 10% que decidiram não se vacinar não serão punidos pela liga.

As franquias mantém sigilo quanto aos atletas que fizeram essa escolha, mas Andrew Wiggins, do Golden State Warriors, e Kent Bazemore, do Los Angeles Lakers, se manifestaram publicamente contra a vacina. De acordo com Holmes, a decisão da liga não se aplica a árbitros e comissões técnicas.

##RECOMENDA##

Apesar dessa brecha criada pela NBA aos jogadores, autoridades locais não pretendem aliviar sobre os não vacinados. Os governos de Nova York e São Francisco determinaram que eles não poderão participar de partidas em casa, seguindo as restrições sanitárias de cada região. Na prática, a medida inclui atletas do New York Knicks, Brooklyn Nets e Golden State Warriors.

Para a próxima temporada, prevista para começar em 19 de outubro, a NBA continuará investindo no cumprimento dos protocolos sanitários. O uso obrigatório da máscara, distanciamento social e testes rotineiros são recursos da liga para evitar que haja surtos de casos nas equipes. Em caso de contato próximo com uma pessoa infectada, os jogadores deverão cumprir quarentena.

Na última semana, os Estados Unidos registraram uma média de 152 mil casos de covid-19 por dia, segundo levantamento do jornal The New York Times. Com mais de 650 mil mortes desde o início da pandemia, o país sofreu uma alta também no número de mortes. Diariamente, morrem quase dois mil americanos. Em relação à vacinação, 64% da população já tomaram ao menos uma dose da vacina, e 54,6% completaram seu ciclo vacinal.

A Confederação Brasileira de Basketball (CBB) anunciou nesta segunda-feira que Aleksandar Petrovic não é mais técnico da seleção brasileira masculina. Há dois meses, o croata assumiu o Pesaro, da Itália, e neste momento, após reflexão, definiu por seguir exclusivamente com a equipe italiana, uma decisão respeitada pela entidade diante de um comandante que, segundo a CBB, sempre se entregou completamente ao cargo.

Petrovic chegou ao comando do Brasil em 2017, junto da gestão Guy Peixoto Jr., e nos últimos quatro anos realizou um trabalho importante, em meio a um processo de renovação. Em 33 jogos neste período, o comandante venceu 26, classificando o Brasil para o Mundial de 2019, na China, e chegando na decisão do Pré-Olímpico de Split, na Croácia, em julho.

##RECOMENDA##

No comando da equipe, Petrovic ficou em 13.º lugar no Mundial, onde a seleção conseguiu uma histórica vitória contra a Grécia, mas acabou eliminada após derrotas para a República Checa e Estados Unidos. No Pré-Olímpico, acabou ficando sem a vaga para Tóquio-2020 após ser derrotado na final pela Alemanha.

"Como presidente da CBB, só posso agradecer ao Petrovic por esses anos importantíssimos dele aqui. Petrovic teve mão firme quando necessário e foi um pai para muitos atletas quando preciso. Foi fundamental em um momento de mudança de geração, de chegada de jovens para a seleção brasileira, e, podemos dizer, teve participação na afirmação de vários deles, que certamente estarão por anos e anos na seleção", afirmou Guy Peixoto Jr..

Na mesma nota oficial, a CBB informou que trabalha agora para substituir Petrovic à altura, com planejamento, e sempre buscando trabalhos de médio e longo prazo, com foco não apenas nos Jogos Olímpicos de Paris-2024, na França, mas também em Los Angeles-2028, nos Estados Unidos, e na integração com as categorias de base.

O "Winter Classic" da NHL (hóquei no gelo) e "Field of Dreams" da MLB (beisebol) colocaram na NBA a ideia de jogar partidas em lugares diferentes dos usuais, em espaços abertos. Evan Wasch, vice-presidente executivo de estratégia e análise de basquete da NBA, comentou a ideia no podcast "The Crossover".

"A maior preocupação é com o basquete que você destaca, quer se trate de asfalto e lesões ou uma quadra de madeira do lado de fora com problemas de umidade e umidade que pode entrar na quadra devido à chuva, todas essas coisas devem ser levadas em consideração", afirmou.

##RECOMENDA##

"Nós exploramos e continuaremos falando sobre essa possibilidade. Obviamente, o jogo Field of Dreams foi um sucesso incrível. Portanto, não é surpresa que tenha gerado algumas discussões e vale a pena explorar. Mas os desafios logísticos de um jogo de basquete ao ar livre são apenas significativamente maiores do que um jogo de beisebol, que, é claro, já é jogado a céu aberto", concluiu.

O "Winter Classic" da NHL é um jogo anual a céu aberto. Já o "Field of Dreams" foi uma iniciativa da MLB deste ano, um jogo disputado no cenário do filme "Campo dos Sonhos", no estado de Iowa.

Embora diferente, a iniciativa não é nova. Entre 2008 e 2010, o Phoenix Suns jogou três partidas de pré-temporada entre 2008 e 2010 em Indian Wells, na Califórnia, ao ar livre.

A Aurora Basketball-PE venceu a equipe do Abasp-BA e se sagrou campeã da Copa Alagoas 2021. Os recifenses venceram pelo placar de 54x40, em jogo realizado nesta terça-feira (07), no Ginásio do Sesi Cambona em Maceió-AL. Este é o primeiro título da história do time conquistado fora de Pernambuco.

Em jogo marcado pelo bom rendimento nos chutes de 3 pontos pelas duas equipes, o Aurora conseguiu ampliar rápido o placar, e se manteve na frente praticamente o jogo inteiro. A equipe baiana tentou se utilizar da boa marcação, estratégia que ocasionou na vitória em cima dos recifenses no 1º jogo da fase inicial do certame, mas desta vez, o Aurora usou e abusou dos chutes de fora, dificultando bastante uma reação por parte do Abasp. 

##RECOMENDA##

Os destaques da partida foram o pivô Luiz Rodrigues, que foi o cestinha com 14 pontos e o armador Arthur Medeiros com 12 pontos. O destaque negativo do jogo, foi a lesão do pivô do Aurora Flávio Marcos, que em uma disputa de bola, acabou machucando o tornozelo, precisando sair carregado de quadra. O jogador deve ser encaminhado para uma unidade hospitalar para avaliar a gravidade da lesão. 

Com 6 jogos disputados, o Aurora Basketball encerra a participação no torneio com 5 vitórias e 1 derrota, somando um aproveitamento de 83% na campanha. Além disso, o armador Arthur Medeiros, que tem apenas 16 anos de idade, foi eleito o melhor jogador da final e o pivô Luiz Rodrigues, melhor jogador da copa.

PROJETO AURORA 

O Projeto Aurora é uma associação civil, sem fins lucrativos nem econômicos, fundada em 12 de janeiro de 2016, que tem o objetivo de promover a inclusão social, o acolhimento, amparo e assistência social para crianças, adolescentes, jovens e adultos de baixa renda e em situação de vulnerabilidade. O Projeto, desde sua concepção, é desenvolvido na quadra pública localizada na rua da Aurora, no bairro de Santo Amaro, em Recife - PE. Mais de 60 (sessenta) alunos com idades a partir dos 7 anos em diante, são beneficiados. O Projeto Aurora é aberto para todos os interessados e de forma gratuita. Os treinos acontecem todas às segundas e quartas, das 14h30 às 16h30.

Da assessoria

O aniversário de Kobe Bryant, que completaria 43 anos nesta segunda-feira (23), foi marcado por diversas homenagens nas redes sociais. O jogador morreu no dia 26 de janeiro de 2020, em um acidente de helicóptero, na cidade de Calabasas, na Califórnia.

A viúva do astro dos Los Angeles Lakers fez uma postagem no Instagram com uma foto beijando o Kobe e ao lado do troféu de campeão da NBA, feito que ele conquistou em cinco oportunidades. "Feliz Aniversário, Papi. Te amo para sempre. Amor eterno", escreveu Vanessa.

##RECOMENDA##

Ex-companheiros, seja na NBA ou na seleção dos Estados Unidos, também aproveitaram o dia para relembrar sua relação com Kobe.

"Feliz aniversário irmão. Saudades", escreveu Pau Gasol, seguido da hashtag MambaForever, que era o apelido do astro. "Feliz aniversario irmão", publicou Dwyane Wade, com um vídeo dos melhores momentos da carreira de Kobe.

As homenagens seguiram com Carmelo Anthony, que publicou uma foto em que abraça Kobe, e Stephen Curry, que trocou sua foto de perfil no Twitter para uma lado do ex-rival. LeBron James também postou algumas fotos no stories do Instagram.

Kobe também lembrado pelo quarterback do Seattle Seahawks, da NFL, Russell Wilson, que fez uma postagem nas redes sociais. "Lenda para sempre. Sinto sua falta, Kobe. Parabéns, Mamba."

Grande astro do Brooklyn Nets e um dos maiores jogadores da atualidade na NBA, Kevin Durant anunciou que a marca do mercado de maconha Weedmaps é seu mais novo parceiro. O jogador, inclusive, pretende utilizar o patrocinador para acabar com o estigma sobre o uso de maconha entre os atletas da liga de basquete dos Estados Unidos e Canadá.

Em ocasiões passadas, Durant já defendeu os benefícios da maconha e chegou a investir em negócios relacionados ao assunto. É o mais longe que um grande atleta profissional deste calibre chegou. "Acho que já passou da hora de acabar com os paradigmas em torno da cannabis que ainda existem no mundo dos esportes, bem como no mundo todo", disse o jogador dos Nets em entrevista à ESPN americana. "Esta parceria vai nos ajudar a normalizar as conversas sobre o tema, bem como a criar conteúdo, eventos e muito mais por meio de nossa rede de mídia Boardroom. Este é apenas o começo para nós", falou.

##RECOMENDA##

A Weedmaps não vende maconha diretamente, mas é uma plataforma de comércio eletrônico (e-commerce) que orienta os usuários a chegar até os vendedores. Quando questionado se faz uso da substância, Durant se recusou a responder à reportagem.

A NBA continua proibindo o usa da maconha entre os atletas. Atualmente, as regras da liga exigem quatro testes aleatórios por ano para a substância, entretanto, quando a liga foi paralisada em março de 2020 devido à pandemia do novo coronavírus e a "bolha" de Orlando foi criada, os testes foram suspensos e não voltaram para a temporada 2020-2021.

Representantes do escritório da liga e do sindicato dos jogadores disseram que existem conversas sobre o tema, mas atualmente não há planos concretos para mudar formalmente a regra. A liga ainda faz testes de drogas e no mês passado suspendeu o armador Jalen Harris, do Toronto Raptors, por um ano por causa de violações da política antidrogas.

O processo de acordo entre Durant e a Weedmaps foi demorado, sobretudo devido à delicadeza com que o assunto é tratado. As conversas entre o jogador, seu representante Rich Kleiman e a empresa, que se tornou uma empresa de capital aberto em junho passado, duraram cerca de seis meses.

Após o anúncio, outros atletas de alto nível, como a estrela da WNBA Sue Bird e o ex-jogador da NBA Matt Barnes, chegaram a comentar o assunto. "Há uma cultura em mudança e é preciso um superastro como KD para abraçar isso e ajudar os outros a não terem medo de discutir os benefícios. Isso tem sido um processo. Há vários anos que acontecem reuniões com a liga e o sindicato e ambos os lados contrataram especialistas para investigar isso. Este é um grande passo", disse Barnes, um defensor da maconha que disse ter feito uso da substância durante a maior parte de seus 14 anos de carreira.

Durant está esperançoso com a parceria e pretende lançar uma campanha através de podcasts e vídeos nos próximos meses. O jogador dos Nets espera que alguns de seus colegas de liga se juntem a ele nas discussões sobre os benefícios do uso de maconha.

O jogador da NBA, pivô do Philadelphia 76ers, Andre Drummond, precisou pular na piscina de sua residência para salvar seu filho de dois anos. O vídeo foi compartilhado pelo próprio atleta nas suas redes sociais, nesta quinta-feira (12).

O jogador agiu rápido e impediu que Deon, filho dele de dois anos, se afogasse. Nas redes sociais, ele falou sobre o susto que levou e disse que esse era "o pior pesadelo de um pai". Ele ainda ressaltou que ninguém, se feriu apesar de tudo. “Nem todos heróis usam capa”, brincou o americano.

##RECOMENDA##

Confira o vídeo:

[@#video#@]

A Federação Internacional de Basquete (Fiba) anunciou nesta terça-feira (10) que o Brasil vai ser a sede da próxima Copa América, em 2022. O torneio, que vai reunir as 12 melhores seleções do continente, está marcado para acontecer em setembro do ano que vem, em quatro cidades que ainda não estão definidas.

A decisão foi anunciada dois dias depois do encerramento da Olimpíada de Tóquio, jogos em que as seleções brasileiras masculina e feminina de basquete não disputaram por não conseguirem a classificação.

##RECOMENDA##

Para o presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Guy Peixoto Jr, receber o torneio é uma chance de fortalecer o basquete nacional para fazer um ciclo olímpico que coloque o Brasil nos Jogos de Paris, em 2024. "O basquete brasileiro tem uma história vencedora e sabemos da nossa responsabilidade no resgate disso", afirmou.

A depender do retrospecto do País na competição quando participa como dono da casa, há motivos para acreditar nessa recuperação. A última vez que o Brasil sediou o torneio foi em 1984, quando os donos da casa foram campeões. Mas, para anfitriões conquistarem o título, vão precisar superar as outras 11 seleções classificadas: Argentina, Porto Rico, Canadá, Colômbia, México, Venezuela, Panamá, República Dominicana, Uruguai, Venezuela, Ilhas Virgens e os Estados Unidos, campeões olímpicos.

O torneio terá quatro cidades-sede que ainda serão selecionadas entre as candidatas pela organização. O torneio contará com a participação de 12 seleções do continente, todos classificados através de eliminatórias.

Para trazer a Copa América para o Brasil, a CBB contou com uma parceria com a empresa de marketing esportivo do lateral-direito Daniel Alves, do São Paulo, que também participou dos Jogos Olímpicos de Tóquio e foi campeão com a seleção brasileira. O jogador vai inaugurar, em setembro, um projeto social na Bahia que vai oferecer a prática de futebol e basquete para 2 mil crianças.

"Estou muito feliz com a vinda da Copa América para o Brasil. Gosto do esporte e do Basquete e precisamos apoiar iniciativas como essa. Estaremos com os melhores profissionais à frente desse projeto, acredito que seja um grande passo para que o basquete brasileiro esteja nos Jogos Olímpicos de Paris 2024", disse o atleta.

A amizade entre Carmelo Anthony e LeBron James finalmente vai estar presente no mesmo lado da quadra na NBA, já que os veteranos estarão juntos no Los Angeles Lakers na próxima temporada. Para que isso acontecesse, segundo Anthony relatou, foi preciso que James o convencesse com as simples palavras: "A hora é agora, nós temos que fazer isso acontecer".

O ex-jogador do Portland Trail Blazers deu detalhes sobre as conversas que teve com LeBron James em relação à possibilidade de jogarem juntos. "Timing é tudo. Por anos, nós sempre ríamos e falávamos sobre isso... A hora é agora para estarmos no mesmo time. Não poderia ter vindo em um momento melhor", afirmou Carmelo Anthony.

##RECOMENDA##

Buscando seu primeiro título na liga, acredita que a reunião com LeBron James, mesmo estando em estágios avançados de suas carreiras, pode render frutos em Los Angeles. "É a única coisa que me falta", disse sobre a vontade de conquistar títulos. "Está é a coisa que me mantém acordado à noite, que me motiva porque eu não tenho", completou.

Com um currículo que inclui 10 seleções para o All-Star Game, seis vezes para o quinto ideal da NBA e uma vez como maior cestinha da liga, Carmelo Anthony pode ter que ocupar uma função que lembre seus tempos áureos de Denver Nuggets e New York Knicks, diferente do que vinha fazendo em temporadas recentes.

Em seu último ano em Portland, Carmelo Anthony atuou como espécie de arma ofensiva vinda do banco de reservas, marcando 13,4 pontos e 40,9% de acertos em bolas de três de média em 69 jogos da temporada regular, nos quais em apenas três deles foi titular.

Porém, com a recentes adição de Russell Westbrook e a saída de vários jogadores nos Lakers, a chegada do ala pode gerar ainda mais minutos e fazer com que a tão esperada parceria com LeBron James seja a cura das noites sem sono de Carmelo Anthony.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando