Edmar Lyra

Edmar Lyra

Coluna Diária

Perfil:Bacharel em Administração de Empresas e Jornalista profissional, é colunista do jornal Gazeta Nossa da Região Metropolitana do Recife e do jornal Folha do Pajeú do Sertão do Pajeú

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJá.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

A farsa de bom gestor de Júlio Lóssio está caindo

Edmar Lyra, | sex, 06/01/2017 - 11:03
Compartilhar:

Médico respeitado em Petrolina, Júlio Lóssio foi lançado na política pelo ex-deputado Osvaldo Coelho, que por ser muito experiente e sagaz, sentiu o vácuo que existia na briga entre Odacy Amorim e Gonzaga Patriota para definir quem seria o candidato do PSB na eleição de 2008. Julio não só disputou a prefeitura como venceu a disputa contra Gonzaga Patriota e iniciou em 2009 uma gestão que aparentemente seria exitosa.

É inegável o avanço da gestão de Júlio no âmbito da educação, mais precisamente no exitoso projeto Nova Semente, que consistiu em ampliar a oferta de creches na cidade de Petrolina, que é premiado e tem sido copiado em todo o Brasil. Mas a boa gestão Júlio Lóssio para por aí, em oito anos ele se mostrou um político mesquinho, futriqueiro e que se achava maior do que realmente era. Cometeu uma série de equívocos na sua sucessão, mas o pior deles foi o da ingratidão.

Ele não teve a preocupação de contemplar o seu vice-prefeito Guilherme Coelho, filho do seu padrinho político, como candidato a sua sucessão, numa evidência clara de que era antes de tudo egoísta e ingrato, pois Guilherme detinha todas as credenciais para sucedê-lo como candidato, se viria a vencer seria outra história, mas Júlio estaria reconhecendo o legado que foi deixado pra ele por causa de Dr. Osvaldo, e mesmo não elegendo Guilherme, ele sairia com o sentimento de dever cumprido com o tamanho político suficiente para novos projetos.

Júlio foi tão incompetente que conseguiu após décadas reunificar a família Coelho, desta vez em torno do jovem Miguel Coelho, que aos 26 anos ascendeu ao cargo de prefeito da cidade mais importante do sertão. Uma vez na prefeitura, Miguel já conseguiu desnudar a farsa de bom gestor que Lóssio tentou imprimir ao longo de oito anos, mostrando uma prefeitura sucateada num desrespeito claro do ex-prefeito com os petrolinenses que o elegeram em 2008 e o reelegeram em 2012.

Ele sai da prefeitura como um político menor, periférico e que é incapaz de produzir alianças que tenham como único objetivo o bem da população. A Júlio Lóssio, um ex-prefeito arrogante, prepotente e mesquinho, não cabe outro papel senão o limbo da política e o ostracismo de quem é um verdadeiro ingrato.

Gravatá - O prefeito Joaquim Neto (PSDB), que sabe Deus como conseguiu não ser alcançado pela Ficha Limpa, está deixando a cidade de Gravatá num caos completo com apenas uma semana de gestão. Ele não se preparou para cuidar da cidade e agora quer a todo custo colocar a culpa na intervenção, que pela terra arrasada que recebeu, fez muita coisa na cidade.

Luciano Vásquez - Candidatíssimo a deputado estadual, o ex-secretário da Casa Civil Luciano Vásquez será uma espécie de articulador informal da prefeita de Caruaru Raquel Lyra. Ainda filiado ao PSB e vice-presidente estadual da sigla, Vásquez tem circulado muito no meio político no intuito de construir seu projeto de chegar à Casa Joaquim Nabuco em 2018.

Rodrigo Pinheiro - Por falar em Caruaru, a prefeita Raquel Lyra é só elogios ao vice-prefeito Rodrigo Pinheiro que tem sido muito mais do que um companheiro de chapa, trabalhou incessantemente na formação do secretariado e estabeleceu diálogo com o empresariado da cidade a fim de permitir uma boa interlocução da gestão com o PIB da cidade.

Arlindo Siqueira - Profundo conhecedor da política de Olinda, o ex-vereador Arlindo Siqueira tem sido importante nos primeiros dias da gestão do Professor Lupércio a ponto de aparar as arestas que ficaram com a vitória de Jorge Federal para a presidência da Câmara. Arlindo foi um dos mais combativos opositores do PCdoB na cidade.

RÁPIDAS

Disposição - O deputado estadual Silvio Costa Filho (PRB), líder da oposição na Alepe, garante que se ninguém topar o desafio de enfrentar Paulo Câmara em 2018, ele está disposto a entrar na parada para tentar destronar o PSB do Palácio do Campo das Princesas.

Abrigo - Após oito anos de Jaboatão dos Guararapes ser o local de trabalho de muita gente do Cabo de Santo Agostinho durante a gestão Elias Gomes, parte do grupo do ex-prefeito, poucos privilegiados diga-se de passagem, foi absorvida na gestão do prefeito de Moreno Vavá Rufino.

Inocente quer saber - Se Júlio Lóssio foi tão bom prefeito por quê não elegeu o sucessor em Petrolina?

Três famílias serão fundamentais nas eleições 2018 em Pernambuco

Edmar Lyra, | qui, 05/01/2017 - 11:12
Compartilhar:

A política pernambucana teve o protagonismo de várias famílias que reinaram por muitos anos, seja na Alepe, na Câmara dos Deputados, e até mesmo em prefeituras importantes e no governo do estado. Os Cavalcanti, os Monteiro, os Arraes são emblemáticos pois emprestaram a vida pública governadores, senadores, ministros, etc. No ano de 2016 tivemos a ascensão de três famílias que se consolidaram nas urnas terão papel importantíssimo na engenharia política do estado em 2018.

Começando pelos tradicionais Coelho de Petrolina, que em 2014 já tinham elegido Miguel Coelho para a Alepe, Fernando Filho para a Câmara Federal e Fernando Bezerra Coelho para o Senado, tiveram um ano de 2016 fenomenal e que garantiram capital político suficiente para reivindicar espaços importantes na política estadual, pois Fernando Filho foi alçado ao importante posto de ministro de Minas e Energia de Michel Temer, e vem realizando um trabalho elogiável na pasta, para coroar o ano Miguel Coelho se elegeu prefeito de Petrolina derrotando Odacy Amorim, Adalberto Cavalcanti e o candidato do então prefeito Julio Lóssio que ostentava bons índices de aprovação. Essa vitória significou a reunificação dos Coelho de Petrolina que voltam a ter um grande protagonismo político e serão imprescindiveis na construção de 2018, pois Miguel Coelho, Fernando Filho e Fernando Bezerra Coelho serão eleitores importantes.

Passando pela capital do forró, após dezesseis anos de Tony Gel e José Queiroz, os Lyra de Caruaru conquistaram uma expressiva vitória com Raquel e passaram a ter um peso ainda maior na engenharia política pernambucana. O ex-governador João Lyra Neto tem todas as condições de ser candidato a deputado federal em 2018 e ocupar uma cadeira na Câmara Federal que já foi do seu irmão, o ex-ministro Fernando Lyra. João já sinalizou várias vezes que pretende construir um projeto alternativo ao PSB, uma vez que o partido do governador Paulo Câmara negou a sua filha o direito de ser candidata da sigla a prefeita de Caruaru, tendo que se abrigar no PSDB do ministro Bruno Araújo e potencial candidato majoritário.

Já os Ferreira, diferentemente dos Coelho e dos Lyra, que já foram protagonistas de processos políticos em nosso estado em tempos anteriores, vivem o melhor momento político de suas vidas, pois elegeram o prefeito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira e têm no deputado estadual André Ferreira um nome extremamente natural e fortíssimo para a Câmara Federal em 2018. Há aproximadamente vinte anos, a família só tinha o deputado estadual Manoel Ferreira como expoente, hoje representa um grupo político em ascensão que fazem deles atores fundamentais na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas. É possível afirmar que se os Lyra, os Coelho e os Ferreira, que juntos governarão 838.449 eleitores, que significa 13% do eleitorado do estado, estiverem no mesmo projeto, serão o fiel da balança para determinar o governador vitorioso de 2018.

Homenagem - Extraordinário quadro público, o publicitário Camilo Simões vinha fazendo um grande trabalho na secretaria de Turismo e Lazer da prefeitura do Recife até falecer em outubro do ano passado vítima de um mal súbito. Ciente da importância de Camilo para a área, o prefeito Geraldo Julio acertou em cheio ao colocá-lo como um dos homenageados do carnaval deste ano. Camilo merece todas as justas homenagens porque era uma pessoa iluminada.

Assessor - Após ser defenestrado das urnas, o ex-vereador Vicente André Gomes, que é aposentado integralmente como deputado federal, vai mesmo assumir um cargo na assessoria especial do prefeito Geraldo Julio, que é comandada pelo também ex-vereador Fred Oliveira. Vicente obteve 6.205 votos, ficando apenas na quinta suplência da Frente Popular.

Itamaracá - O prefeito Mosar Tato (PSB) recebeu do ex-prefeito Paulo Batista (PTB) um verdadeiro abacaxi para descascar. A prefeitura não tem sequer telefones e internet para os servidores trabalharem, os computadores estavam empoeirados que parecia que há anos não eram utilizados. Tato terá muita dificuldade para reerguer a Ilha.

Procurador - O competente advogado Pedro Leonardo Lacerda, que é bastante conhecido no meio político, foi nomeado pelo prefeito Mosar Tato como procurador de Itamaracá. No momento difícil que a cidade vive, Pedro poderá ser fundamental para que o prefeito consiga arrumar a casa o quanto antes.

RÁPIDAS

Composição - A vereadora Marília Arraes só será candidata a governadora se o PT ficar isolado no processo. Hoje o partido priorizaria apoiar Armando Monteiro para governador ou uma aliança que levasse Silvio Costa Filho a ser um candidato olímpico. Marília inexoravelmente será candidata em 2018 mas o cargo dependerá das circunstâncias de 2018.

Sileno Guedes - Após uma chuva de críticas sobre a manutenção de Sileno Guedes na secretaria de governo de Geraldo Julio, o meio político espera que o responsável pela articulação política da gestão tenha mais atenção com as demandas de quem o procura, resolvendo os problemas de uma melhor maneira para não melindrar ninguém.

Inocente quer saber - Rodrigo Maia vence de quanto a disputa pela presidência da Câmara?

Uma usina de crises na prefeitura do Recife

Edmar Lyra, | qua, 04/01/2017 - 10:13
Compartilhar:

O ex-governador Eduardo Campos manteve uma relação de muita confiança com Sileno Guedes, e fez dele vereador do Recife, chegando a colocá-lo na presidência do Metrorec, bem como no Porto do Recife e em 2013 o colocou na secretaria de governo da gestão de Geraldo Julio. Além disso deu a presidência estadual do PSB ao seu ajudante de ordens.

Uma vez na condição de secretário de governo da gestão de Geraldo Julio, Sileno atingiu um protagonismo político jamais visto, nem mesmo quando ele veio a exercer  o mandato de vereador do Recife. Por ser muito próximo de Eduardo, havia uma expectativa de que ele pudesse ter aprendido com o chefe a capacidade de articulação política, uma vez que a pasta que ele viria a ocupar seria essencialmente para fazer política.

Fazer política, sobretudo nesta pasta, significa ouvir a lamentação de aliados, tratar com respeito e atenção e tentar resolver suas demandas. O que nos quatro anos que passou na pasta, Sileno passou longe de fazer, e por isso a condução política do primeiro mandato de Geraldo Julio ficou bastante comprometida, havendo ameaças de ruptura por parte de alguns partidos e vereadores, que não se confirmaram porque não havia um adversário capaz de desbancar Geraldo.

O apoio a Geraldo dos muitos partidos e vereadores se deu no objetivo principal da promessa de que o secretário de governo seria substituído na segunda gestão. Ninguém exigia a saída de Sileno do secretariado do prefeito, mas que apenas saísse de uma pasta tão sensivel e fundamental para o êxito político da gestão, uma vez que Sileno é extramemente desatencioso com a classe política, chegando inclusive a sequer atender telefonemas.

Quando Geraldo Julio optou pela manutenção de Sileno Guedes na pasta, a chiadeira foi grande, primeiro porque não houve sequer o cumprimento parcial da promessa de que seriam convocados três vereadores do chapão para o secretariado e segundo porque ficou evidente que a condução política da gestão que estava extremamente deficitária no primeiro mandato será mantida neste segundo mandato, uma prática que estava exaurida e que havia forte expectativa de mudança. Com isso Geraldo Julio sinalizou que quer manter a usina de crises chamada secretaria de governo comandada por Sileno Guedes e está disposto a arcar com o pesado ônus que esta decisão representa para a gestão.

Preparo - Entre os nomes de peso que compõem a equipe de governo do prefeito de Camaragibe Demóstenes Meira (PTB) estão Alex Norat na secretaria de Administração e Daniel Meira na secretaria de Mobilidade Segurança Cidadã. Alex foi superintendente da Caixa Econômica Federal, com mestrado em Gestão e Planejamento e Gestão Organizacional e pós-graduado em Desenvolvimento Regional Sustentável e Gestão Pública. Daniel, por sua vez, é advogado, com mestrado na área e pós-graduação na Universidade de Oxford, na Inglaterra, e na Universidade de Coimbra, em Portugal.

Equipe - Dos ex-prefeitos do PSB que deixaram o mandato em 31 de dezembro, há uma forte expectativa de que o governador Paulo Câmara repita o gesto de Eduardo Campos e convoque alguns históricos do partido. O nome de Alexandre Arraes, que governou Araripina, está bastante cotado para assumir um cargo no Palácio do Campo das Princesas, pois além de ter uma relação familiar com o ex-governador Eduardo Campos, é um importante aliado do governador Paulo Câmara no sertão do Araripe.

Possibilidade - Vem ganhando força nos bastidores a tese de que o governador Paulo Câmara poderá chamar o vereador do Recife André Régis (PSDB) para uma pasta do seu secretariado. Caso se confirme o presidente da Associação de Cabos e Soldados Albérrison Carlos assumiria o mandato de vereador do Recife na condição de suplente, uma vez que ele é primeiro suplente do partido.

Turismo - O secretário Felipe Carreras comprova mais uma vez ser um dos melhores auxiliares do governador Paulo Câmara. Além de já ter atraído uma série de voos internacionais para Pernambuco, Felipe ontem anunciou que até o final do ano o aeroporto de Serra Talhada passará a receber voos comerciais partindo do Recife pela Azul Linhas Aéreas. A medida além de facilitar o deslocamento de pessoas para o sertão do Pajeú permitirá um grande desenvolvimento econômico para a região.

RÁPIDAS

Divulgação - Dentre as novidades que a gestão do presidente Eduardo Marques da Cunha poderá trazer para o biênio 2017/2018 é a abertura de licitação para a contratação de uma agência de publicidade para a divulgação das atividades da Câmara Municipal do Recife. Apesar de ficar na capital pernambucana, a Casa José Mariano é um dos poucos Poderes Legislativos que não possuem divulgação oficial.

Recompensa - Apesar de Jorge Gomes ter ficado em quarto lugar na disputa pela prefeitura de Caruaru, as eleições municipais do ano passado não foram totalmente ruins para a família na capital do forró. O vereador Marcelo Gomes foi reeleito e Laura Gomes foi efetivada no mandato de deputada estadual.

Inocente quer saber - Por quê Sileno Guedes nunca exerceu função de protagonismo junto com Eduardo Campos?

Insatisfação generalizada após secretariado de Geraldo Julio ser anunciado

Edmar Lyra, | ter, 03/01/2017 - 11:24
Compartilhar:

O prefeito Geraldo Julio anunciou ontem a formação do seu novo secretariado para o segundo mandato conquistado em outubro. A redução das secretarias de 24 para 15 se confirmou, mas o perfil técnico prevaleceu e o prefeito, que foi apoiado por duas dezenas de partidos, não convocou um único vereador para a sua equipe, frustrando a base e descumprindo um acordo que foi firmado com parlamentares para que eles entrassem no chapão da morte, que tinha 21 vereadores de mandato e apenas onze alcançaram o mandato na Câmara, de que seriam chamados de dois a três vereadores para a equipe e que pelo menos treze se elegeriam.

O prefeito, que já anunciou uma redução de 40% dos cargos comissionados, optou por uma gestão burocrata e que não tem o menor traquejo com as causas populares. O fator político também foi relegado a segundo plano, pois apesar das críticas do primeiro mandato, Geraldo decidiu por manter Sileno Guedes na secretaria de governo. Isso deixou não só vereadores reeleitos como vereadores que não alcançaram o mandato extremamente insatisfeitos, pois há uma gritaria generalizada de que Sileno não atende telefonema de ninguém e que os políticos são tratados como lixo, de acordo com um parlamentar em reserva.

Ainda de acordo com um político que apoiou a reeleição do prefeito, essa redução de secretarias é para inglês ver, na prática a máquina continua cheia, com a ressalva apenas de que os cargos da base da pirâmide serão extintos prejudicando assim as bases dos vereadores e políticos em geral que acreditaram no projeto de Geraldo e esperavam abrigar apadrinhados na segunda gestão. O que esse político mais ficou chateado foi a quebra de acordo, pois o prefeito teria prometido resolver a vida de muita gente no segundo mandato e acabou deixando alguns pelo caminho.

Para ele, o prefeito não tinha obrigação nenhuma de prometer que iria chamar vereadores para o secretariado, mas se prometeu tinha obrigação de cumprir. Ele ainda disse que acredita que a gestão de Geraldo Julio está fadada ao fracasso porque se o prefeito não cumpriu as promessas que fez ao seu grupo político, passando por cima de muitos como um rolo compressor, imagine se cumprirá as promessas que fez ao povo do Recife? Ele aposta que o segundo mandato será infinitamente inferior ao primeiro e que o péssimo desempenho da gestão do prefeito poderá ser um prenúncio da derrocada do PSB na capital pernambucana.

Ninguém quer dizer isso de público porque tem medo das retaliações que o prefeito pode fazer caso descubra quem são os insatisfeitos, mas eles apostam claramente que Geraldo Julio começou a partir da formação do seu secretariado a cavar a sepultura da sua gestão e da sua carreira política.

Rifado - O ex-vereador Vicente André Gomes demonstrou claramente que virou um político em fim de carreira. Conforme se esperava, ele não alcançou o secretariado de Geraldo Julio, tendo que se contentar com um cargo de assessor especial para não colocar o pijama. Mesmo assim o cargo de assessor especial, que deve ser o seu destino, ainda não está confirmado.

Coice - Não bastou a queda de perder a prefeitura do Recife, João Paulo ganhou um coice ao ter sua prisão pedida por um juiz por ter supostamente superfaturado um contrato de assessoria da Finatec. O caso envolve não só o ex-prefeito, como Luciano Siqueira e Lygia Falcão, que integravam o núcleo duro da sua gestão.

Virada - A candidatura da deputada Simone Santana para prefeita de Ipojuca em abril, quando terão as novas eleições, é vista com bons olhos pelo meio político. É que passado o susto da derrota para Romero Sales, o ex-prefeito Carlos Santana, que emplacou o presidente da Câmara e consequentemente o prefeito em exercício, vai montar uma estratégia de guerra para vencer as eleições e tem quem diga que ele tem bala na agulha para isso.

Deputados - Foram empossados ontem os deputados Isaltino Nascimento, Laura Gomes e Roberta Arraes (PSB), Jadeval de Lima (PDT) e Paulinho Tomé (PT), que foram efetivados juntos com Antonio Moraes (PSDB) e Marcantonio Dourado (PSB). Além deles, assumiram na condição de suplentes Gustavo Negromonte (PSB) e Terezinha Nunes (PSDB).

RÁPIDAS

Expectativa - Com o anúncio da equipe de Geraldo Julio, agora as atenções se voltam para a reforma do secretariado de Paulo Câmara. Ele deve retirar Francisco Papaléo (Cidades), Thiago Norões (Desenvolvimento Econômico) e Isaltino Nascimento (Desenvolvimento Social), além do mais precisará apresentar um nome para Suape e outro para a Empetur.

Fora - Caso se confirme a tese de Geraldo Julio de que nenhum secretário será candidato em 2018, os planos de Sileno Guedes de ser deputado estadual em 2018 devem ser arquivados, pois ele foi mantido na secretaria de governo da segunda gestão de Geraldo.

Inocente quer saber - Por quê o secretariado de Geraldo Julio conseguiu ser uma unanimidade negativa?

Uma dupla de ilegítimos

Edmar Lyra, | qua, 28/12/2016 - 11:04
Compartilhar:

A chapa Dilma Rousseff e Michel Temer foi avalizada pelo então presidente Lula em 2010 que na época ostentava elevados índices de aprovação popular. A aliança foi selada porque Dilma foi o que restou do PT que se afundou em escândalos de corrupção mas era desconhecida e precisava se tornar conhecida, consequentemente era fundamental o apoio do PMDB que tinha em Michel Temer, então presidente da Câmara o nome ideal para um casamento que manteria o projeto de poder do PT iniciado em 2003. Vieram as eleições e mesmo indo ao segundo turno contra José Serra, Dilma e Temer acabaram vitoriosos.

Essa aliança foi mantida em 2014 pois Dilma igualmente precisava do tempo do PMDB para defender as ações do seu governo e Michel Temer foi novamente para o cargo de vice-presidente. Eles utilizaram de um esquema de corrupção nunca antes visto no Brasil para manter a hegemonia do PT no Brasil, como se não bastasse praticaram o maior estelionato eleitoral da história recente do país, o resultado foi uma vitória apertada sobre Aécio Neves, do PSDB, partido que sofreu a quarta derrota seguida em eleiçōes presidenciais.

O tempo é o senhor da razão e ficou comprovado por A mais B que a engenharia que reelegeu Dilma e Temer foi assentada num dos maiores esquemas da história do país graças a operação Lava-Jato. Vieram as chamadas pedaladas fiscais que culminariam no impeachment de Dilma Rousseff, mas Temer que foi igualmente beneficiado pelos esquemas de corrupção que posteriormente seriam desnudados e o envolveriam diretamente, acabou ileso e herdou o comando do país.

Há uma gritaria generalizada dos defensores de Dilma de que o impeachment foi golpe e que o governo Temer é ilegítimo. Passados sete meses do governo supostamente golpista, é pertinente reconhecer que Temer é mesmo ilegítimo não porque assumiu após um impeachment legal que foi chancelado pelo Supremo Tribunal Federal, mas sim porque ele e sua companheira de chapa não mereciam ganhar a presidência da República em 2014 porque se beneficiaram de crimes para continuarem no poder, portanto nem Dilma nem Temer poderiam em hipótese alguma ocupar o cargo que ocuparam. A saída de Dilma foi extremamente correta e a de Temer a cada dia se mostra cada vez mais justa.

Rifados - Teve muita gente do PSDB da região metropolitana que estava contando com uma indicação da prefeita eleita de Caruaru para o primeiro ou segundo escalão mas acabaram morrendo na praia, pois Raquel Lyra priorizou a convocação de gente verdadeiramente qualificada e que tinha identificação com a capital do forró.

Competência - Na área da Saúde a prefeita Raquel Lyra convocou a médica do IMIP Ana Maria Albuquerque que já havia ocupado a pasta no governo de nove meses de João Lyra Neto em Pernambuco e saiu bastante elogiada por colegas e pela sociedade em geral. A escolha de Ana Maria é emblemática pois Raquel está entregando a uma mulher a saúde dos caruaruenses.

Auxiliares - Para a secretaria executiva de imprensa a prefeita Raquel Lyra convocou o competente jornalista Ricardo Almoêdo, que já exercia a função de assessor de imprensa dela na Alepe. Já para a secretaria executiva de comunicação, que vai tratar das verbas publicitárias da prefeitura e da relação com os veículos, a prefeita convocou o também competente Hélio Júnior, jornalista e radialista conhecido da capital do forró.

Surpresa - Causou surpresa na política pernambucana o fato de Luciano Vásquez não ter integrado a equipe de Raquel Lyra em Caruaru. Além de ter sido secretário da Casa Civil no governo João Lyra Neto, Vásquez bateu de frente com o PSB e optou por ficar no palanque de Raquel, a postura rendeu-lhe uma exoneração de uma diretoria em Suape.

RÁPIDAS

Anúncio - A prefeita eleita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), vai anunciar, nesta quarta-feira, às 10h, os nomes dos secretários que irão compor a sua equipe de governo. A coletiva de imprensa acontecerá no WA Hotel, anexo ao Caruaru Shopping.

Expectativa - A cidade de Araripina segue na expectativa para a posse da deputada Roberta Arraes (PSB) marcada para o próximo dia 2 na Alepe, mas ainda há uma forte demanda da população para que o prefeito Alexandre Arraes, um aliado de primeira hora do ex-governador Eduardo Campos e do governador Paulo Câmara, possa integrar a equipe do governo de Pernambuco em 2017.

Inocente quer saber - Quando os ministros pernambucanos de Temer irão mostrar efetivamente serviço pra Pernambuco?

Candidatura de Bruno Araújo ao Palácio depende de muitos fatores

Edmar Lyra, | ter, 27/12/2016 - 09:32
Compartilhar:

Os tucanos emplumados de Pernambuco desde que Bruno Araújo foi alçado a condição de ministro das Cidades têm falado em alto e bom som numa possível candidatura a governador de Pernambuco contra Paulo Câmara em 2018 mesmo após o PSDB que não tinha chapa para eleger três deputados federais ter sido abrigado na Frente Popular.

O assanhamento tucano é natural do processo político e até mesmo legítimo, mas eleitoralmente quem é o partido em Pernambuco? A partir de janeiro terá dois deputados estaduais, sendo um deles na condição de suplente e outro que assumirá em definitivo após passar um ano no mandato na condição de suplente graças a um movimento realizado pelo Palácio do Campo das Princesas. Na Câmara Federal serão dois deputados que saíram extremamente enfraquecidos das urnas de 2016 e apenas Bruno Araújo segue em evidência no ministério do moribundo governo Michel Temer.

Essa evidência inclusive é bastante questionável pois ninguém vê o ministro das Cidades, um deputado que nunca foi arrasa quarteirão nas urnas e que não se faz presente em nosso estado. Se um eleitor comum for perguntado quem é Bruno Araújo serão poucos os capazes de afirmar que se trata de um deputado federal pernambucano e muito menos que se trata do ministro das Cidades.

Passados sete meses do governo Michel Temer, que diga-se de passagem é fraquíssimo, não dá pra considerar que ele tem sido benéfico pra Pernambuco mesmo tendo cinco pernambucanos na Esplanada dos Ministérios. Além disso existem outros fatores que precisam ser colocados, como por exemplo a situação de Temer em 2017, que pode muito bem ser cassado pelo TSE, e Bruno Araújo voltar para uma planície que ele experimentou significativamente durante os anos do PT na presidência da República.

Além do risco de queda de Temer, que é real, existem fatores nacionais como a aliança entre o PSDB de Bruno Araújo e o PSB de Paulo Câmara, que caso seja viabilizada sepulta qualquer chance de Bruno Araújo ser candidato a governador contra Paulo Câmara que inexoravelmente tentará a reeleição. É preciso esperar muito para considerar extremamente viável a candidatura de Bruno Araújo a governador, pois nem jeito de pernambucano ele tem, parece mais um ministro do Rio de Janeiro.

Secretariado - A prefeita eleita de Caruaru Raquel Lyra (PSDB) marcou para esta quarta-feira o anúncio do seu secretariado que ocorrerá a partir das 10 horas da manhã no auditório do WA Hotel na Capital do Agreste. Um dos nomes que são pule de dez é o de Luciano Vásquez que assumirá a secretaria de governo.

Noite - O ministro da Educação Mendonça Filho deu uma bola fora ao dizer que pretende extinguir o ensino noturno no Brasil. A medida atinge em cheio as classes menos favorecidas e gerou gritaria no país inteiro. Ciente da besteira que falou, o ministro tentou emendar a afirmação mas terminou ficando pior.

PRTB - O PRTB que é comandado no estado por Edinazio Silva e que elegeu três vereadores no Recife, Hélio Guabiraba, Marco Aurélio e Alcides Teixeira Neto, pretende realizar no dia 1 de maio um evento com a presença de Levy Fidelix, candidato da sigla a presidente da República. Além disso há uma forte possibilidade do presidenciável do partido visitar Bezerros durante o carnaval de 2017.

Torcida - O senador Humberto Costa, que está em contagem regressiva para sair da vida pública pelas urnas, decidiu adotar a tática do quanto pior melhor e tem comemorado os índices econômicos negativos do país, um postura que ele tanto acusou os adversários do PT de fazer quando Dilma comandava o país. É por essas e outras que ele é um ex-senador em atividade.

RÁPIDAS

Salvação - Derrotado nas urnas em Ipojuca, o prefeito Carlos Santana não teve coragem de tentar novamente a prefeitura na eleição suplementar e decidiu lançar sua esposa Simone. Carlos aposta alto numa reviravolta que possa eleger sua mulher na prefeitura, pois só assim ele terá condições de continuar na política disputando o mandato de deputado estadual em seu lugar.

Posse - O prefeito eleito de Camaragibe Demóstenes Meira (PTB) logo após tomar posse no domingo empossará o seu secretariado em cerimônia no estacionamento da prefeitura. Meira conseguiu uma vitória somente na quarta tentativa.

Inocente quer saber - O governo Michel Temer come o bacalhau da Semana Santa?

Os sinais de Anderson Ferreira em Jaboatão

Edmar Lyra, | seg, 26/12/2016 - 10:23
Compartilhar:

Herdeiro político do ex-deputado Manoel Ferreira, Anderson iniciou a vida pública em 2010 quando candidatou-se a deputado federal, se elegendo com cerca de 52 mil votos, sendo um dos últimos eleitos da Frente Popular que reelegeu Eduardo Campos para o governo de Pernambuco naquele ano. Ao chegar em Brasília Anderson teve como sua principal bandeira o Estatuto da Família, que lhe rendeu notoriedade nacional e um caminhão de votos em 2014 quando praticamente triplicou sua votação sendo o quinto mais votado de Pernambuco.

Como obteve expressiva votação em Jaboatão dos Guararapes, ainda em 2015 se movimentou no intuito de colocar sua pré-candidatura a prefeito da cidade. Isso foi possível também porque Anderson conseguiu desbancar o ex-deputado Inocêncio Oliveira da presidência estadual do PR, herdando o cargo e se consolidando como a principal liderança do partido no estado.

Uma vez candidato a prefeito, Anderson só fez crescer nas pesquisas, pois nunca se envolveu em escândalo de corrupção e se apresentava como o novo na cidade. Terminou o primeiro turno em primeiro lugar e no segundo turno venceu com expressiva votação. Sua candidatura se viabilizou sem precisar das amarras tradicionais da política, com uma campanha enxuta e um discurso de oposição, desbancou figuras tradicionais do município, como o vereador Neco que foi derrotado por ele no segundo turno.

Na condição de prefeito eleito, não quis inventar a roda, aproveitou a estrutura administrativa de Elias Gomes, reduzindo de oito para sete secretarias funcionais e de 33 para 24 secretarias executivas. Como se não bastasse, anunciou a redução de 40% dos atuais 1.556 cargos comissionados, passando a contar na sua gestão com menos de 1.000 cargos em comissão, bem como o fim dos veículos oficiais para secretários e o próprio prefeito.

Aos 44 anos de idade, o prefeito eleito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira tem plena ciência da sua responsabilidade e mandou um sinal claro de que não vai querer fazer uma gestão igual ou pior do que a de Elias Gomes, mas sim algo melhor que possa fazer história no município, sobretudo no cenário de crise que o país vive, e que naturalmente possa lhe fazer pensar em voos ainda maiores na política pernambucana.

Segurança Cidadã - O prefeito eleito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira estaria estudando a hipótese de criar a secretaria executiva de Segurança Cidadã, uma pasta com atribuições parecidas com a que foi ocupada por Murilo Cavalcanti na gestão de Geraldo Julio no Recife. O nome para ocupar a pasta é o do delegado Erick Lessa, candidato a prefeito de Caruaru pelo PR que ficou em terceiro lugar.

Esposas - Na eleição suplementar de Ipojuca poderemos ter o protagonismo das esposas para ver quem fica com a prefeitura. O candidato impugnado Romero Sales pretende lançar sua esposa Célia Sales (PTB). Já o candidato derrotado Carlos Santana poderá lançar a candidatura da sua esposa e deputada estadual Simone Santana (PSB). Será uma disputa e tanto.

Assanhamento - Apesar de alguns tucanos estarem se assanhando com uma candidatura de Bruno Araújo a governador, é importante ter bastante prudência, primeiro porque caso Michel Temer patine em 2017 ou até mesmo venha a cair, os ministros patinarão ou voltarão pra planície e inviabilizaria qualquer plano de Bruno disputar o governo. Além disso há o fator nacional, se o PSDB e o PSB ficarem juntos nacionalmente, inexoravelmente o PSDB será obrigado a marchar com a reeleição de Paulo Câmara.

Suape - Há rumores de que o governador Paulo Câmara após as saídas de Thiago Norões e Evandro Avelar do governo, mais precisamente do núcleo que comanda Suape, estaria reavaliando a hipótese de dar o comando da secretaria de Desenvolvimento Econômico ao PMDB, que seria de Fernando Dueire. No intuito de manter o senador Fernando Bezerra Coelho na base, o governador estaria disposto a entregar o cargo a Jenner Guimarães, aliado do senador que foi preterido em 2014 para dar lugar a Thiago Norões.

RÁPIDAS

Casa Civil - O governador Paulo Câmara considera a atuação de Antônio Figueira na Casa Civil satisfatória. Como o cargo é necessariamente para ser ocupado por alguém de extrema confiança do governador, Paulo entendeu que o melhor caminho é manter Figueira no cargo por mais dois anos.

Líder - O governador Paulo Câmara deverá devolver Isaltino Nascimento para a Casa Joaquim Nabuco a partir de janeiro. Ele voltaria para o mandato com o objetivo de assumir a liderança do governo na Alepe em substituição a Waldemar Borges, que apesar de ser um bom parlamentar não é tão bom debatedor quanto Isaltino.

Inocente quer saber - Quem fica com a presidência da Câmara do Recife?

A ascensão do Professor Lupércio na política

Edmar Lyra, | qua, 21/12/2016 - 10:00
Compartilhar:

As urnas do último dia 30 de outubro concederam quatro anos a quatro prefeitos no segundo turno, dos quais apenas Geraldo Julio foi reeleito, os demais são cristãos novos no executivo, mas das vitórias  obtidas pelos eleitos é importante sublinhar a chegada do Professor Lupércio para comandar pelos próximos quatro anos os rumos de Olinda.

De origem humilde, o Professor Lupércio exerceu por duas vezes o mandato de vereador de Olinda, tendo perdido uma eleição no meio do caminho, mas não se fez de rogado e continuou na vida pública com o objetivo de retirar jovens da condição de vulnerabilidade social. Nas eleições de 2014 decidiu se candidatar a deputado estadual e foi uma das grandes surpresas daquela disputa, se elegendo pelo Solidariedade com mais de 24 mil votos.

Aquele mandato daria uma dimensão a Lupércio que ele jamais havia tido e permitiria uma candidatura sem riscos à prefeitura de Olinda. Como candidato a prefeito enfrentou nomes como Izabel Urquiza, filha da ex-prefeita Jacilda Urquiza e que nas eleições de 2012 havia obtido uma grande votação, Ricardo Costa que assim como ele também era deputado estadual, mas que vem numa crescente política e eleitoral, outro nome igualmente forte foi o da ex-prefeita Luciana Santos, deputada federal e que representava uma hegemonia de dezesseis anos do PCdoB na Marim dos Caetés, por fim o renomado advogado Antônio Campos, irmão do saudoso ex-governador Eduardo Campos e neto do também ex-governador Miguel Arraes.

Evidentemente dos colocados, apesar do mandato de deputado estadual, Lupércio era o que menos tinha pedigree político, e sua candidatura por diversas vezes era taxada como folclórica e que não tinha a menor chance de lograr êxito. No primeiro turno uma grande surpresa, Lupércio acabou em segundo lugar, desbancando Izabel Urquiza e Luciana Santos, ficando atrás apenas de Antônio Campos, que igualmente surpreendeu com uma expressiva votação.

No segundo turno é bem verdade que tivemos uma campanha de baixíssimo nível, com temas que não estavam na pauta do povo de Olinda, mas pela vontade soberana das urnas, o Professor Lupércio saiu de azarão para prefeito eleito de Olinda, talvez o maior desafio da sua carreira política, mas que assim como ele atingiu nos mandatos de vereador e deputado estadual, tem demonstrado a humildade que é tão necessária aos gestores públicos, sobretudo pelo cargo de prefeito de Olinda que tem um verdadeiro abacaxi para descascar.

Os últimos prefeitos de Olinda acabaram no ostracismo político, mas Lupércio que demonstrou ser extremamente capaz de quebrar paradigmas na sua trajetória política terá uma grande oportunidade de escrever seu nome na história da Marim dos Caetés e fazer uma gestão melhor do que os seus antecessores.

Apressado - Mal foi reeleito prefeito de Santa Cruz do Capibaribe numa eleição extremamente acirrada, Edson Vieira (PSDB) declarou que pode ser candidato a deputado federal em 2018 caso o ministro das Cidades Bruno Araújo, também do seu partido, seja candidato a governador ou senador nas próximas eleiçōes. Edson poderia até pensar em ser federal em 2018 mas sua declaração soou muito pretensiosa e antecipada ao extremo.

Tucana - Outra que só pensa naquilo, ou seja, ser deputada federal, é a prefeita reeleita de São Bento do Una Débora Almeida (PSB). Para colocar o desejo em prática, a prefeita que é procuradora federal pode até mudar de partido, se filiando ao PSDB do ministro Bruno Araújo e da prefeita eleita de Caruaru Raquel Lyra, que foram apoiados por ela em 2014.

Secretariado - A prefeita eleita de Caruaru Raquel Lyra (PSDB) anunciará na próxima sexta-feira (23) o seu secretariado, que deve contar com muitas caras ligadas ao ex-governador João Lyra Neto como Hélio Júnior e Luciano Vásquez. Outro nome cotado para uma secretaria é o do vice-prefeito eleito Rodrigo Pinheiro.

Futuro - Um jurista pernambucano não acredita que Michel Temer possa perder o cargo, ele enumera alguns fatos, são eles: Gilmar Mendes, presidente do TSE, está apoiando abertamente o governo Temer; O relator irá solicitar provas da Lava-Jato, o que irá empurrar o processo para 2018; Ainda que haja qualquer decisão desfavorável ao presidente, caberá recurso junto ao STF, o que postergará ainda mais o imbróglio; Por fim o jurista afirma que a citação de que Temer supostamente pediu recursos via caixa dois sem prova de enriquecimento ou favorecimento ao presidente é frágil demais.

RÁPIDAS

Pegou mal - A informação de que as contas de campanha de reeleição do prefeito Geraldo Julio foram rejeitadas pelo Juiz Eleitoral pegou muito mal para a imagem do socialista, que depois de eleito deu uma mergulhada como se estivesse aguardando com muito temor uma bomba que pode atrapalhar seus planos de governar o Recife por quatro anos.

Líder - O deputado federal Efraim Filho (PB) assumirá a partir de fevereiro o posto de líder do Democratas na Câmara dos Deputados. Herdeiro político do ex-senador Efraim Moraes, o deputado paraibano exerce o terceiro mandato na Câmara Federal e já presidiu nacionalmente a Juventude Democratas.

Inocente quer saber - Daniel Coelho já mandou os aliados dele entregarem os cargos que ocupam no governo Paulo Câmara?

Um desafio e tanto espera os prefeitos eleitos

Edmar Lyra, | ter, 20/12/2016 - 13:03
Compartilhar:

Pernambuco elegeu em outubro 184 prefeitos, vice-prefeitos e uma série de vereadores, que terão como desafio a incumbência de cuidar dos rumos de suas cidades num momento em que há uma grave crise fiscal e que na nossa região os problemas têm se agravado por conta da estiagem que já dura cinco anos.

O desafio de fazer mais com menos, garantindo o básico e atendendo às expectativas de quem lhe elegeu, traz a necessidade aos futuros Gestores de estabelecer um diálogo permanente com a sociedade, bem como cortar custeio da máquina pública a fim de fazê-la eficiente a ponto de funcionar para os que mais precisam, não deixando faltar creches, escolas, hospitais e outras demandas básicas da sociedade.

Estabelecer prioridades dentro de uma gestão nunca foi tão necessário como no momento em que vivemos, sobretudo quando parte significativa dos municípios pernambucanos dependem quase que exclusivamente dos repasses federais que a cada ano mínguam e ficam menos acessíveis aos gestores. Farras com o dinheiro público, como a realização de shows com bandas que cobram uma fortuna para se apresentar, serão cada vez mais hostilizadas pela população e por isso os prefeitos precisarão de sensibilidade para manter as festividades das cidades com artistas mais baratos e com estruturas mais enxutas a partir do ano que vem.

Além do mais os gestores, sobretudo os de cidades de interior, precisarão entender que não são donos da cidade, que os órgãos de controle estão cada vez mais rígidos e o risco de terminar cassado, tal como ocorreu com Bruno Martiniano em Gravatá em 2015, é cada vez mais real. Por isso probidade, moralidade e prudência no exercício do cargo para os 184 prefeitos eleitos não farão mal a ninguém, muito pelo contrário.

Dominado - O prefeito eleito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira (PR) tem conquistado muitos aliados do prefeito Elias Gomes (PSDB). Como se não bastasse tomar a prefeitura e uma série de aliados, Anderson deverá realizar o anúncio do seu secretariado na próxima quinta-feira no Hotel Barramares, quartel-general da gestão Elias Gomes durante oito anos.

Arromba urna - Nem bem terminaram as eleições municipais e já há na Alepe quem aposte que André Ferreira (PSC) será o deputado federal mais votado de 2018. A conta é simples, Anderson sem qualquer estrutura de poder atingiu 150 mil votos em 2014, imagine agora com a segunda maior prefeitura de Pernambuco, quantos votos o irmão gêmeo André Ferreira irá conquistar? Tem quem aposte em 300 mil.

Ânimo - Após várias tentativas frustradas de chegar à prefeitura de Camaragibe, em 2016 Demóstenes Meira (PTB) enfim alcançou o cargo. Diplomado ontem, o futuro gestor que contou com a presença dos deputados Marinaldo Rosendo, Aluisio Lessa e Roberta Arraes, todos do PSB, está bastante animado para fazer a melhor gestão da história do município que figurou nas páginas policiais durante a gestão de Jorge Alexandre (PSDB).

Quebra-cabeça - Não está sendo fácil para o prefeito reeleito do Recife Geraldo Julio (PSB) equacionar a formação do seu secretariado, isso porque ele estabeleceu como meta reduzir de 24 para 15 secretarias a estrutura administrativa da prefeitura do Recife e tem uma penca de aliados para contemplar.

RÁPIDAS

Tucanos - Caso avancem as negociações entre o ministro das Cidades Bruno Araújo e o governador Paulo Câmara para que o PSDB volte a integrar a equipe do governo de Pernambuco, dois nomes figuram com boas chances de chegar ao primeiro escalão do governador, são eles: Evandro Avelar, atual vice-presidente de Suape e Paulo Muniz, que hoje integra a equipe do ministério das Cidades.

Chapa - Avança a possibilidade de cassação da chapa presidencial no entendimento do TSE, caso se concretize, Michel Temer perderá o cargo e o Congresso Nacional será obrigado a realizar uma eleição indireta para presidente da República. 

Inocente quer saber - Pelo andar da carruagem, Sileno Guedes continuará na secretaria de governo de Geraldo Julio na futura gestão?

No cenário econômico atual, ninguém cumpriu todas as promessas de campanha

Edmar Lyra, | seg, 19/12/2016 - 13:08
Compartilhar:

O governador Paulo Câmara foi eleito em 2014 na esteira de um desejo de continuidade do governo Eduardo Campos impulsionado pela comoção gerada pela morte do ex-governador. Naquela campanha as promessas do então candidato do PSB eram de manter o alto nível de gestão proporcionado por Eduardo ao longo de sete anos e três meses do seu governo e aprimorar uma série de coisas a fim de entregar aos pernambucanos uma gestão ainda melhor.

Passados quase dois anos do início do governo Paulo Câmara, há uma gritaria de críticos do governador por conta das dificuldades que Pernambuco tem enfrentado e principalmente o não cumprimento de promessas de campanha por parte do governador. Pois bem, numa crise como a que vivemos há o fechamento de empresas e de postos de trabalho, consequentemente há uma queda da arrecadação do estado e por conta do desemprego há um aumento significativo dos índices de violência.

Pernambuco viveu um momento sui generis durante o governo Eduardo Campos, com um boom jamais visto em Suape. Ali ocorria como consequência a ocupação quase que total dos imóveis, a construção de novos empreendimentos, a compra de produtos, de veículos, etc. A economia estava girando como nunca em nosso estado mas após a Copa do Mundo a realidade começou a vir à tona em todo o país e em Pernambuco não está sendo diferente.

Uma realidade dura que faz com que os governantes precisem fazer das tripas coração para poder manter o básico funcionando. É evidente que até o básico fica difícil de ser executado, temos exemplos claros por todo o país de estados que não pagam a folha salarial em dia, outros que parcelam em até nove vezes um único mês de pagamento, tem havido o fechamento de hospitais e muitas outras consequências graves.

Não há nenhum governador que foi eleito junto com Paulo Câmara em 2014 que goze de elevado prestígio perante os eleitores do seu estado. Aprovação de mais de 90% como vimos com Eduardo Campos e Aécio Neves que se revezavam no posto de melhor governador do país é algo que não existe mais no Brasil, exatamente por isso, porque o caos é gigante. Pernambuco não vive o melhor dos mundos, mas graças a serenidade de Paulo Câmara tem conseguido pagar a sua folha em dia, que tem trabalhado para manter os serviços básicos em funcionamento, mesmo tendo que enfrentar uma grave crise na segurança pública, e nosso estado pode ser considerado mediano nesta crise federativa que assola o país, pois o governador por ser um gestor de carreira não é afeito aos arroubos do populismo, tendo gerido a máquina pública estadual com a serenidade que o momento requer.

Por isso apesar de o governo não ser dos melhores, é preciso entender que o momento é um dos piores que já vivenciamos no Brasil, e que nenhum governo eleito para o quadriênio 2015-2018 conseguiu colocar em prática todas as suas promessas de campanha porque não há a menor condição financeira pra isso.

Equipe - O prefeito eleito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira (PR) deverá oficializar na próxima quinta-feira a indicação de Daniel Pessoa para a secretaria de Turismo, Esporte e Lazer bem como Marcos Campello para comandar a Defesa Civil do município a partir de janeiro. O vice-prefeito eleito Ricardo Valois por ter sido vereador e conhecer a Câmara Municipal, está cotado para assumir a secretaria de governo.

Chiadeira - Nos bastidores corre a informação que o PMDB do deputado Jarbas Vasconcelos e o PTB do senador Armando Monteiro que apoiaram Anderson Ferreira para a prefeitura de Jaboatão dos Guararapes ainda não foram convidados para uma conversa com o futuro gestor e consequentemente a indicação de nomes para o primeiro escalão. Jarbas e Armando esperavam ser retribuídos a altura do apoio dado a Anderson.

Diálogo - Engana-se quem acredita que o governador Paulo Câmara e o ministro das Cidades Bruno Araújo estão distanciados e que o rompimento entre ambos é irreversível. Apesar de alguns tucanos fomentarem o rompimento, a conversa entre o líder socialista e o líder tucano é cada vez mais corriqueira e a aliança entre ambos em 2017 com ocupação de cargos por parte dos tucanos no governo do PSB está mais próxima do que se imagina.

Reclamação - A base de sustentação do prefeito reeleito do Recife Geraldo Julio tem reclamado constantemente da condução política do prefeito para a formação da equipe para o segundo mandato. Faltando dias para acabar 2016, ninguém sabe como será a reforma administrativa e há um grande receio de que pessoas desatenciosas com os vereadores possam ser mantidas na equipe. Tem vereador prometendo dar o troco nas votações da Câmara a partir de 2017.

RÁPIDAS

Vice - Cunhado do ministro da Educação Mendonça Filho, o deputado federal Augusto Coutinho (SD) saiu bastante fortalecido do processo eleitoral de 2016. Caso Jarbas Vasconcelos e Bruno Araújo sejam candidatos a senador na chapa de reeleição de Paulo Câmara, Mendonça Filho vai para a reeleição, Raul Henry iria pra federal e Augusto Coutinho seria o candidato da família Mendonça a vice-governador.

Desgaste - O secretário de Defesa Social Angelo Fernandes Gioia está há pouco mais de dois meses no cargo mas já está com o prazo de validade vencido. Como tem uma postura arrogante que não agrada a corporação, há quem aposte que ele não come o bacalhau da semana santa do ano que vem no cargo.

Inocente quer saber - Geraldo Alckmin buscará abrigo no PSB para disputar a presidência da República em 2018?

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Leia Concursos

Procure os
Concursos

Copyright. 2019. LEIAJÁ. Todos os direitos reservados.

Carregando