Esportes

| Vôlei

A 1ª Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) do vôlei decidiu absolver Carol Solberg por ter gritado "Fora, Bolsonaro" durante entrevista ao vivo, na cerimônia de premiação da etapa de Saquarema (RJ) do Circuito Brasileiro do Vôlei de Praia, no mês passado e aplicou apenas uma multa de R$ 1 mil, convertida para advertência, à jogadora. A atleta, assim, escapou de uma punição pesada. O julgamento foi realizado de forma virtual no início da tarde desta terça-feira.

Carol recebeu a pena mais branda. Ela foi condenada por 3 votos a 2 com base no artigo 191. A maioria dos auditores do STJD entendeu que ela violou o artigo 191 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), mas considerou não ser procedente o artigo 258. Os artigos foram utilizados pelo subprocurador Wagner Vieira Dantas para denunciar a atleta.

##RECOMENDA##

Pelo artigo 191 - "deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento de regulamento, geral ou especial, de competição" - ela recebeu multa de R$ 1 mil, convertida em advertência. A jogadora escapou de punição com base no artigo 258 - "assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código à atitude antidesportiva" - a atleta poderia ser vetada de uma a seis partidas, além de levar suspensão de 15 a 180 dias.

A advertência serve como um "puxão de orelha", segundo o presidente da comissão, Otacílio Soares de Araújo, responsável pelo último voto. "Se ela repetir, pode ser punida de uma forma pior", avisou. "Você não está ali para se manifestar de forma politicamente ou religiosamente. A gente, no passado, todo mundo lembra que quando um atleta fazia o gol ele mostrava alô mamãe, alô papai. Isso foi banido. Por que? Por que não é o momento adequado. A atleta pode falar a vontade nas redes sociais dela, que ninguém vai falar nela. Mas se ela for nas redes sociais dela e falar mal do tribunal, ela pode ser denunciada", justificou.

Além de Otacílio, também votaram no julgamento os auditores Robson Luiz Vieira, Gustavo Silveira, Rodrigo da Paz Ferreira Darbilly e Marcos Eduardo Bomfim. Carol foi defendida pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, que aceitou o convite da mãe da atleta, a ex-jogadora Isabel Salgado, e pelo advogado Leonardo Andreott, ex-presidente do próprio STJD do vôlei.

Foi debatido na sessão online o local da manifestação e não o direito de se manifestar. Para a maioria dos auditores, o campo de jogo não é um lugar adequado para protestos. Ainda assim, apenas a pena de R$ 1 mil, transformada em advertência, foi aplicada para Carol, com o objetivo de ser uma medida "educativa".

Os auditores julgaram que ela descumpriu o item 3.3 de um termo do regulamento do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia. Esse artigo, em documento assinado por Carol, afirma que: "O jogador se compromete a não divulgar, através dos meios de comunicações, sua opinião pessoal ou informação que reflita críticas ou possa, direta ou indiretamente, prejudicar ou denegrir a imagem da CBV e/ou os patrocinadores e parceiros comerciais das competições".

Durante o julgamento, realizado remotamente e que durou cerca de duas horas, Carol reiterou que não ofendeu a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e os patrocinadores da entidade, defendeu a liberdade de expressão e que os jogadores possam se manifestar em qualquer lugar e ocasião, incluindo as arenas, lembrou do apoio de Wallace e Maurício Souza ao então candidato à presidência Jair Bolsonaro, em 2018, assegurou que não se arrepende do que fez e reforçou sua posição contrária ao governo federal.

"Eu tinha acabado de ganhar o bronze e estava muito feliz de retornar ao pódio. E na hora de dar minha entrevista, apesar de toda a minha alegria de estar ali, não consegui não pensar em tudo o que está acontecendo no Brasil, as queimadas na Amazônia, no Pantanal, as morte pela covid-19", justificou a jogadora. "Me veio um grito totalmente espontâneo, de tristeza e indignação por tudo o que está acontecendo", emendou.

"Não me arrependo, de nenhuma maneira. Só manifestei minha opinião, acredito na minha liberdade de expressão, da mesma forma que os jogadores do vôlei de quadra (Wallace e Maurício) se manifestaram com uma opinião diferente da minha em outra ocasião. "Eu não ofendi nem a CBV nem o Banco do Brasil. So manifestei minha opinião contra o governo", completou.

Com a decisão, a atleta está liberada para participar ao lado de sua parceira Talita da próxima etapa do Circuito Brasileiro, marcada para sexta-feira, dentro da "bolha" da CBV, em Saquarema.

O julgamento foi envolto em polêmicas, gerou muita repercussão e sofreu um adiamento porque a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e o Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH) pediram para participar do caso. O relator Robson Luiz Vieira rejeitou o "pedido de intervenção" e o julgamento aconteceu uma semana depois da data inicialmente estipulada.

O caso pode servir para balizar se os atletas podem se manifestar politicamente ou não e, segundo especialistas ouvidos pelo Estadão, existe a possibilidade de quebrar o "muro do silêncio" no esporte brasileiro quanto a protestos políticos e também sobre outros temas em um momento em que vários esportistas ao redor do mundo têm levantado a voz para combater preconceitos e se posicionado com veemencia em defesa do direitos humanos. Exemplo disso são os protestos antirracistas no futebol, no basquete e no futebol americano.

Wagner Vieira Dantas, subprocurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) do voleibol, responsável por denunciar Carol Solberg por ter gritado "fora, Bolsonaro", explicou por que denunciou a jogadora de vôlei de praia. Em entrevista ao Estadão, ele afirmou entender que ela descumpriu uma regra do campeonato ao se manifestar no campo de jogo e também confessou ser alinhado ao posicionamento político e ideológico da atleta. O advogado se declara antifascista e, nas redes sociais, compartilha publicações contra o governo e a favor da democracia.

"A denúncia se deu pelo fato do descumprimento de uma regra do campeonato. Ela (Carol Solberg) assinou o regulamento da competição, que diz que não poderia fazer qualquer tipo de manifestação na arena de jogo. Há uma cláusula escrita, muito clara, que fala sobre isso. O caso foi distribuído na procuradoria e eu fui sorteado para pedir a denúncia ou fazer o arquivamento dos autos. Não questiono o que ela falou, mas o momento, o lugar de fala dela, que atesta contra o regulamento. E como o artigo 191 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva prevê punição nesses casos, não restou outra alternativa que não fazer uma denúncia. A questão está estritamente vinculada à regra da competição", frisou o subprocurador.

##RECOMENDA##

Dantas revelou que tem o mesmo posicionamento político que Carol, isto é, contra a gestão do presidente Jair Bolsonaro, mas ressaltou que, na sua visão, seria errado não denunciar a atleta pelo seu protesto durante entrevista ao vivo para o SporTV, no dia 20 de setembro, após conquistar a medalha de bronze no Circuito Brasileiro de vôlei de praia. Na ocasião, a jogadora pegou o microfone e disparou: "Fora, Bolsonaro".

"É um fato que eu estou inserido no mesmo espectro político ou no mesmo nível de crítica que uma atleta como a Carol tem. Eu comungo da mesma opinião política dela. Mas nós temos que saber separar as coisas. O outro fato é que eu sou um subprocurador geral de Justiça e eu tenho uma obrigação pera a instituição e a sociedade. Chegou a mim um caso, eu posso estar errado, mas na minha concepção, no meu juízo de valor pessoal, acho que ali tem um ato indisciplinar", salientou Dantas.

"O fato de eu simpatizar pela concepção política e filosófica da Carol não pode tirar a minha obrigação de fazer a denúncia. Se eu estiver fazendo isso eu vou estar repetir o bom e velho compadrio tradicional político de benefícios. Então, eu achei por bem cumprir minha obrigação", completou.

O subprocurador geral do STJD publicou uma foto em seu perfil no Facebook em que aparece usando uma máscara preta com os mesmos dizeres que bradou Carol: "Fora, Bolsonaro". Também assinou o "manifesto dos advogados antifascistas pela democracia", documento que reuniu mais de 100 assinaturas, e faz parte do grupo "Amigos da Democracia". Ativo nas redes sociais, ele compartilha com frequência suas ideias e posições. Foi contra, por exemplo, o processo que culminou com a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2018. "A democracia está em ataque faz tempo. Sempre que posso eu procuro defendê-la", ressaltou.

DENÚNCIA - A denúncia de Carol é baseada em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): o 191, "deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento de regulamento, geral ou especial, de competição", e o 258, por "assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código à atitude antidesportiva". Pelo artigo 191, ela pode ser multada entre R$ 100,00 e R$ 100 mil ou receber advertência. Já o artigo 258 prevê veto de uma a seis partidas, suspensão de 15 a 180 dias ou advertência. Carol ainda não se manifestou sobre a decisão do STJD.

Ainda não há data definida para o julgamento de Carol Solberg. Certo é que, no caso, ela será defendida perante o STJD pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, que aceitou o convite da mãe da jogadora, a ex-atleta Isabel Salgado.

Ao Estadão, Carol disse que "esse papo de que não se deve misturar esporte e política não dá mais". Após o grito durante a entrevista no dia 20, a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e a Comissão de Atletas de Vôlei repudiaram a manifestação política da jogadora. Diversos atletas, porém, saíram em defesa de Carol, como a jogadora Fabiana, que ainda lembrou que a nota da entidade continha a palavra de cunho racista "denegrir".

Desde o episódio, Carol passou a sofrer ameaças e foi alvo de fake news. Perfis bolsonaristas iniciaram uma campanha para que o Banco do Brasil deixasse de patrocinar a atleta, mas ela não tem apoio financeiro da instituição e usava um uniforme com logomarca do BB porque a CBV, organizadora do circuito, recebe aporte do banco estatal.

O Campeonato Paulista de vôlei feminino começa nesta quarta-feira (23). O primeiro jogo da competição será entre Osasco São Cristóvão Saúde e São Caetano, às 20 horas, no ginásio José Liberatti, em Osasco (SP). Devido à pandemia do novo coronavírus, não será permitida a entrada de torcedores no local.

Sem disputar uma partida oficial desde março, Osasco teve apenas um mês para preparar as suas jogadoras. Forte candidata ao título, a equipe retorna às quadras sabendo que terá de lidar com a falta de ritmo de jogo, mas vê o adversário na mesma situação. "Não estamos 100% porque voltamos faz pouco tempo. O Osasco tinha um planejamento para o time retornar com calma e seguindo todos os protocolos, mas as coisas foram atropeladas por causa do Paulista", contou a levantadora Roberta Ratzake em entrevista ao Estadão.

##RECOMENDA##

"Apesar de todos os imprevistos, o clube conseguiu respeitar a volta de cada jogadora. Já conseguimos evoluir, mas a questão de jogo terá de ser durante o campeonato. Vamos sofrer, mas isso não vai acontecer apenas com a gente. Todos os outros times vão passar por isso", explicou Roberta, que também avalia o retorno como um ótimo teste para o time.

Com a renovação da base, a ponteira Jaque, a central Bia e a líbero Camila Brait, além do retorno da oposto Tandara, Renata acredita que a equipe do Osasco vai apresentar mudanças em relação à temporada passada. "Vejo um time diferente e acredito que manter uma base é algo valioso. Elas são jogadoras mais experientes e a Tandara chega pronta para agregar. Temos tudo para dar certo e estamos trabalhando muito para isso. Queremos um time diferente do ano passado".

O técnico Luizomar de Moura também concorda com a jogadora. "Formamos uma equipe bastante equilibrada e coerente, com atletas talentosas, experientes e que estão adaptadas com nosso método de trabalho, agregando a força de Tandara e o potencial de jovens jogadoras que chegam com muita disposição de crescer e sentir o que é vestir a camisa de Osasco", afirmou.

A diferença não estará apenas em quadra. As jogadoras também precisam lidar com a falta de apoio nas arquibancadas. Segundo a levantadora, "a torcida apaixonada vai fazer muita falta". "Não estamos acostumadas a jogar em um ginásio vazio e sabemos que em grandes momentos do jogo é a torcida que coloca a gente pra cima. Não poder contar com eles é difícil, mas não temos o que falar. Eles estão sempre nos apoiando", disse. Como prova da paixão, os fãs do Osasco fizeram questão de colocar frases e bandeiras no ginásio da equipe.

DISPUTA - O Campeonato Paulista vai contar com seis equipes na briga pelo título: São Paulo F.C. Barueri, Rena Country Club Valinhos, Osasco São Cristóvão Saúde, São Caetano, Sesi Vôlei Bauru e Pinheiros. A disputa será em turno único e todos os times vão se enfrentar na primeira fase. Os quatro melhores se classificam para a semifinal, que será disputada em dois jogos. A grande decisão será no mesmo sistema.

A jogadora de vôlei de Praia Carol Solberg usou sua conta no Instagram para comentar o episódio em que gritou "Fora, Bolsonaro" em entrevista ao SporTV após partida. A manifestação da atleta gerou uma nota de repúdio da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

No seu texto, Solberg elenca uma série de motivos para o seu grito contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), entre eles, a situação do pantanal e da Amazônia, a política contra os povos indígenas e por acreditar que muitas mortes poderiam ter sido evitadas durante a pandemia se não houve descaso das autoridades e falta de respeito à ciência. Ela também critica o presidente por já ter dito que racismo "é algo raro no Brasil".

##RECOMENDA##

"São muitos absurdos e mentiras que nos acostumamos a ouvir, dia após dia. Não posso entrar em quadra como se isso tudo me fosse alheio", disse Solberg. "Vivemos em uma democracia e temos o direito de nos manifestar e de gritar nossa indignação com esse governo", acrescentou.

Na nota de repúdio, a CBV afirmou que "tomará todas as medidas cabíveis para que fatos como esses, que denigrem a imagem do esporte, não voltem a ser praticados". A confederação também disse que a etapa do CBVP Open 2020/2021 foi manchada por um ato totalmente impensado.

Após a repercussão, Solberg destacou que a postura da CBV no seu caso foi diferente do episódio com o atleta Wallace. Em 2018, ele e Maurício Souza fizeram com os dedos o número 17, do então candidato Jair Bolsonaro, em uma foto durante disputa do Campeonato Mundial de vôlei de quadra. A foto foi publicada na conta oficial da CBV. Posteriormente, a organização removeu a imagem e escreveu uma nota afirmando que não compactuava com manifestação política, mas acreditava na liberdade de expressão.

Na segunda-feira (21), a Comissão Nacional de Atletas de Vôlei de Praia também fez uma nota de repúdio contra a jogadora. A mensagem assinada pelo ex-atleta Emanuel Rego ressalta que a comissão "lutará ao máximo para que esse tipo de situação não aconteça novamente".

Bicampeã olímpica pela seleção brasileira, a central Fabiana criticou nesta segunda-feira a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) por ter condenado a atitude de Carol Solberg ao fim da primeira etapa do Circuito Brasileiro de vôlei de praia, em Saquarema (RJ). Após receber a medalha de bronze, Carol gritou "Fora, Bolsonaro" em entrevista ao vivo para o canal SporTV.

"Vivemos (ainda) em um país DEMOCRÁTICO, onde atletas ou qualquer ser humano pode expressar suas convicções, desde que elas não sejam ofensivas, criminosas ou que faltem com respeito. Temos que ter muito cuidado com a censura ou flerte com a volta dela, precisamos estar atentos aos nossos direitos enquanto cidadãos. Portanto, não foi muito feliz a nota escrita pela CBV", disse Fabiana, pelas redes sociais.

##RECOMENDA##

A nota criticada pela jogadora foi publicada pela entidade poucas horas depois da manifestação de Carol Solberg. "O ato praticado pela atleta Carol Solberg durante a entrevista ocorrida ao fim da disputa de 3º e 4º lugar da primeira etapa do Circuito Brasileiro Open de Volei de Praia - Temporada 2020/2021, em nada condiz com a atitude ética que os atletas devem sempre zelar. Aproveitamos ainda para demonstrar toda nossa tristeza e insatisfação, tendo em vista que essa primeira etapa do CBVP OPEN 2020/2021, considerada um marco no retorno das competições dos esportes olímpicos, por tamanha importância, não poderia ser manchada por um ato totalmente impensado praticado pela referida atleta", registrou a CBV.

Fabiana também criticou a expressão "denegrir" utilizada no fim da nota. "Por fim, a CBV gostaria de destacar que tomará todas as medidas cabíveis para que fatos como esses, que denigrem a imagem do esporte, não voltem mais a ser praticados."

"Denegrir é uma palavra de cunho racista e JAMAIS deveria ser usado em qualquer situação. Estamos lutando dia após dia contra atos racistas, fazendo campanhas educativas e protestos, então seria ótimo repensar o uso de certos termos. Com isso já deixo a dica de além de denegrir não usem 'lista negra', 'mulata', 'mercado negro', 'a coisa tá preta', 'serviço de preto', entre outras mais", disse a jogadora.

"Eu como atleta preta, que muito conquistei e representei esse país em todo mundo, não posso me calar diante das coisas que vejo. Sempre vou apoiar a democracia, as liberdades individuais e especialmente todo apoio a causa contra o racismo estrutural e diário que ainda insistimos em conviver achando "normal". #blacklivesmatter #vidaspretasimportam #liberdade."

Nesta segunda, a polêmica foi ampliada por nota emitida pela Comissão Nacional de Atletas do Vôlei de Praia, que também repudiou as declarações de Carol Solberg. "A Comissão Nacional de Atletas vem, através desta, ressaltar que não é favorável a nenhum tipo de manifestação de cunho político em competições esportivas. Por isso, a mesma lamenta o ato realizado pela atleta Carol Solberg neste domingo (20.09) - em jogo válido pela primeira etapa do Circuito Brasileiro Open de Vôlei de praia temporada 2020/21 - e lutaremos ao máximo para que esse tipo de situação não aconteça novamente", disse a comissão liderada por Emanuel Rego, ex-jogador de vôlei de praia e candidato a vice-presidente ao Comitê Olímpico do Brasil (COB), na chapa liderada por Rafael Westrupp, atual presidente da Confederação Brasileira de Tênis (CBT).

Após a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) desaprovar a atitude de Carol Solberg – que fez protesto contra o presidente Bolsonaro em transmissão de competição – a Comissão Nacional de Atletas de Vôlei de Praia também criticou a jogadora e prometeu que lutará para que “manifestações de cunho político” não voltem a ocorrer.

Após conquistar a medalha de bronze no Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, em Saquarema, no Rio de Janeiro, a jogadora Carol Solberg, que forma dupla com Talita, fez um protesto político. Durante entrevista ao canal SportTV, neste domingo (20), a brasileira disse: “Só para eu não esquecer, fora Bolsonaro”.

##RECOMENDA##

Presidida pelo ex-jogador e campeão olímpico, Emanuel Schaffer, a comissão emitiu a nota ressaltando que não é favorável a nenhum tipo de manifestação de cunho político e que lamenta o ato de Carol Solberg.

A nota só não esclarece se manifestações antirracistas estariam nessa definição de “manifestação de cunho político”. No mundo inteiro, inclusive no Brasil, já houveram manifestações em outras modalides, com destaque para os jogadores da NBA e para o piloto Lewis Hamilton, da Fórmula 1.

Confira a nota:

Após conquistar a medalha de bronze no Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, em Saquarema, no Rio de Janeiro, a jogadora Carol Solberg, que forma dupla com Talita, fez um protesto político. Durante entrevista ao canal SportTV, neste domingo (20), a brasileira disse: “Só para eu não esquecer, fora, Bolsonaro!”.

[@#video#@]

##RECOMENDA##

O vídeo da entrevista foi bastante repercutido neste domingo. Ao blog ‘Olhar Olímpico, do UOL, Carol deu mais detalhes sobre o protesto. "O 'fora, Bolsonaro' está engasgado aqui na garganta. Ver esse desgoverno dessa forma, ver o pantanal queimando, 140 mil mortes e a gente encarando a pandemia desse jeito. É isso. Tá engasgado esse grito. E me sinto, como atleta, na obrigação de me posicionar”, argumentou.

O Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia foi vencido pela dupla Ana Patrícia e Rebecca, que derrotou Ágatha e Duda por 3 sets a 0. Carol e Talita venceram Josi e Juliana por 2 sets a 0.

A data de 27 de junho é lembrada como o Dia Nacional do Vôlei. Instituída pelo Ministério dos Esportes em meados da década de 1990, o dia é reservado para celebrar as diversas conquistas da seleção brasileira da modalidade em competições internacionais. Respeitado pela tradição no esporte, o Brasil tem mais de 130 títulos em disputas oficiais femininas e masculinas. Tamanha quantidade de conquistas inspirou atletas e o voleibol passou a ser o segundo esporte mais praticado no Brasil. Um levantamento apresentado pelo portal Terra há pouco mais de dois anos mostra que 15 milhões de pessoas escolhem a modalidade como preferida.

Apaixonada pelo vôlei desde criança, a aposentada Rosemeire Furlanetto, 56 anos, é uma das que não dispensa o jogo durante o tempo livre. "Há sete anos, um amigo montou um time feminino e nos levou para jogar no clube da Mercedes em São Bernardo do Campo, de lá pra cá não parei mais", conta ela, que voltou às quadras para atuar com as duas filhas, no começo dos anos 2000. "Jogávamos aos domingos em uma escola de bairro. Não tem preço quando no meio do jogo elas gritam 'vai mãe!'", diverte-se.

##RECOMENDA##

A aposentada Rosemeire Furlanetto | Foto: Arquivo Pessoal

Com a pandemia e interrupção das atividades esportivas, a atleta amadora não vê a hora de retornar. "Amo tanto o vôlei que jogo em três times diferentes [Athenas, ADV e Nitro/Metrô], jogo misto [mulheres e homens] às segundas-feiras, participo de campeonatos em vários clubes e não pretendo parar tão cedo", enfatiza Rosemeire.

O empresário e economista José Raimundo de Oliveira, 48 anos, é mais um adepto do esporte. Encantado pela "Geração de Prata" (seleção brasileira que tinha nomes como Bernard, Montanaro, Bernardinho, William e Renan nos anos 1980), ele pratica vôlei desde quando era estudante, e chegou a treinar em um dos clubes mais tradicionais da modalidade na década de 1990, o Banespa. "Fomos vice-campeões da Copa Dan’Up pela Escola Estadual José Marques da Cruz e depois de uma peneira no Ibirapuera, fui treinar no Banespa", relata o economista.

Para ele, a magia do esporte não está apenas na disputa. "O vôlei, como outros esportes, é um imã para amizades e é, sem duvida, uma terapia social, além de ser uma das modalidades mais respeitosas, cordiais e inclusiva", comenta. O entusiasmo de Oliveira vai além da paixão por estar nas quadras distribuindo toques e cortadas. Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, o empresário viu de perto a terceira medalha de ouro do time masculino do Brasil na história. "Acompanho muito a seleção brasileira e tive o prazer de ver a medalha de ouro ao vivo em 2016", recorda.

O diretor de arte e produtor musical Ricardo Batista | Foto: Arquivo Pessoal

Já o diretor de arte e produtor musical Ricardo Batista, 43 anos, divide a atividade profissional com o tempo disponível para o volei. "Em uma semana cheia, bato bola às segundas em um colégio, quartas na Associação Atlética Banco do Brasil [AABB/SP], sábados no vôlei de rua e domingo no Holiday, time que existe há 30 anos e foi o primeiro time que treinei aos 16 anos", conta. Fã de ícones como Marcelo Negrão, campeão olímpico na primeira medalha de ouro da seleção masculina do Brasil, Batista segue os torneios nacionais e se espanta com o desenvolvimento físico dos atletas da atualidade. "Gosto de acompanhar a Super-Liga Masculina e a evolução é absurda. Tenho 1,93 m e era considerado um garoto alto, mas sou pequeno para os padrões de hoje", analisa o atleta amador.

Há cerca de uma década ininterrupta praticando a modalidade, o produtor musical tem mantido a forma com o próprio time em treinamentos feitos a distância, mas sente falta das quadras. "Está sendo muito difícil, a distância dos amigos e de bater bola, mas estamos nos falando por grupos de WhatsApp e fazendo treinos físicos remotos", lamenta. Apesar de não ser um jogo de contato físico, Batista alega estar saudoso até das pequenas confusões em disputa. "Sempre dá aquela esquentada, existe aquela disputa sadia pela vitória e acertar uma bolada no amigo também é bem bacana para tirar um sarro", complementa.

A crise no esporte provocada pela pandemia do novo coronavírus tem afetado cada vez mais as modalidades, que já passavam por momentos de incerteza após a queda de investimento depois dos Jogos Olímpicos do Rio. O vôlei teve a Superliga interrompida antes do fim e muitos atletas ficaram sem contrato após o fim do vínculo com os clubes.

O problema atinge, inclusive, campeões olímpicos de 2016, que apesar de terem um ouro no currículo, vivem um momento de grande insegurança. Muitos times nem sequer sabem quando poderão retomar as atividades. Até por isso, esses profissionais estão de olho em clubes de fora do País e investem em outras áreas na expectativa de a situação econômica melhorar.

##RECOMENDA##

Evandro, campeão com a seleção brasileira nos Jogos do Rio, se despediu do Sada Cruzeiro em maio, após quatro temporadas. Aguardando novas propostas, ele lançou uma marca de roupas em conjunto com a namorada, Bruna Lecardeli, e aposta nos estudos durante a quarentena.

"O mercado do vôlei não está igual aos outros anos. Ele está bem complicado. Alguns jogadores já fecharam novos contratos, mas grande parte segue sem clube. É difícil estar sem time até agora. Fico preocupado, sem saber o que fazer. Em compensação, estou tentando investir em outras áreas", contou em entrevista ao Estadão.

"Precisamos esperar para ver como o mercado vai reagir lá na frente. Mas estou seguindo em frente. Até abri a marca de roupas Eight BE e consigo dar bastante atenção para esse novo investimento. Também procuro focar nos estudos, realizar palestras, estudar o Instagram...Está bem interessante essa parte. Já o lado profissional, apesar de ser um campeão olímpico e um bom jogador, está bem complicado", lamentou Evandro.

No mesmo cenário está o técnico Rubinho, que comandava o Sesi-SP e foi auxiliar de Bernardinho na conquista olímpica de 2016. O clube não renovou os contratos do elenco profissional e ele acabou ficando sem um time para comandar. Portanto, também busca uma nova oportunidade no mercado. Até lá, o treinador está aproveitando o tempo livre para realizar encontros online com colegas de profissão, lives e também ministrar o curso nacional de treinadores junto à Federação Mineira de Voleibol.

"Estou afastado do Sesi desde maio. Antes, eles me avisaram que eu não ficaria na equipe em função dos problemas financeiros e reajustes que a instituição teria de fazer. Agora estou aguardando uma chance fora do Brasil. Não que eu queria sair daqui, mas acho que vou ter uma oportunidade melhor. Tenho um procurador que está analisando algumas negociações mais diretas. O importante é não desanimar", diz Rubinho.

Para ele, "existe um pouco mais de perspectiva fora do País". "Para quem está buscando uma nova oportunidade na carreira, o melhor cenário está fora do Brasil. Lá as coisas estão um pouco mais avançadas, já que eles tiveram a pandemia um pouco antes da gente."

Assim como Rubinho, o campeão olímpico Éder também percebeu que as melhores oportunidades para os atletas brasileiros estão surgindo em times estrangeiros. O central também se despediu do Sesi, mas assinou contrato com uma equipe alemã.

"O vôlei foi amplamente afetado pela pandemia. Hoje as pessoas estão pensando no seu bem-estar e o esporte acaba sendo voltado mais para a área do lazer das pessoas. Então, acaba não sendo uma prioridade e é o correto. Só que por outro lado, o vôlei já vinha com bastante dificuldade aqui no Brasil em função da crise. Tivemos bons campeonatos nos últimos anos, mas a Superliga não tinha mais o equilíbrio de bons times", diz o jogador.

"Acredito que o vôlei vai ter bastante dificuldade no próximo ano. É um momento para rever os nossos conceitos no Brasil e aproveitar essa crise como uma oportunidade para recomeçar de uma forma melhor. Ter mais projeção e visibilidade", continua. Apesar de ser campeão olímpico, Éder destaca que não foi fácil achar uma nova equipe. "Eu não arrumei um clube rápido e estava preocupado com a situação porque o tempo estava passando. Foi bem difícil. Todos estão passando por isso, por essa dificuldade, em razão dessa crise no Brasil. Estamos vendo muitos jogadores indo para o exterior justamente por esses fatores".

Apesar de acreditar que o vôlei terá de enfrentar mudanças após a crise, o levantador William, companheiro de Éder no Sesi, espera continuar no Brasil com o objetivo de fortalecer a modalidade no País. "Essa é a minha intenção", afirma o atleta, que está próximo de anunciar o seu novo clube.

"Ainda não fechei com nenhum time. Os clubes estão voltando aos poucos e os atletas dependem dessa reabertura para poder avançar numa negociação. Por esse motivo eu ainda não tenho nada concreto, apenas conversas prévias, até porque essas conversas já existiam, mas com todo esse cenário novo por causa da pandemia as coisas pararam e estão sendo retomadas aos poucos", explica.

Questionado sobre a possibilidade de não conseguir uma equipe e precisar sair do Brasil, William revela não ter receio. "Isso não passou pela minha cabeça. Talvez o Brasil esteja sofrendo um pouco mais e opções fora do País existem e são concretas, mas a minha ideia ainda é permanecer aqui", conta.

"Não é só o vôlei que está vivendo uma situação complicada, mas o esporte no geral e até outras áreas por causa da pandemia. Acredito que teremos de nos adaptar a uma nova realidade, entender o cenário e ver quais vão ser as medidas a serem tomadas de precaução para que o esporte possa voltar com segurança. Não sei se normalmente, mas da melhor maneira possível e atrativo como sempre foi", completa William.

Após contrair o novo coronavírus e se recuperar, o jogador de vôlei de praia Álvaro Filho entrou nas campanha de doação de plasma sanguíneo para ajudar pesquisas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). A ideia surgiu depois de ver postagens em rede sociais de pessoas pedindo doação. E foi também por meio da internet que o atleta divulgou que está curado da covid-19 e passou a fazer parte da campanha.

O atleta está recuperado há mais de um mês. Ele começou a sentir os sintomas da doença, procurou o médico e realizou o exame, que deu positivo. Não precisou ser internado e teve a recuperação em casa, apenas com remédios para diminuir a febre.

##RECOMENDA##

"Comecei a ter febre, dor de garganta e moleza no corpo. Liguei para o meu médico e ele achou uma boa eu fazer o exame. Fiz e em cerca de 10 dias saiu o resultado positivo. O que mais me chamou a atenção foi a perda do olfato", afirmou o jogador, em entrevista ao Estadão.

Curado, Álvaro Filho decidiu ajudar nos estudos da UFPB. Ao ver postagens em redes sociais de familiares de parentes que pediam a doação de sangue, o atleta foi ao hemocentro de João Pessoa para se voluntariar. "Começaram a fazer campanhas e numa dessas eu vi que um familiar de um amigo estava precisando. Fui doar e foi assim que começou a ideia", disse.

Em João Pessoa, o atleta aproveita a quarentena para curtir a gestação da sua esposa Marcella. O primeiro filho do casal tem previsão para nascer em outubro. Além disso, Álvaro Filho tenta manter o condicionamento físico para estar apto a jogar quando as competições forem retomadas.

Ele concordou com o adiamento da Olimpíada de Tóquio-2020 para 2021. O atleta está garantido nos Jogos ao lado do medalhista de ouro Alison. "Achei que foi uma decisão acertada, pela situação da aglomeração e pela questão de justiça entre os atletas, com a mesma condição de preparação. Os atletas europeus voltaram a treinar há mais de um mês, e nós brasileiros ainda estamos aguardando a reabertura aos poucos", opinou.

Álvaro Filho forma dupla com Alison desde o primeiro semestre de 2019 e destacou o aprendizado que vem tendo ao lado do parceiro. Alison conquistou o ouro olímpico no Rio de Janeiro, em 2016, e ficou com a prata em Londres, em 2012. Já Álvaro buscará a sua primeira medalha olímpica em 2021.

"Me sinto um felizardo de jogar do lado de um campeão olímpico. Quando você conhece a pessoa, vê por que ele conquistou. Ele tem me ensinado muito não só dentro de quadra, como também em gestão de equipe e planejamento. Tenho aprendido muito, além de ele ser um parceiro muito fácil de lidar. Temos uma rotina de torneios muito intensa, então quando você se dá bem com o parceiro é meio caminho andando. E isso está acontecendo com nosso time. Fico feliz que estamos fazendo nossa história. Ele teve a história dele com o Emanuel e com o Bruno, e agora estamos fazendo a história do time Álvaro e Alison", exaltou.

O ano de 2020 começou com fortes emoções para o paraibano Álvaro Filho. O medalhista mundial, pan-americano e campeão mundial militar iria estrear nos Jogos Olímpicos. E logo ao lado do campeão dos Jogos Rio 2016, Alison Cerutti. Mas, em março, veio a pandemia de Covid-19 e tudo mudou. A Olimpíada foi adiada, e o atleta, contaminado.

Mas, depois de se curar, ele decidiu tirar algo bom dessa história. "Peguei o vírus há mais de um mês. E, agora, já recuperado, doei o plasma sanguíneo (parte líquida do sangue) para uma pesquisa aqui do Hemocentro de João Pessoa”, conta Álvaro. “A ideia surgiu nas redes sociais, quando vi muitos amigos pedindo ajuda. Acho que é nesse momento de dificuldades que as pessoas devem colaborar com o próximo e dar as mãos", comentou o atleta à Agência Brasil. Para orientar os interessados, o jogador publicou no seu perfil do Instagram os critérios para os interessados em participar dessa campanha.

##RECOMENDA##

[@#video#@]

Álvaro lembrou dos dias em que conviveu com o vírus. "Comecei com uma dor na garganta, que foi evoluindo. Tive dores no corpo, quatro dias de febre. Mas depois foi passando. Tive também perda do olfato, não sentia cheiro de nada. Mas em oito, 10 dias, estava curado da doença”, recorda. Antes do início da pandemia, ele estava treinando com o parceiro Alison em Vitória, no Espírito Santo. “Vim para João Pessoa para ficar com a família, já que a gente não ia poder treinar na praia. Não conseguiria manter a rotina de preparação. Já faz uns dois meses que estou aqui com a Marcella, minha esposa”. Ela está grávida de cinco meses e o primeiro filho do casal tem previsão de nascer em outubro.

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) criou um Fundo de Apoio para ajudar atletas de vôlei de quadra e vôlei de praia, impactados financeiramente em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Em nota oficial publicada ontem (26), a entidade explica que o auxílio será distribuído individualmente, com o objetivo de suprir as necessidades básicas de cada jogador ou jogadora, incluindo alimentação, cuidados familiares e moradia.

“A FIVB entende quanto tempo e dedicação cada jogador de vôlei e de vôlei de praia coloca em nosso esporte. Eles são o coração e a alma do voleibol, e sem eles nosso esporte não seria o sucesso global que é. Também entendemos perfeitamente que, para alguns, o adiamento ou cancelamento necessário dos eventos da FIVB terá um impacto significativo em suas vidas cotidianas. Portanto, é responsabilidade da FIVB continuar a apoiá-los de todas as formas possíveis, e é por isso que o fundo de Apoio aos Atletas foi criado”, explicou o brasileiro Ary Graça, presidente da FIVB, em nota veiculada no site da entidade. 

##RECOMENDA##

As inscrições foram abertas ontem (26) e  poderão ser realizadas no site da FIVB até 26 de junho. O candidato ao auxílio financeiro precisa preencher alguns requisitos, entre eles, não haver sofrido sanções em nível nacional e internacional, e ter cumprido as regras antidopagem. Todo o processo de avaliação e concessão da ajuda financeira será conduzido por uma comissão, composta por integrantes da FIVB.

O anúncio de Serginho da sua aposentadoria do vôlei, neste fim de semana, rendeu a ele uma série de homenagens, agradecimentos e reconhecimento da importância do agora ex-jogador para a modalidade, sendo visto como o maior libero da história do Brasil.

Serginho construiu a sua trajetória de duas décadas na seleção brasileira tendo o técnico Bernardinho como grande parceiro. Ele era um dos jogadores de confiança do treinador, que prestou sua homenagem ao jogador que dirigiu na conquista de duas medalhas de ouro olímpicas.

##RECOMENDA##

"A história de Serginho, o rapaz de Pirituba, que usou o esporte, o voleibol, como ferramenta de transformação de vida. A prova real de que é possível. Havendo oportunidades, com disciplina e muita determinação, é possível. Se transformou em um líder, inspirador, que pelo exemplo diário, guiava seus companheiros. E que com sua energia e fé inabalável não os deixou desistir. Líbero de função, símbolo maior do valor do time Um currículo único de títulos, 4 medalhas olímpicas, 2 ouros em Mundiais, 2 ouros em Copas do Mundo, 7 ouros em Ligas Mundiais, 1 ouro Pan-americano. Mas o troféu maior: ouro na vida! Filho, pai e amigo de ouro! Símbolo da força e do verdadeiro valor do esporte, transmissor de valores. Orgulho e gratidão. Do seu 'patrão'", escreveu o técnico em seu perfil no Instagram.

O levantador Bruninho também exaltou o ex-colega de seleção, o classificando como o maior nome da história do vôlei. "Você está se despedindo das quadras, mas o teu legado é o que você deixa para o mundo. É algo muito grande e bonito. Obrigado por ter me guiado sempre e me feito crescer como pessoa e jogador. Eu te amo demais meu irmão. Obrigado ao maior jogador de vôlei da história! Deus te abençoe nesse novo ciclo", publicou.

Lucarelli, campeão na Olimpíada do Rio ao lado de Serginho, exibiu sua admiração pelo colega, revelando que o libero é o seu maior ídolo do esporte. "Sérgio, Sérgio. Você sabe, minha família sabe, o mundo sabe, você é meu maior ídolo! Sendo simplesmente você, nos ensina a correr atrás dos nossos sonhos e lutar por eles, nos ensina que extrema competência e simplicidade podem andar lado a lado! Poucas pessoas sabem, mas em muitos momentos em 2016, pós lesão, foi você que me fez acreditar que seria possível, em momentos que até eu duvidava! Obrigado por tudo, pelos conselhos, pela honra de jogar ao teu lado, você é o maior da história! Te amo, irmão", disse.

A ex-jogadora Fabi, que atuava na mesma posição de Serginho, foi mais uma figura de peso do vôlei a definir Serginho como maior nome da história da modalidade. "Você me emociona desde a primeira vez que te vi jogar! Você me emociona em cada lance, cada defesa, cada passe magistral! Você me emociona com sua garra, seu amor por tudo que faz. Você me emociona e inspira em cada olhar para um companheiro ou pra bola, que também parecia ter uma relação diferente com o Serginho. Você me emociona quando diz que é só mais um, fazendo o que ama. Você me emociona com sua simplicidade e simpatia. Obrigada por me emocionar todo esse tempo", postou.

"Você é história, você é histórico, você é o maior que vi jogar. Um dia, vou poder dizer pra minha filha, conheci o cara bem de pertinho, vi ele treinar, jogar. Nos tornamos amigos! E pude estar presente, na sua última conquista olímpica! E para variar, você me emocionou demais naquele dia! Obrigada, te amo, da sua fã, Fabi", concluiu Fabi.

A oposta Natália reforçou as homenagens a Serginho. "Escada, hoje você se despede das quadras, mas seu legado e todos seus ensinamentos ficarão para sempre! Obrigada por ter sido exemplo, não só dentro das quatro linhas, mas um exemplo de vida! Sou grata por ter te visto jogar de perto! Parabéns por todas suas conquistas e pelo ser humano incrível que você é!! Que história, meu querido, que história! O voleibol, o esporte e todos nós sentiremos saudades de te ver em quadra! Todo sucesso do mundo nesse novo ciclo. Obrigada, Escada!, escreveu.

Serginho, de 44 anos, deixa o esporte tendo no currículo quatro medalhas olímpicas, sendo duas de ouro, conquistadas em 2004 e 2016, e duas pratas, em 2008 e 2012. E também foi campeão mundial em 2002 e 2006. Na última temporada, vinha defendendo o Vôlei Ribeirão (SP). Seu último jogo foi em 7 de março, a vitória por 3 sets a 2 sobre o Minas, em Belo Horizonte, pela Superliga Masculina, que foi encerrada precocemente e sem um campeão por causa do surto de coronavírus.

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) decidiu, nesta terça-feira, encerrar a temporada 2019/2020 do circuito brasileiro de vôlei de praia em virtude da pandemia da covid-19.

A decisão foi tomada em conjunto com a comissão de atletas, representada pelo campeão olímpico e presidente Emanuel Rego, pelo vice-presidente Harley Marques, e pelos membros Oscar Brandão e Josi Alves.

##RECOMENDA##

As duas etapas que seriam realizadas pela temporada 19/20 - Rio e Itapema (SC) - farão parte do calendário 2020/2021, que terá nove eventos Open e um SuperPraia. No naipe masculino, André Stein e George já haviam garantido o título por antecipação, na etapa de Aracaju.

No naipe feminino, Ana Patrícia e Rebecca, que lideravam o ranking com grande vantagem, foram declaradas campeãs. A parceria precisava apenas entrar em quadra na etapa que seria realizada no Rio para confirmar a conquista, mesmo com derrota.

"Acredito que tivemos a melhor decisão em virtude do momento atual, principalmente tendo em vista o quadro de indefinição pela pandemia da covid-19. Agora vamos trabalhar na elaboração do calendário 2020/2021, com a ajuda da comissão de atletas, aumentando o número de etapas da próxima temporada, com previsão de início em setembro", disse José Virgílio Pires, superintendente da CBV.

A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e os clubes participantes da Superliga Masculina se reuniram por videoconferência nesta segunda-feira e definiram, após votação, pela proposta apresentada pela entidade desde o primeiro momento: o final da temporada 2019/2020 em virtude da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Votaram pelo fim da competição os seguintes clubes: Vôlei Renata-SP, SEM Taubaté Funvic-SP, Pacaembu/Ribeirão Preto-SP, Vôlei UM Itapetininga-SP, Ponta Grossa Vôlei-PR, Denk Academy Maringá Vôlei-PR e Sesc RJ, além da Comissão de Atletas, representada pelo presidente Raphael Oliveira.

##RECOMENDA##

Outros cinco clubes preferiram a continuidade da Superliga, mas não foram atendidos. São eles: Sada Cruzeiro-MG, Fiat/Minas-MG, América Vôlei-MG, Apan Blumenau-SC e Sesi-SP.

"O cenário no esporte brasileiro é preocupante neste momento de pandemia. Temos que continuar trabalhando juntos no sentido de continuidade da nossa modalidade. O melhor a ser feito agora é encerrar todas as atividades e cuidar da saúde dos nossos atletas e de todos os envolvidos na competição. Ficamos satisfeitos que a maioria tenha pensado desta forma", disse Renato D´Avila, superintendente de competições de quadra da CBV.

Sem a definição de um campeão, a Superliga Masculina é encerrada faltando uma rodada para o final da fase de classificação - ela deveria ter sido jogada em 14 de março. Na tabela de classificação, após 21 rodadas, o Taubaté era o líder, seguido de perto pelo Sada Cruzeiro.

A Superliga Feminina já havia sido encerrada após a reunião realizada no dia 20 de março, com os 12 clubes participantes, da mesma forma através de uma votação. Na ocasião, foram sete votos a favor e apenas dois contra - apenas Itambé/Minas-MG e Sesi Vôlei Bauru-SP pediam a permanência da competição.

A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) decidiu nesta sexta-feira adiar as etapas do Circuito Mundial de vôlei de praia programadas para abril por causa da pandemia de coronavírus.

"Dadas as limitações atuais de viagens, a FIVB e os organizadores dos eventos concordaram que adiamentos e cancelamentos beneficiam a saúde dos participantes e também são a solução mais justa", escreveu a entidade em um comunicado.

##RECOMENDA##

Uma etapa de categoria uma estrela foi programada para o período de 6 a 9 de maio, na ilha de Tuan Chau, no Vietnã. Outra etapa, de quatro estrelas, foi para 6 a 10 de maio em Itapema-SC, no Brasil. No mesmo período será jogado a de três estrelas em Jurmala, na Letônia.

Já a de quatro estrelas em Ostrava, na República Checa, foi agendada para 20 e 24 de maio, em Ostrava (República Checa). A da mesma categoria, em Varsóvia, na Polônia, prevista para 27 a 31 de maio foi cancelada.

"A FIVB continuará trabalhando em estreita colaboração com os organizadores para encontrar as melhores datas alternativas", informou a entidade, que "monitora regularmente a evolução da situação na íntegra cooperação com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Comitê Olímpico Internacional (COI) e outras autoridades internacionais e nacionais de saúde."

A entidade também alertou ser "provável mais mudanças na programação do vôlei de praia", Por isso, está em contato com o COI para revisar o sistema de classificação "deste esporte" para a Olimpíada de Tóquio.

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) decidiu por votação nesta quinta-feira, após reunião por videoconferência com os 10 clubes participantes, que a Superliga Feminina está encerrada por conta da pandemia do novo coronavírus, denominado Covid-19. Ao todo, seis times e a Comissão de Atletas votaram pelo fim do campeonato, enquanto que dois votos pediam a permanência da competição - Flamengo e Pinheiros não opinaram sobre essa questão porque não estariam mais na disputa dos playoffs.

Com a decisão final, a temporada 2019/2020 está encerrada, sem campeão, respeitando a atual classificação. "Mais uma vez colocamos nossa opinião, pelo fim do campeonato visando o bem de todos os envolvidos, e demos direto de voto aos clubes. A maioria demonstrou pensar como a CBV e está decretado o fim desta temporada", afirmou Renato D’Avila, superintendente de Competições de Quadra da CBV.

##RECOMENDA##

Assim, a temporada termina desta forma: Dentil/Praia Clube (MG), Sesc RJ, Itambé/Minas (MG), Sesi Vôlei Bauru (SP), Osasco Audax São Cristóvão Saúde (SP), São Paulo/Barueri (SP), Fluminense (RJ), Curitiba (PR), Pinheiros (SP), Flamengo (RJ), Valinhos Vôlei (SP) e São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP).

A CBV, que conta com um comitê de crise composto por área técnica, médica e jurídica, entre outros, apresentou a proposta pela conclusão do campeonato, já que a preocupação da entidade com a saúde está acima de qualquer outra questão. Após a decisão, a entidade recomendou que todos os clubes liberem suas atletas de treinos e que as mesmas permaneçam em casa, seguindo as recomendações das autoridades da saúde.

Além do encerramento, foi decidido que a temporada 2020/2021 da competição não terá ranking e que o número limite de contratações de estrangeiras aumentou para três atletas. "Em relação à decisão pelo ranking e pelas estrangeiras, houve um equilíbrio maior na votação, mas também está tudo definido. Sentimos muito por ver a Superliga terminar dessa forma, mas sabemos que é absolutamente necessário", declarou Renato D´Avila.

A noite de quinta-feira (20) foi de derrotas para os jogadores do Sesc-RJ. Batidos dentro de quadra, no Rio, pelo Sada Cruzeiro por 3 sets a 1, em partida da Superliga Masculina, foram comunicados de algo bem pior: o time será extinto ao fim do torneio nacional. A equipe feminina, comandada por Bernardinho, seguirá em atividade.

"O Sesc-RJ comunica a conclusão do projeto do time masculino de vôlei após o término da Superliga 19-20. Ao desejar sorte aos jogadores e comissão técnica, a instituição agradece o empenho e dedicação de todos na defesa dos valores do Sesc-RJ, tanto dentro, como fora de quadra", afirma o comunicado divulgado pelo Sesc-RJ.

##RECOMENDA##

A equipe carioca será dissolvida, com a liberação de jogadores e membros da comissão técnica, mas há uma exceção. O técnico Giovane Gavio continuará vinculado à instituição, participando de projetos socioeducativos ao lado de alunos, assim como de palestras para seus pais.

"O técnico Giovane Gavio permanece no Sesc-RJ com o objetivo de dedicar esforços ao esporte de cunho socioeducativo. Na nova fase, ele participará ainda mais de vivências com os alunos de vôlei da instituição, ministrará palestras para pais e familiares das crianças sobre o esporte como fonte de educação e transformação social e, para os instrutores, o objetivo é alinhar tecnicamente a metodologia do ensino de vôlei com base nos valores educacionais do esporte. Haverá também a maior participação em capacitações, bate papos e vivências para alunos e professores de instituições parcerias do Sesc-RJ e escolas públicas", acrescentou o Sesc no seu comunicado.

O Sesc-RJ é o terceiro colocado na Superliga Masculina, com 38 pontos somados em 13 vitórias e cinco derrotas. É, inclusive, a mesma posição da equipe feminina. "O time de vôlei feminino será mantido e segue seu trabalho nas quadras e nas ações de estimulo à pratica esportiva", conclui a nota.

RESULTADOS - No dia de jogos da Superliga, além do triunfo cruzeirense, o Minas derrotou o Sesi-SP por 3 a 0, o América fez 3 a 2 no Blumenau, mesmo placar do triunfo do Ponta Grossa sobre o Maringá. E o Taubaté bateu o Vôlei Renata, de Campinas, por 3 a 1.

[@#video#@]

O coronavírus já matou 1.770 pessoas na China desde o seu surgimento. Por conta disso, a etapa do mundial da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), que aconteceria em Yangzhou dos dias 22 a 26 de abril, foi cancelada pela entidade. O anúncio aconteceu nesta segunda-feira (17). 

A nova data para o torneio deve ficar para depois dos Jogos Olímpicos de Tóquio. No comunicado a FIVB expressou sua solidariedade para a comunidade do voleibol: "Entendemos que a China está tomando todas as medidas necessárias para conter o surto, para que possa retomar seu lugar de direito no palco mundial do vôlei o mais rápido possível".

##RECOMENDA##

A decisão, segundo a FIVB, foi tomada em conjunto com a Associação Chinesa de Voleibol e com as autoridades chinesas: "A saúde e o bem-estar de nossos atletas, oficiais e torcedores é nossa prioridade número um e, por isso, foi mutuamente decidido que adiar o evento para uma data posterior seria do interesse de todos os envolvidos”.

Nesta semana a Agência Mundial Antidoping (Wada, sigla em inglês) decidiu banir a Rússia das principais competições esportivas pelos próximos quatro anos. O motivo seria uma suposta manipulação nos dados fornecidos pelo laboratório antidopagem de Moscou à Wada. Se a sanção for confirmada, os russos estariam fora de eventos como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, a Copa do Mundo de Futebol de 2022 e os Mundiais de Vôlei, também em 2022. A decisão ainda pode ser revista pela Corte Arbitral do Esporte, mas não deixa de ser mais um duro golpe na já manchada reputação do esporte russo.

Caso a punição seja de fato aplicada, os torneios olímpicos (vôlei de quadra e de praia) perderiam uma potência. Nas areias, vem da Rússia a atual dupla campeã mundial de vôlei de praia, Viacheslav Krasilnikov e Oleg Stoyanovskiy. Nas quadras os russos formam uma das mais tradicionais escolas da modalidade. No masculino, se contarmos o período da extinta União Soviética, são quatro medalhas de ouro olímpicas, a última delas já como Rússia, com uma virada inacreditável sobre o Brasil nos Jogos de Londres, em 2012. As mulheres também colecionam quatro medalhas douradas, todas conquistadas ainda na época da URSS.

##RECOMENDA##

A resolução emitida pela Wada abre a possibilidade para que atletas russos, que consigam provar que estão limpos de doping, possam participar de competições sob uma bandeira neutra. Ainda é cedo para dizer, mas é possível que tenhamos as equipes russas nos Jogos Olímpicos competindo com uniformes neutros, sem direito a hino nem a bandeira hasteada. A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) não se pronunciou sobre o caso.

A medida é extrema e polêmica. Barrar os russos da Olimpíada seria comprar uma briga com um dos principais mercados de vôlei no mundo. Pela tradição e força na história da modalidade, não creio que a FIVB vá bancar a exclusão, do torneio olímpico do Japão, de nomes como o da excepcional Nataliya Goncharova e do experiente levantador Sergey Grankin.

O talentoso, e problemático, Ngapeth

O francês Earvin Ngapeth é um dos grandes nomes do vôlei masculino na atualidade. Basta procurar no Youtube algum dos inúmeros vídeos que mostram suas jogadas inusitadas e habilidosas, além de uma personalidade irreverente e um tanto explosiva. Nos últimos anos o ponteiro ajudou na evolução da França, que se tornou um time com grande potencial (mesmo decepcionando em Jogos Olímpicos e em Mundiais). Pois o mesmo talento que Ngapeth exibe dentro das quadras, ele tem para se meter em encrencas. A última delas foi nesta semana aqui no Brasil.

Depois de participar do Mundial de Clubes de Vôlei, em Betim, defendendo o Zenit Kazan, da Rússia, o jogador francês foi parar atrás das grades. Ele estava em uma boate na noite de domingo e deu um tapa nas nádegas de uma mulher dentro do recinto. Imagens divulgadas pelo portal de notícias G1 mostram de forma clara a atitude lamentável do atleta. A mulher abusada prestou queixa e o jogador foi preso por importunação sexual. Na terça, ele pagou fiança de R$ 50 mil. Agora, vai responder ao processo em liberdade. Em nota divulgada por seu advogado, o jogador se disse profundamente arrependido, pediu desculpas à mulher assediada e disse que a confundiu com uma conhecida. Após ser solto, Ngapeth chegou à Bélgica a tempo de participar da estreia do Zenit Kazan na Champions League de vôlei na última quarta.

Este não foi o primeiro caso policial envolvendo o ponteiro. Em 2015 (ano em que a França foi campeã da extinta Liga Mundial), Ngapeth foi detido pela polícia francesa e posteriormente condenado a três meses de prisão ao ser acusado de bater no condutor de um trem. O jogador pagou multa e não precisou cumprir a pena. No mesmo ano, ele atropelou três pedestres em uma estrada de Modena, na Itália, e não parou para prestar socorro. Um ano antes, em 2014, Ngapeth já havia sido detido após brigar em uma boate. Isso sem contar os casos de indisciplina dentro da seleção francesa.

Ngapeth é um jogador experiente, extremamente talentoso e ainda pode ajudar a França a voltar a figurar no pódio das principais competições do mundo. Mas é preciso que se esforce para não ser mais lembrado nas páginas policiais do que nas esportivas.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando