Tecnologia

| Internet

O Google lançou nesta sexta-feira (17), um botão para você controlar as músicas que tocam no seu navegador. A empresa brincou com as ocasiões em que você tem muitas guias abertas e - de repente - percebe que há uma música ou vídeo tocando, mas não sabe de onde vem. O novo recurso presente no Chrome é justamente para poder controlar o que você escuta sem precisar mudar de aba.

A atualização foi acrescentada automaticamente ao navegador. Para usar o recurso basta clicar no ícone no canto superior direito do Chrome, onde fica a barra de endereço, abrir o novo hub de mídia e gerenciar o que está sendo reproduzido a partir daí. Ícones de reprodutores de áudio e vídeo ficam um abaixo do outro, com o que está rodando sendo o primeiro da lista.

##RECOMENDA##

Com as notificações de mídia em um único local fica mais fácil gerenciar cada reprodução de áudio e vídeo, sem precisar sair procurando diferentes guias. O botão já estava disponível em computadores Chromebooks desde agosto, e agora o hub de mídia no Chrome já funciona para Windows, Mac e Linux.

A empresa pretende aumentar a experiência de usuários criando suporte para chaves de hardware de mídia, facilitando o acesso à mídia, além da extensão e API Picture-in-Picture e API para ajudar a realizar multitarefas no navegador. Recentemente, o Google também lançou um novo recurso para proteger seus usuários com verificação da conta em duas etapas.

A prefeitura de Salvador anunciou, essa semana, a criação de um aplicativo para ajudar a população a solicitar serviços públicos. O Fala Salvador deve ser lançado em fevereiro e vai permitir que os usuários requisitem ações de manutenção da cidade como fechamento de buracos, melhorias na iluminação, podas de árvores, reparo de escadarias, limpeza e capinação, entre outros. 

O app, que será lançado em parceria com a Secretaria Municipal de Gestão (Semge), estará disponível tanto para Iphone quanto Android. De acordo com o ouvidor-geral da Prefeitura, Humberto Viana "O cidadão vai poder tirar fotos do problema e solicitar o serviço de manutenção. Ele poderá, por exemplo, tirar a foto de um buraco e pedir o reparo via celular, sem precisar ligar para o 156. Será tão fácil de usar quanto o CittaMobi, da Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), por exemplo", afirmou. 

##RECOMENDA##

Atualmente, o Fala Salvador, funciona através do telefone 156, atendendo cerca de três mil pessoas por dia. A ideia do aplicativo é agilizar o atendimento para que mais pessoas consigam registrar as necessidades de suas ruas.

As pessoas passaram 3 horas e 40 minutos, em média, utilizando aplicativos (também conhecidos como apps) em 2019. O índice é 35% maior do que em 2017. As informações são do principal relatório sobre o tema no mundo, da consultoria App Annie. A edição de 2020 foi divulgada nessa quarta-feira (15).

O Brasil ficou na terceira colocação no ranking dos países em termos de tempo gasto em apps, levemente acima da média, com 3 horas e 45 minutos.

##RECOMENDA##

O país foi superado pela China, onde as pessoas mexem com esses programas durante quase 4 horas, e a Indonésia, onde o tempo diário chegou a 4 horas e 40 minutos. Em seguida, vêm a Coreia do Sul (3h40) e Índia (3h30).

Na comparação entre 2019 e 2017, a China obteve a maior ampliação (60%), seguida pela Índia, o Canadá e a França (25%), a Indonésia (20%) e o Brasil, a Alemanha, Coreia do Sul, o Japão e Reino Unido (15%).

No recorte por idade, a chamada geração Z (nascida entre 1997 e 2012) passou 3 horas e 46 minutos por app por mês e teve 150 sessões por mês nos principais aplicativos.

O download anual de aplicativos cresceu 45% nos últimos três anos: saiu de 140 bilhões em 2016 para chegar a quase 204 bilhões em 2019.

No Brasil, esse aumento foi de 40%, atingindo cerca de 5 bi no ano passado. Entre as nações, o maior aumento no período foi da Índia: 190%.

Tipos

Os apps de finanças foram acessados 1 trilhão de vezes em 2019, um crescimento de 100% na comparação com 2017. O Brasil também ficou em terceiro no ranking desse tipo de programa, atrás apenas da Índia e da China.

Mas enquanto alguns países já têm a maioria de acessos em carteiras virtuais (China e Coreia do Sul), no Brasil e em outros (como Indonésia, França e Alemanha) as transações digitais são realizadas em sua maioria por apps de bancos. Os apps mais baixados nessa categoria foram Nubank, FGTS, Picpay, Caixa e Mercadopago.

O Brasil seguiu na terceira colocação também no ranking do crescimento em tempo gasto em apps de compras, atrás da Índia e Indonésia.

Entre 2018 e 2019, os brasileiros ampliaram em 32% a sua presença nesse tipo de ferramenta. Os apps mais baixados com essa finalidade foram Mercadolivre, Americanas, Magazine Luiza, AliExpress e Wish.

A colocação foi mantida também no caso dos apps de entrega de comida. O número de sessões nesse tipo de ferramenta entre os usuários daqui foi de 8 bilhões, ficando atrás dos Estados Unidos (10 bi) e da Indonésia (20 bi).

Nas aplicações voltadas ao entretenimento, o Brasil ficou em 7º lugar no ranking de crescimento entre 2018 e 2019, ainda assim com um índice de 32%.

Entre os locais onde o uso desse tipo de app foi maior estão Índia (78%), França (60%) e Japão (58%). Os mais baixados dessa modalidade foram Netflix, Youtube Go, Amazon PrimeVideo, Globoplay e Viki.

Entre as redes sociais, o estudo não divulgou ranking mundial, mas registrou a força do app chinês Tik Tok. A lista de mais baixados no Brasil é formada por Whatsapp, Status Saver, Snapchat, Telegram e Hago.

Investimentos

Já os gastos com aplicativos aumentaram 110%, passando de US$ 55 bilhões para US$ 120 bilhões no mesmo período. Os jogos são responsáveis por 72% do faturamento. A China aumentou 190% nos últimos três anos, chegando a acumular 40% do mercado mundial.

Em 2019, foram gastos US$ 190 bilhões em publicidade em dispositivos móveis. Neste ano, a projeção da consultoria é de que essa movimentação chegue a US$ 240 bilhões.

Internet das Coisas

O documento destaca o papel dos apps no ambiente interconectado que vem sendo chamado de Internet das Coisas. Nos Estados Unidos, os apps mais baixados para esse tipo ecossistema foram os assistentes Alexa e Google Home, o agregador de serviços audiovisuais Roku, o sistema de videogame Xbox, o sistema de segurança doméstica Ring e o aplicativo vinculado a um relógio conectado Fitbit.

Se você é um usuário do Twitter sabe que, na rede social, 'falou tá falado'. A plataforma não permite a edição de nada que seja publicado em seu domínio e - se você errou uma palavra que seja, tem que apagar o tuíte ou aprender a conviver com seus erros virtuais. Porém, apesar de ter sido sempre assim, muitos usuários não se cansam de pedir a inserção do botão “editar”, na plataforma. 

Depois de tanto ser questionado se estaria cogitando colocar o recurso nas próximas atualizações, o CEO do Twitter, Jack Dorsey, disse em um vídeo feito para o site Wired: “A resposta é não”. Dorsey explica um pouco da decisão tomada pelos desenvolvedores, que tem muito a ver com a sua criação, mas também com a proporção tomada pelo Twitter nos dias atuais. "A razão de não ter um botão de editar original é que nós começamos como um serviço de SMS. Então, quando você envia uma mensagem, você não tem como voltar atrás e nós queremos preservar essa sensação", disse o CEO durante o vídeo. 

##RECOMENDA##

Jack também aproveita para dar um exemplo prático do que aconteceria se fosse permitido editar o conteúdo. "Imagine que você envia um tuíte e alguém retuita. Uma hora depois você muda completamente o conteúdo daquela postagem e a pessoa que retuitou o tuíte original agora terá compartilhado algo que não tem nada a ver com o que ela queria ver", explica. 

Para ele existem boas razões para editar tuítes, como corrigir erros de digitação e links quebrados, mas também aplicativos maliciosos, como editar conteúdo para enganar as pessoas. E até que tudo isso seja seguro, a resposta é não.

O Google está - aos poucos - atualizando o visual da sua página de resultados para buscas feita pelo desktop. Agora, nas pesquisas feitas com a ferramenta, as notícias mais relevantes sobre o assunto aparecem no topo, seguida pelo logotipo dos sites, com seu endereço ou domínio. Antes, eles ficavam na parte inferior de cada item listado, abaixo dos links patrocinados, que passam a ser sinalizados com a palavra “Anúncio” em negrito.

As alterações devem fazer com que o usuário identifique as informações fornecidas pela plataforma de forma mais rápida e clara. Ao fazer uma pergunta para o buscador, as respostas também passam a ficar mais evidentes. O nome e o ícone do site contendo a informação aparece no alto do cartão de resultados, assim como a resposta dada ao questionamento, que consta no site. 

##RECOMENDA##

Se você procurar por produtos ou serviços a busca fica ainda mais direta, com os anúncios destacados, endereços de onde conseguir o serviço desejado, sites sobre o assunto e perguntas feitas por outros usuários sobre o tema - tudo isso na primeira página de exibição. Ano passado, a empresa atualizou a versão mobile do buscador trazendo também melhorias na área de busca, para melhorar a experiência do usuário na plataforma.

Os aplicativos de relacionamento Tinder e Grindr vendem dados pessoais de seus usuários a empresas terceirizadas, incluindo sua orientação sexual, no caso do Grindr, em violação à normativa europeia, denunciou nesta terça-feira (14) um organismo norueguês.

O Conselho de Consumidores da Noruega assegurou que o Grindr, destinado especificamente ao grupo LGBT, compartilha dados de GPS, direção IP, idade e sexo de seus usuários com mútliplas empresas para melhorar a eficiência dos anúncios publicitários.

##RECOMENDA##

Ao compartilhar esses dados, se pode deduzir a orientação sexual dos usuários, acrescentou.

Segundo o relatório "Out of control" (fora de controle) escrito pelo Conselho de Consumidores norueguês sobre coleta e uso de dados pessoais por parte de dez aplicativos, "a indústria publicitária está infringindo sistematicamente a lei".

"Cada vez que você abre um app como Grindr, as empresas publicitárias sabem sua localização GPS, os identificadores utilizados para iniciar sessão no dispositivo e até se você usa um aplicativo de relacionamento gay", denunciou o ativista austriaco Max Schrems.

"É uma violação descarada dos direitos europeus de privacidade dos usuários", lamentou o Conselho de Consumidores, um organismo independente que beneficia de fundos públicos.

O relatório também envolve o Tinder, acusado de compartilhar dados de seus usuários com pelo menos 45 empresas de seu proprietário, o Grupo Match.

Segundo o Conselho de Consumidores norueguês, essas práticas podem levar a casos de discriminação, manipulação ou exploração.

O Grindr, controlado pela empresa chinesa Beijing Kunlun, foi procurado pela AFP mas não quis comentar a denúncia.

A Unesco lançou, essa semana, uma campanha inusitada contra o preconceito de gênero e o assédio sexual às Inteligências Artificiais (AIs). Apesar de soar estranho e incômodo em um primeiro momento, a instituição a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, conseguiu, através de um estudo chamado “I’d Blush If I Could” (Eu ficaria corada se pudesse, em tradução livre), identificar que as assistentes virtuais - criadas em sua maioria com voz feminina - não apenas sofrem assédios de usuários masculinos, como também reagem passivamente quando verbalmente assediadas.

“Hey, Atualize Minha Voz”

##RECOMENDA##

Magalu, Siri, Alexa, Nat, Bixby, a Google Assistente. O que todas elas carregam em comum, além do fato que estão cada vez mais presentes em nossas vidas, é a voz padrão do gênero feminino. Todas são mulheres. Porém, isso não deveria ser motivo para os resultados descobertos no estudo da Unesco. A organização constatou que, como essas assistentes são programadas basicamente por homens, que representam 90% da força de trabalho na criação de IA, elas aprendem que, quando são verbalmente assediadas, suas respostas devem ser tolerantes, subservientes e passivas.

A campanha, chamada de “Hey, Atualize Minha Voz” apresenta também dados de outros estudos que corroboram com o cenário de assédio tanto no mundo virtual, quanto fora dele. De acordo com a Kering Foundation, 73% das mulheres no mundo já sofreram algum assédio online, 55% delas relatam ter passado por estresse, ansiedade ou ataques de pânico após sofrer esses abusos ou assédios em ambiente virtual. Essa realidade parece reflexo do que já é enfrentado por mulheres fora das redes, em que 97% das mulheres brasileiras, por exemplo, afirmam já terem sofrido assédio em transportes públicos ou privados.

E se você ainda duvida que as pessoas estão realmente assediando Assistentes Virtuais, basta lembrar do caso da Magalu, a Assistente Virtual do Magazine Luiza. A “personagem” da loja de varejo chegou a reclamar de cantadas desrespeitosas no Twitter e Instagram, após um post do BuzzFeed denunciar o assédio sofrido pelo avatar.

[@#video#@]

Não está Ok, Google, mas pode ficar

O intuito da campanha vai muito além de tornar as assistentes mais empoderadas, mas também busca educar o usuário e as gerações futuras contra esse tipo de atitude. Para isso ele apela tanto para as empresas desenvolvedoras atualizarem as vozes de suas assistentes, quanto para os próprios usuários, que podem enviar respostas que as assistentes virtuais poderiam dar caso em casos de assédios. 

É possível fazer isso fazendo login com a conta do Google ou do Facebook. A instituição espera que, com a mudança, as assistentes tenham voz ativa, para dar respostas sérias e educativas quando sofrerem qualquer tipo de assédio.

[@#galeria#@]

Uma usuária do Twitter perguntou na última segunda-feira (13) qual bandeira brasileira era a favorita de seus seguidores. “Sem bairrismo, qual a mais bonita?” dizia a postagem, com imagens das opções. Não demorou para que diversos internautas comentassem sobre a beleza da bandeira pernambucana, apontando-a como a mais bonita entre as outras. Foram tantos comentários que o nome “Pernambuco” acabou chegando aos assuntos mais comentados da rede social, nesta terça (14).

Atualmente, a bandeira - adotada em 1917 - tem entre seus significados a cor azul simbolizando a grandeza do céu pernambucano, a cor branca para a paz, o arco-íris, sendo a união de todos os nascidos no estado, a estrela marcando o Pernambuco na Federação, o Sol sendo a força e a energia dos pernambucanos e, finalmente, a cruz representando a fé na justiça e no entendimento.

##RECOMENDA##

[@#video#@]

A partir desta terça-feira (14), usuários do sistema operacional Windows 7, podem dar adeus ao suporte oferecido pela Microsoft. Há um ano, a empresa anunciou que 2020 estaria encerrando a assistência técnica e as atualizações de software do Windows Update. A intenção é fazer com que os usuários migrem para o Windows 10.

Mas isso não quer dizer que seu computador vai parar de funcionar. Só que seu aparelho não estará seguro contra vírus e riscos de segurança. "O computador continuará sendo inicializado e executado, mas não receberá mais atualizações de software, incluindo atualizações de segurança, da Microsoft", afirma comunicado da empresa. 

##RECOMENDA##

Além disso, determinados jogos, como Gamão na Internet e Damas na Internet e o Guia Eletrônico de Programação para o Windows Media Center, estão agendados para serem descontinuados em janeiro de 2020. Infelizmente adquirir a versão mais moderna do Windows não é tão fácil.

O que pode ser feito?

A oferta de upgrade gratuito para o Windows 10 encerrou dia 29 de julho de 2016, então para obter o Windows 10 é preciso comprar um novo computador (se o seu for mais antigo) ou, se tiver um computador compatível, adquirir uma versão completa do software para fazer upgrade de seu dispositivo atual. “Recomendamos que você não instale o Windows 10 em um dispositivo mais antigo, pois alguns dispositivos Windows 7 não são compatíveis com o Windows 10 ou podem ter a disponibilidade de recursos reduzida”, alerta a Microsoft.

O suporte ao Internet Explorer do Windows 7 também será descontinuado em 14 de janeiro de 2020. Como um componente do sistema, o Internet Explorer segue o ciclo de vida de suporte do sistema operacional no qual ele está instalado.

As notícias mais pesquisadas no mundo no principal buscador em 2019 reuniram desde esportes como a Copa América (primeiro lugar), a igreja francesa de Notre Dame, em segundo lugar, que ficou em evidência após incêndio no começo do ano, e a Copa do Mundo de Cricket, esporte muito comum na Índia, país com mais de 1 bilhão de habitantes.

O Furacão Dorian, que atingiu as Bahamas em setembro e seguiu para os Estados Unidos, ficou em quarto lugar nas buscas de notícias disponibilizada pelo Google Trends, a ferramenta do buscador que indica o que tem sido mais pesquisado pelos usuários de acordo com a localização em um determinado período. Em quinto lugar o destaque foi a Copa do Mundo de Rugby.

##RECOMENDA##

Dentre os assuntos mais procurados apareceram, em primeiro lugar, Índia X África do Sul, seguida do ator americano Cameron Boyce (que morreu em julho de 2019), Copa América, Bangladesh X Índia e o celular iPhone 11. Todas as principais buscas realizadas em 2019 podem ser conferidas no link.

Copa América, tabela do Brasileirão, Gugu Liberato, vagas de emprego e Gabriel Diniz. O que os cinco temas tão diferentes tem em comum? Foram os principais assuntos buscados no Google no Brasil em 2019. A análise foi disponibilizada pelo Google Trends, a ferramenta do buscador que indica o que tem sido mais pesquisado pelos usuários de acordo com a localização em um determinado período.

Dentre as perguntas mais buscadas em 2019 em primeiro lugar ficou o WhatsApp, ou o motivo da rede de mensagens instantâneas ter parado de funcionar (Por que o WhatsApp parou de funcionar hoje?). A segunda pergunta foi um tanto curiosa “Por que são 21 tiros de canhão?”, que trata da homenagem que marca o início dos trabalhos do Legislativo. Na sequência, vieram as perguntas “Por que o Japão está na Copa América?” (a seleção asiática foi convidada pela federação sulamericana), um questionamento musical “Por que Carlinhos Brown saiu do The Voice?” (segundo a emissora em que o programa é exibido, a saída é normal e faz parte do “revezamento de técnicos”). Em último lugar, a pergunta foi de cunho religioso “Por que não comer carne na Sexta-Feira Santa?” (segundo a fé católica é um sacrifício que deve ser feito na quaresma).

##RECOMENDA##

Dentre os acontecimentos mais pesquisados no Brasil no último ano o futebol apareceu no topo com a Copa América em primeiro lugar seguida da Copa do Mundo de Futebol Feminino e Libertadores. Brumadinho ficou em quarto lugar e em quinto o Dia dos Professores. Para ver o que esteve em alta em 2019 no Brasil confira o link.

Nesta quarta-feira (8), Jair Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo nas suas redes sociais para comentar o conflito entre Irã e Estados Unidos. O vídeo começou mostrando o presidente assistindo ao discurso de Donald Trump na televisão. Rapidamente, a imagem se espalhou pela internet e rendeu várias montagens e memes. Confira alguns.

[@#galeria#@]

##RECOMENDA##

Desde o ano passado, o Google vem apresentando uma série de novidades em relação ao seu assistente virtual. Inclusão de idiomas, possibilidade de realizar mais de uma pergunta dizendo “Ok, Google” apenas uma vez, enviar e-mail de forma mais ágil, entre outras coisas, já deixaram a ferramenta da companhia alguns passos à frente de suas 'rivais' como Alexa e Siri.

Para aumentar ainda mais a distância entre as assistentes, o Google aproveitou a Consumer Electronics Show (CES) 2020, que acontece durante esta semana, para anunciar atualizações que vão deixar seu assistente mais funcional. Se você é um usuário Android, ele dificilmente ficará fora da sua rotina dada as inúmeras possibilidades de uso - a não ser que, realmente, tecnologia usada para facilitar tarefas diárias não seja muito a sua praia.

##RECOMENDA##

Maior controle dos dispositivos inteligentes

A primeira mudança atinge, principalmente, quem possui dispositivos inteligentes como eletrodomésticos programáveis, luzes e repetidores wireless, por exemplo. Com um novo recurso chamado Ações Agendadas, que será lançado ainda este ano, o usuário poderá solicitar ao Assistente para ativar e desativar ou iniciar e parar um dispositivo inteligente compatível no momento da sua escolha. Por exemplo, você pode dizer: "Ok, Google, ligue a cafeteira às 6h da manhã", se sua cafeteira for digital e, às 6h30, é possível que você acorde com o café pronto.

 Para funcionar é preciso ter o aplicativo Google Home, que conecta seu smartphone com os dispositivos inteligentes que você possuir e que forem compatíveis com o sistema Android.É possível controlar mais de 20 novos aparelhos, incluindo, purificadores de ar, banheiras, cafeteiras, aspiradores e muito mais. 

Entra na minha casa, entra na minha vida

Unido com a linha Nest Hub, o Assistente Google pode também telefonar para pessoas usando o wi-fi e os alto falantes que você tiver espalhados pela casa, usando números salvos na discagem rápida. O tablet que conecta os aparelhos (e ainda exibe as fotos da família) passa a ter um bloco de anotações digital (como post-its) que funcionam como lembretes no Nest. Ambos os recursos serão lançados ainda este ano.

Quase um peixe-babel

Mas a grande cereja do bolo quando falamos no assistente é a possibilidade de tradução. No começo de dezembro, o Google anunciou que o assistente seria seu principal tradutor na hora de viajar. E é nesse ponto que suas funções parecem expandir. "Diferentemente dos leitores de tela tradicionais, essa experiência é construída em novos conjuntos de dados de voz para criar vozes com sons mais expressivos e mais naturais, por isso é mais fácil ouvir por um longo período de tempo".

O Assistente deve traduzir não apenas uma frase ou expressão, mas textos inteiros.  No smartphone, basta dizer "Ok, Google, leia-o" ou "Ok, Google, leia esta página" quando estiver visualizando um artigo e o aparelho fará a leitura completa, traduzia para 42 idiomas, como hindi, alemão ou espanhol.

[@#video#@]

No modo intérprete, um recurso de tradução em tempo real para telefones, Smart Display ou alto-falante inteligente, será possível conversar entre diferentes pessoas, mesmo que elas não falem o mesmo idioma. Empresas de todo o mundo podem trazer o modo de intérprete através dos parceiros Volara e SONIFI. Uma dessas companhias parceiras da gigante da internet é a América Airlines - companhia aérea norte-americana - que começou a testar o recurso nos saguões do Aeroporto Internacional de Los Angeles.

O Google espera que, como parte dessa nova solução, hotéis, aeroportos, estádios esportivos, organizações que auxiliam nos esforços humanitários e muitos outros estabelecimentos que recebem estrangeiros possam usufruir do recurso.

Privacidade parte 1

Por último e não menos importante o Google tenta acalmar aqueles usuários mais preocupados com conversas que estejam sendo ouvidas pela empresa. A companhia deixa claro que o Assistente não envia o que você está dizendo ao Google ou a qualquer outra pessoa, além de não reter gravações de áudio privadas e deixa à escolha do usuário se poderá ou não receber áudios para futuras melhorias de seu assistente. 

Qualquer dúvida pode ser tirada com o próprio Assistente, que responde perguntas como “Como você mantém minhas informações privadas?”. Se isso não for suficiente o usuário pode, apenas com sua voz, excluir a atividade do Assistente da sua Conta do Google dizendo coisas como "Ok, Google, exclua tudo o que eu disse esta semana".

Tirando o Google de trás da porta

Na CES, a empresa também anunciou duas novas ações de voz referentes à privacidade do usuário. Sabe quando você está conversando e o Assistente capta, “sem querer”, uma parte de alguma frase sua e responde? Agora você vai poder dizer "Ok, Google, isso não era para você", e o dispositivo vai esquecer o que ouviu. Também é possível perguntar "Ok, Google, você está salvando meus dados de áudio?", para saber mais sobre seus controles de privacidade e ir diretamente para a tela de configurações para alterar suas preferências.

O Google Assistente já está disponível em mais de 1 bilhão de dispositivos. Em breve o recurso chegará em novos displays inteligentes, alto-falantes, fones de ouvido e barras de som da Acer, Aftershokz, Anker Innovations, Belkin, Cleer, Harman Kardon, Konka, JBL, Lenovo, Philips, Seiki, LG, além de televisões smart e carros selecionados. No fim, você poderá até dizer “Ok, Google, cheguei ao fim dessa matéria” e a gente se vê em uma próxima oportunidade.

O painel da Sony na CES 2020, na última segunda-feira (6), era - sem dúvida - um dos mais esperados entre o público gamer. O motivo? A possibilidade de ter um vislumbre (ou quem sabe o visual completo) do PlayStation 5, novo console da empresa, que deve adentrar no mercado americano nos feriados de fim de ano. Porém, apesar da expectativa alta, a empresa apenas divulgou alguns números a respeito das vendas do console e o design da logo que irá estampar o videogame - praticamente igual a da versão anterior. 

A mudança, que consistiu apenas no número do console trocado foi uma grande decepção para quem esperava alguma notícia extra sobre o console. A internet não perdoou e usuários do mundo todo começaram a fazer piada com o suspense feito pela empresa para apresentar a “nova”  logo.

##RECOMENDA##

[@#video#@]

Entre os dados divulgados pela Sony, durante a apresentação, estão as vendas do PS4- que ultrapassaram as do primeiro PlayStation - com 106 milhões de consoles vendidos até o momento, ficando atrás apenas do PS2. Além disso, algumas especificações de hardware também foram divulgadas, mas nada que trouxesse grandes anúncios. 

O Facebook proibirá os chamados vídeos "deepfake" em função das eleições presidenciais deste ano nos Estados Unidos, mas sua nova política ainda permitirá a publicação de vídeos sofisticadamente editados sempre que se tratar de uma paródia ou uma sátira, informou nesta terça-feira (7) a rede social.

Os "deepfake" são vídeos hiperrealistas manipulados através de inteligência artificial ou programas especialmente projetados para falsificar movimentos humanos reais de uma maneira muito convincentes.

##RECOMENDA##

Em uma postagem no blog que se seguiu ao relatório do Washington Post sobre o assunto, o Facebook disse que começará a remover clipes que foram editados de maneira que "não são óbvias para uma pessoa comum" e que podem causar confusão.

O material será removido se for "um produto de inteligência artificial ou de máquina que se sobreponha ou substitua o conteúdo de um vídeo, fazendo com que pareça autêntico", diz o texto da vice-presidente do Facebook, Monika Bickert.

No entanto, ela acrescenta: "Esta política não se estende ao conteúdo que é paródia ou sátira, ou vídeos que foram simplesmente editados para omitir ou modificar a ordem das palavras".

A mídia americana enfatizou que a nova política não incluirá vídeos como o que se tornou viral em 2019 - que não foi "deepfake" - da líder da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, que fez parecer que ela tinha problemas de pronúncia.

O Facebook não indicou o número de pessoas dedicadas a identificar e baixar os vídeos ofensivos, mas disse que aqueles que não cumprirem com suas políticas usuais serão removidos e os denunciados continuarão sendo revisados por equipes de verificadores externos, incluindo os da AFP.

A AFP trabalha em mais de 30 países e em dez idiomas no programa "Third Party Fact-Checker (Verificação de fatos de terceiros, em tradução livre) desenvolvido pelo Facebook.

Dentro deste programa, lançado em dezembro de 2016, o Facebook paga a cerca de 60 mídias em todo o mundo por informações gerais ou especializadas para usar suas verificações de fatos em sua plataforma e no Instagram.

Se um desses meios de comunicação detectar que as informações são falsas ou enganosas, os usuários do Facebook e Instagram têm menos probabilidade de vê-las entre as notícias atuais. E se alguém tentar compartilhar essas informações, a plataforma propõe que leia o artigo com a verificação correspondente. 

O Facebook não exclui nenhuma postagem. Os meios de comunicação participantes têm total liberdade na escolha e tratamento dos temas cuja veracidade desejam verificar.

O Telegram anunciou novas atualizações para 2020 e parece ter empolgado os internautas. O aplicativo de mensagens chegou aos trends topics do Twitter com usuários da plataforma exaltando seus recursos e comparando-o com o WhatsApp. Entre as novidades anunciadas pelo mensageiro estão a possibilidade de programar mensagens, selecionar apenas uma frase de textos já enviado e muito mais. Confira:

- Editor de temas avançado e temas com gradientes de cor e texturas para você criar seu próprio plano de fundo;

##RECOMENDA##

- Agendamento de mensagens quando o destinatário ficar online (só funciona se você puder ver o status online dele). É possível escolher o dia e horário que o texto ou figurinha será enviado e até fazer uma contagem regressiva para o envio;

- Escolha lugares com mais facilidade ao compartilhar a sua localização, clicando diretamente no estabelecimento que aparece no mapa para enviar;

- Ative e desative o Modo Noturno diretamente do menu lateral;

- Tenha mapas escuros bem polidos ao ver localizações no Modo Escuro;

- Exibir resultados da pesquisa como uma lista. Basta tocar na barra inferior que mudará para a exibição em lista, caso você queira ver todos os resultados em uma página. No iOS, você também pode selecionar várias mensagens sem sair do modo de pesquisa, recurso já disponível para usuários Android;

- Escolher a qualidade dos vídeos de modo mais intuitivo ao enviá-los.

- Novas animações ao pular entre mensagens no chat, abrir a busca global ou desocultar o Arquivo;

- Expandir a foto de perfil;

-  Selecionar parte de um texto em qualquer mensagem para copiar, compartilhar, etc.

- Desativar o Levantar para Falar para não gravar mais uma resposta ao ouvir mensagens de voz no modo de telefone.

Atire a primeira pedra quem não teve, em 2019, um textinho pronto de “Feliz Ano Novo” para enviar nos grupos de amigos, família e trabalho. Seja em uma frase simples ou um texto mais elaborado, a verdade é que a tecnologia permitiu que pudéssemos enviar nossos votos durante o Réveillon tanto para pessoas especiais, quanto para outras nem tão especiais assim. A prova disso são as mais de 100 bilhões de mensagens privadas que foram enviadas em todo o mundo, via WhatsApp, durante a véspera do Ano Novo.

##RECOMENDA##

Em um comunicado à imprensa, o mensageiro de Mark Zuckerberg divulgou que, durante as 24 horas que antecederam a meia-noite, ou seja, na véspera de ano novo, mais de 100 bilhões de mensagens privadas foram enviadas, desejando um feliz 2020. Somente na Índia, os usuários enviaram mais de 20 bilhões de mensagens no dia 31 de dezembro.

Outros números também surpreendem. Cerca de 12 bilhões das 100 bilhões de mensagens compartilhadas na plataforma eram multimídia. Além disso, o volume recorde é o maior número de mensagens trocadas em um único dia desde que o mensageiro iniciou seus serviços há dez anos. No Brasil, foram enviadas pelos usuários mais de 13 bilhões de mensagens no dia 31 de dezembro.

O WhatsApp também aproveitou para divulgar os serviços mais utilizados pelos seus usuários na plataforma, que incluem a troca de mensagens de texto em primeiro lugar, seguida pelo status, mensagens com imagens, chamadas e mensagens de voz.

[@#video#@]

 

Facebook, Netflix e Subway Surfers foram os aplicativos móveis líderes da década de 2010, segundo a empresa americana de análises do mercado móvel App Annie.

Segundo rankings publicados na segunda-feira, a gigante californiana Facebook dominou os downloads em nível mundial com quatro aplicativos: a plataforma principal Facebook, Facebook Messenger, WhatsApp e Instagram, estas duas últimas compradas em 2014 e 2012, respectivamente.

##RECOMENDA##

As redes sociais americanas dominam a lista, com Snapchat em quinto lugar, depois do Skype, serviço de chamadas pela Internet da Microsoft, e YouTube e Twitter, em nono e décimo lugares.

Dois aplicativos chineses também aparecem no 'Top 10' dos mais baixados da década: TikTok, o favorito entre os jovens, e o UC Browser, navegador do Alibaba.

A lista dos aplicativos de pagamento mais usados nos anos 2010 é liderado pela Netflix e outros dois americanos: o aplicativo de relacionamentos Tinder e Pandora Music. Nesta categoria aparecem também o chinês Tencent Video, o japonês Line (de mensagens instantâneas e chamadas de voz e vídeo) e o sueco de música Spotify.

Entre os jogos de maior sucesso, a vedete foi o dinamarquês Subway Surfers (devido à sua adoção na Índia, segundo a App Annie), seguido dos americanos Candy Crush Saga e Temple Run 2, que lideraram os downloads da década. O finlandês Clash of Clans aparece em quinto.

Mas entre os dez jogos mais baixados, só Clash of Clans e Candy Crush Saga também aparecem no 'Top 10' dos jogos para plataformas móveis de maior sucesso na década, segundo gastos dos consumidores.

A App Annie considerou 2019 "um ano histórico" para os dispositivos móveis, com crescimento dos aplicativos de vídeos curtos, como TikTok, e os jogos online Fun Race 3D e Call of Duty: Mobile.

O aplicativo de criação e uso compartilhado de vídeos Likee, em alta desde seu lançamento em 2017, destacou-se em 2019 por seu número de downloads.

Em agosto, o Likee tinha quase 81 milhões de usuários mensais, um crescimento de 374% em um ano, segundo resultados financeiros da YY, empresa chinesa proprietária do aplicativo, particularmente popular na Índia e no sudeste asiático.

O Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP) decidiu multar o Facebook em R$ 6,6 milhões por compartilhamento indevido de dados de usuários cadastrados na rede social. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira, 30.

A multa, aplicada pelo Departamento de proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão do MJSP, acontece após investigação que identificou "prática abusiva" por parte da empresa de tecnologia, que teria deixado vulneráveis dados de 443 mil usuários.

##RECOMENDA##

Segundo nota publicada no site da pasta, "o caso começou a ser investigado após notícia veiculada pela mídia, em 4 de abril de 2018, informando que os usuários do Facebook, no País, poderiam ter sofrido com o uso indevido de dados pela consultoria de marketing político Cambridge Analytica", que ganhou notoriedade global por ter trabalhado na campanha presidencial de Donald Trump, nos Estados Unidos, e também para a campanha do Brexit, como é conhecido o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Pelo Twitter, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, destacou a decisão do ministério e afirmou que "as redes revolucionaram a forma pela qual nos comunicamos e expressamos, mas há questões sobre privacidade a serem consideradas". O Facebook tem dez dias para recorrer da decisão.

Um aplicativo gratuito está melhorando a vida de milhares de deficientes visuais que utilizam computadores e outros dispositivos tecnológicos, como smartphones e tablets. Produzido pela empresa F123 Consultoria, um sintetizador de voz, batizado de Letícia, reproduz uma voz feminina em português e pode ser usado em praticamente todos os tipos de leitores de tela e sistemas operacionais de tecnologia assistiva.

Para fazer uso de um computador, o deficiente visual utiliza o chamado leitor de tela, um programa que converte o texto exibido em tela em um discurso sintetizado em voz, permitindo que o usuário navegue na internet ou use qualquer software ouvindo o que está escrito no monitor e usando comandos no teclado para executar qualquer tipo de operação. Cada leitor de tela possui um sintetizador de voz associado, e é justamente essa nova opção de voz que foi criada pela F123. O projeto foi um dos primeiros, no Brasil, a serem patrocinados pela Expo Dubai 2020, evento que reunirá milhões de pessoas no ano que vem para celebrar conquistas humanas, sob o tema “Conectando Mentes, Criando o Futuro”.

##RECOMENDA##

"A gente queria uma voz que fosse de boa qualidade, que não fosse muito robótica, como são as principais vozes disponíveis em português, e que funcionasse em diferentes plataformas, já que a maioria funciona apenas no sistema Windows ou apenas no [sistema operacional] Android e por aí vai. A nossa voz pode ser disponibilizada em várias plataformas e sistemas operacionais, como Windows, Linux e Android", explica Fernando Botelho, fundador da F123 e um dos criadores da voz Letícia.

Botelho é deficiente visual e fundou a F123, há 12 anos, com o objetivo de desenvolver tecnologias que ajudem a dar mais competitividade às pessoas cegas, nas mais diversas áreas de atuação. A empresa se enquadra no conceito de negócio social, no qual são utilizadas técnicas modernas com missão social ou ambiental e todo o lucro é reinvestido na própria causa. "A gente viu a chamada que a Expo fez. Eles estavam em busca de projetos sociais e ambientais, e fomos o primeiro projeto brasileiro a receber apoio".

Com os recursos da Expo Dubai, o projeto começou a ser colocado em prática há cerca de dois anos. Um concurso nacional elegeu a voz que serviria de base para a formatação do sintetizador Letícia. A escolha, que contou com a participação de milhares de pessoas em todo o país, se deu por meio de uma votação pública na internet, e chegou ao nome da cantora, compositora e atriz Sara Bentes, que também é deficiente visual.

"Foram mais de 30 horas de gravação em estúdio. Foram lidas mais de 3.300 frases, que têm que ser foneticamente balanceadas, já que o sintetizador precisa ser treinado em uma diversidade fonética grande, para que possa ser capaz de construir qualquer frase em português", explica Fernando Botelho.

Tecnicamente, a voz de Sara não é a mesma de Letícia, por se tratar de um programa de computador, mas o nome foi inspirado na própria artista. Sara Bentes é, na verdade, Sara Letícia Bentes. O nome do meio, que não é o nome de trabalho utilizado por Sara, serviu como uma homenagem à cantora e, ao mesmo tempo, serve para distinguir o sintetizador da voz original usada como base.

Vantagens

Segundo os fabricantes, o sintetizador de voz Letícia tem a capacidade de ajudar mais de 500 mil pessoas dentro e fora do Brasil. A versatilidade da tecnologia é uma das principais características apontadas pelos usuários que aprovam o aplicativo. É o caso do programador Ângelo Beck, que chegou a participar da equipe de testadores do software. Atualmente, ele utiliza a Letícia em um dos dos seus notebooks e também no celular.  

"No celular, eu estou gostando demais porque, além das mensagens de textos, o aplicativo lê aquelas figurinhas emojis. É a única voz que faz isso no Brasil a contento. Antes, eu recebia mensagens com aquelas figurinhas e as vozes simplesmente não liam. Eu sabia que tinha uma mensagem ali, no caso, um emoji, mas as vozes não liam. E a voz da Letícia é a primeira que conheço que faz a leitura desses emojis, então isso já mudou totalmente a minha comunicação, porque agora eu mesmo posso escolher as figurinhas e mandar para as pessoas", relata.

Além de ser uma voz com característica mais humanizada e menos robótica, o sintetizador Letícia funciona bem em praticamente qualquer dispositivo e em todos os sistemas operacionais. "Eles conseguiram criar uma voz rodar tanto num computador mais moderno quanto num celular mais antigo", afirma Ângelo Beck.

Deficiente visual desde os 21 anos, por causa do agravamento de um glaucoma congênito, Ângelo Beck tem hoje 38 anos e utiliza a voz Letícia para desenvolver uma de seus principais atividades além da programação. Ele é artista e faz móveis infantis em miniatura desenhando a partir do próprio computador, utilizando vetores em um software específico. Os trabalhos são depois impressos em dispositivos a laser e Ângelo monta peça por peça para criar cada um dos móveis, como guarda-roupas, poltronas e mesas, que encantam principalmente as crianças, mas são capazes de encher os olhos de qualquer adulto pela qualidade e delicadeza do resultado.

“Eu uso a minha criatividade para desenhar e tento imaginar o móvel pronto. As crianças gostam muito e é recompensador transformar os meus desenhos em realidade”, conta.

Novas vozes    

Na F123, o próximo desafio é criar novos sintetizadores de voz, inclusive uma voz infantil para auxiliar no desenvolvimento de crianças cegas. Segundo Fernando Botelho, também está nos planos o desenvolvimento de aplicativos em outros idiomas, principalmente de regiões mais esquecidas pelo resto do mundo.

"Estamos conversando com potenciais apoiadores para fazer novas vozes em outros idiomas. Existem muitos idiomas pelo mundo afora que não têm bons sintetizadores. É uma tecnologia bastante complexa e muitas empresas não estão interessadas em desenvolver esse aplicativo em idiomas que só são falados em países da África, por exemplo".

Tecnologias (não) inclusivas

Apesar de invenções como a Letícia sinalizarem um avanço na qualidade de vida e na igualdade de oportunidades para deficientes visuais, a realidade dessas pessoas, em um mundo cada vez mais tecnológico, não é fácil. O programador Ãngelo Beck explica, por exemplo, como passou a ser mais difícil operar uma simples máquina de lavar roupas ou um aparelho microondas. "Hoje em dia, não encontro mais uma máquina com controle simples, que você pode girar e definir a escolha. No caso dos microondas, costumam tem um painel livre, sem auto-relevo".

Até mesmo um caixa eletrônico, sob o argumento de ser mais tecnológico, passou a não incluir mais pessoas com deficiência visual. "Antigamente, rodava uma gravação em áudio, tipo 'digite sua senha', mas hoje em dia tem uma tela de LCD e não consigo operar o caixa porque ele não tem sintetizador de voz. Não é falta de tecnologia disponível, é falta de pensar um produto levando em consideração um desenho universal, acessível", critica.

Expo Dubai 2020

Com o tema “Conectando Mentes, Criando o Futuro”, a Expo Dubai 2020 deve receber, num período de seis meses, mais de 25 milhões de pessoas de todos os continentes. Estão previstos cerca de 60 eventos diários ao longo de 173 dias, incluindo apresentações musicais, de tecnologia e cultura. Ao menos 200 pontos de vendas apresentarão chefs e culinária de todos as partes do mundo.

São esperadas exposições e representações de 192 países, além de organismos multilaterais, empresas e instituições educacionais.

As Expo Mundiais são realizadas desde 1851 e reúnem governos, organizações internacionais e empresas com o objetivo de encontrar soluções para desafios universais e promover suas realizações, produtos, ideias, inovações, turismo, além das marcas nacionais, comércio e investimentos. A Expo Dubai 2020 será a edição de número 168 da história.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando