Edmar Lyra

Edmar Lyra

Coluna Diária

Perfil:Bacharel em Administração de Empresas e Jornalista profissional, é colunista do jornal Gazeta Nossa da Região Metropolitana do Recife e do jornal Folha do Pajeú do Sertão do Pajeú

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJá.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

A economia poderá cacifar Michel Temer em 2018

Edmar Lyra, | ter, 17/10/2017 - 10:00
Compartilhar:

"É a economia, estúpido!", uma célebre frase dita por James Carville, marqueteiro de Bill Clinton durante a campanha presidencial de 1992 que serve para ilustrar que política e economia caminham juntos. Na política brasileira, o Plano Real foi capaz catapultar Fernando Henrique Cardoso nas eleições de 1994 contra Lula, então líder absoluto nas pesquisas. A queda abrupta da inflação permitiu que o então ministro da Fazenda de Itamar Franco fosse candidato e vencesse a disputa. Se houvesse reeleição naquela época, certamente Itamar teria sido o candidato e muito provavelmente teria logrado êxito.

Em 2006, alvejado pelo Mensalão, Lula conseguiu se recuperar das graves denúncias de corrupção que envolviam o seu governo, e acabou sendo reeleito. Tudo isso graças ao boom econômico que fazia do Brasil uma das economias emergentes em maior crescimento do planeta. A população que beirava o pleno emprego e tinha seu poder de compra garantido comprou a ideia de Lula e não só o reelegeu como em 2010 elegeria Dilma Rousseff.

A economia novamente fez com que os casos de corrupção do governo de Dilma Rousseff fossem amplificados. A população que havia reeleito Dilma em 2014 por não conhecer a realidade econômica do país na época, foi às ruas em 2015 e 2016 e culminou no impeachment. Pedaladas fiscais foram apenas a cereja do bolo para a queda de um governo que não tinha eira nem beira e que não tinha mais a menor condição de oferecer uma agenda de retomada ao país.

No governo Michel Temer é latente a crise ética e moral que envolve a figura do presidente e toda a classe política. Mas também é indiscutível que a economia pouco a pouco vem se restabelecendo no Brasil. No último trimestre foram criadas mais de um milhão de vagas de empregos formais, a inflação tem o menor índice desde o início do Plano Real e a taxa básica de juros, a Selic, cai mês após mês, criando um ambiente propício para uma retomada da economia que pouco a pouco será percebida pela maioria da população.

Michel Temer não possui nenhum impedimento para ser candidato a reeleição, apesar de possuir apenas 3% de aprovação e sequer ser cotado para disputar a reeleição, ele é o fiador desta recuperação econômica. A medida em que a população perceber a retomada da economia, tende a colocar, tal como fez com Lula em 2006, as denúncias de corrupção como fator secundário. Sobretudo porque não há nenhum candidato despontando como favoritíssimo em 2018. Quem tiver tempo de televisão, estrutura de palanques estaduais e uma maior robustez de apoio do PIB nacional, terá condições de disputar com boas chances a presidência. Com a economia num claro viés de recuperação não existe outro nome para representar o legado da recuperação econômica do que o próprio presidente. A economia poderá fazer Temer de rejeitado a um potencial candidato a reeleição em 2018, uma vez que corrupção não é uma prerrogativa exclusiva do presidente, mas de quase toda a classe política.

Capibaribe - Por iniciativa do deputado estadual José Humberto (PTB) foi criada na Assembleia Legislativa de Pernambuco a Frente Parlamentar de Perenização, Despoluição e Revitalização do Rio Capibaribe. Natural de Limoeiro, município que é cortado pelo Capibaribe, o parlamentar é entusiasta da ideia de recuperação, preservação e desenvolvimento desta importante bacia hidrográfica do Estado, para isto levará esta discussão para vários municípios do interior e região metropolitana.

Estadual - Segundo colocado na disputa pela prefeitura de Jaboatão dos Guararapes em 2016, o ex-vereador Manoel Neco está costurando sua candidatura a deputado estadual em 2018. Ele espera sair da cidade com 25 a 30 mil votos e alcançar o resto da votação em dobradinhas com federais em outras cidades. Neco, que já foi deputado estadual, pode voltar a ter um mandato na Alepe em 2019.

Adutora - O governador Paulo Câmara lançará, nesta terça-feira, o edital de licitação para definir a empresa que vai construir a Adutora de Serro Azul. O objetivo é que o empreendimento transporte a vazão de 500 litros de água por segundo a partir da Barragem de Serro Azul, em Palmares, Mata Sul do Estado, para abastecer 800 mil pessoas em dez cidades da região Agreste. Para a construção da adutora, serão investidos cerca de R$ 200 milhões, recursos viabilizados pelo Governo de Pernambuco junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Marcantonio Dourado - Exercendo o oitavo mandato de deputado estadual, Marcantonio Dourado (PSB) reunirá os colegas deputados no buraco frio da Alepe para a comemoração do seu aniversário num almoço que deverá ser muito prestigiado. Natural de Lajedo, Marcantonio é uma figura atenciosa e querida pelos que fazem a Casa Joaquim Nabuco.

RÁPIDAS

Chapa - Quando o presidente Michel Temer superar esta nova denúncia na Câmara dos Deputados, o Palácio do Planalto pretende intensificar a retomada da pauta econômica nas votações do Congresso. Se a economia der sinais claros de retomada, já se fala numa chapa presidencial com Michel Temer na cabeça e Henrique Meirelles na vice-presidência.

Comunicação - A comunicação do governo federal deveria ser mais agressiva, com aspectos voltados para a retomada da confiança dos brasileiros na economia, na capacidade do Brasil de superar desafios, etc. O governo federal perde, com campanhas insossas, uma grande oportunidade de através da publicidade institucional melhorar a sua imagem perante a população.

Inocente quer saber - O PSDB vai acabar não lançando candidato a presidente da República em 2018?

A fragilidade eleitoral dos futuros ex-ministros

Edmar Lyra, | seg, 16/10/2017 - 16:29
Compartilhar:

A pouco mais de cinco meses para deixar seus respectivos cargos na Esplanada, Mendonça Filho, Bruno Araújo, Fernando Filho e Raul Jungmann voltarão para a planície para poder ser candidatos em 2018. De todos, Raul Jungmann é o que vive a pior situação, uma vez que não voltará ao mandato na Câmara dos Deputados pois não é titular do cargo de deputado federal. Os demais ministros estão cotados para disputas majoritárias no ano que vem, porém além de apoiar um governo que apesar de seu acertos na economia é rejeitado pela maioria esmagadora da população, eles perderão em abril de 2018 o poder da caneta, o que fragilizará qualquer projeto majoritário.

Mendonça Filho, que faz um extraordinário trabalho na Educação, já sofreu três derrotas majoritárias, e por muito pouco não se reelegia deputado federal em 2014. Entrar numa bola dividida majoritária tem o risco de vencer, mas tem o risco maior de perder, e se ficar sem mandato, Mendonça poderá estar sepultando uma recuperação política e eleitoral que está em curso desde que ele assumiu o MEC. O mandato de federal é líquido e certo e por isso Mendonça levará vários fatores em consideração para aventurar-se numa disputa majoritária.

Fernando Filho, que assim como Mendonça, vem dando um show no Ministério de Minas e Energia, tem apenas 33 anos e não foi bem-sucedido na única disputa majoritária que participou, que foi a eleição para prefeito de Petrolina em 2012. Tem um mandato de federal líquido e certo mas pode ser candidato a governador ou a vice-governador. Assim como Mendonça, precisará levar em conta a reprovação de Temer em Pernambuco para decidir ser candidato majoritário. Também precisará analisar o impacto da privatização da Chesf para a sua imagem perante os pernambucanos, o que deve lhe fragilizar eleitoralmente pois os resultados positivos da privatização não estarão ainda factíveis aos olhos da população.

Por fim, Bruno Araújo faz um trabalho aceitável no ministério das Cidades, nunca entrou numa bola dividida, é virgem em derrotas majoritárias. Porém pesa contra ele ser de um partido que não tem tradição em Pernambuco. O governo parece ser surreal, o Senado é algo mais factível, mas assim como Mendonça, Bruno se perder ficará numa planície que não parece estar preparado para enfrentar. Todos têm reeleição de federal líquida e certa, e por isso precisam levar em conta que apesar da dificuldade de Paulo Câmara, diferentemente dos ministros, ele continuará com a caneta nas mãos.

Dos candidatos majoritários a enfrentar a Frente Popular em 2018, apenas Fernando Bezerra Coelho não estaria arriscando nada porque estará no meio do mandato de senador. Armando Monteiro, por sua vez, é favoritíssimo a se reeleger para o Senado pois tem o recall de 2014 e se trata de um quadro consolidado em Pernambuco. A outra vaga de senador na chapa da oposição tem que ser de alguém que possa arriscar mandato, que mesmo perdendo tenha uma retaguarda política, e nem Mendonça nem Bruno possuem esta retaguarda.

Felipe Carreras - Candidato a reeleição de deputado federal, o secretário de Turismo, Esporte e Lazer Felipe Carreras vem sendo responsável por muitas agendas positivas do governo Paulo Câmara, como a atração de voos internacionais que colocaram Pernambuco na rota do turismo de negócios, e a estruturação dos equipamentos esportivos como a requalificação do Santos Dumont.

Jair Bolsonaro - Impressiona a quantidade de comentários odiosos contra o presidenciável Jair Bolsonaro e seus eleitores. Único candidato a crescer de forma consistente nas pesquisas eleitorais, Bolsonaro vem sofrendo o que fizeram nos Estados Unidos com Donald Trump. Acabou Trump desbancando Hillary Clinton e virando presidente.

Cantor - O prefeito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira todas as vezes que participa de algum evento evangélico decide cantar músicas com artistas gospel. Durante o aniversário da Rádio Maranata no sábado, o prefeito novamente soltou a voz. Isso tem ajudado a popularizar sua imagem não só junto aos evangélicos como os eleitores de outras religiões. Nas eleições de 2016 Anderson quebrou a barreira de que religiosos não conseguiam cargos majoritários.

Colorindo - Após lançar, em 2013, o Colorindo o Recife, e ter, em 2017, o primeiro Carnaval do Brasil decorado com ilustrações de renomados grafiteiros, a Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer, lança uma nova etapa da política pública voltada para a arte de rua. O prefeito Geraldo Julio faz o lançamento das duas iniciativas às 10h desta segunda-feira, no Parque Santana, Zona Norte da cidade. Na ocasião, serão apresentados os detalhes da iniciativa e haverá uma intervenção de grafite em um espaço do parque público.

RÁPIDAS

Violência - Em nove meses, o Estado de Pernambuco já tem o ano mais violento do Pacto pela Vida, com o registro do maior número de homicídios para o período desde 2007, quando foram contabilizados 3.479 assassinatos entre os meses de janeiro e setembro, ante os 4.145 cometidos este ano. Em relação aos 3.149 casos de 2016, o crescimento no registro de homicídios no período chega à marca de 32%.

Infância - O MPT realiza mais ciclo do projeto "Resgate a infância". Para esta edição, contamos com a presença do gerente nacional do projeto, o procurador Antonio de Oliveira Lima. Ele, que já foi vítima do trabalho infantil, vai coordenar capacitações para as redes de educação e da assistência social em eventos nesta segunda (16), terça (17) e quarta (18).

Inocente quer saber - Quando Elias Gomes anunciará a saída do PSDB para se filiar a outro partido?

Jaboatão e Cabo serão estratégicos em 2018

Edmar Lyra, | qui, 12/10/2017 - 18:18
Compartilhar:

Responsáveis por 600 mil eleitores, Jaboatão dos Guararapes e Cabo de Santo Agostinho terão um peso significativo na equação das eleições do ano que vem. Tanto o prefeito Lula Cabral quanto Anderson Ferreira lançarão candidatos no ano que vem que pode ser Fabíola Cabral e Paulo Farias candidatos a estadual ou federal, no caso de Lula, e André Ferreira e Manoel Ferreira, no caso de Anderson.

Cada vez mais afinados, Lula e Anderson deverão fechar um apoio conjunto nas eleições para governador, pois os municípios são vizinhos e a relação de ambos é a melhor possível, tendo Lula Cabral declarado publicamente o apoio ao deputado estadual André Ferreira para senador no ano que vem.

Jaboatão e Cabo são cidades que apesar das dificuldades possuem recursos próprios e conseguem tocar uma agenda independentemente do apoio do governo do estado. Isso faz com que Lula e Anderson tenham a liberdade necessária para escolher apoiar tanto Paulo Câmara quanto Fernando Bezerra Coelho  desde que o potencial de votos de ambos seja respeitado.

O apoio deles para o candidato a governador poderá ser fundamental para dar um indicativo sobre qual candidato sairá vitorioso no ano que vem. Por isso Paulo Câmara e Fernando Bezerra Coelho se quiserem o apoio de ambos devem tratá-los a pão de ló, com liberação de recursos e ações efetivas para os seus respectivos municípios. Pois Lula e Anderson precisarão manter o bom nível de aprovação que já possuem não só para elegerem seus candidatos ao legislativo como também ter legitimidade para que o candidato a governador apoiado por ambos tenha um expressivo resultado nas duas cidades.

Contratos - O conselheiro Dirceu Rodolfo, relator das contas de São Lourenço da Mata, suspendeu os pagamentos de três contratos assinados pelo prefeito afastado Bruno Pereira (PTB). Eleito em 2016, Bruno foi afastado em setembro por ordem judicial, após a Polícia Civil deflagrar a Operação Tupinambá. Os contratos suspensos pelo TCE se referem a recolhimento de lixo, transporte escolar e clínicas médicas. Agora o prefeito tenta voltar ao cargo, por liminar em habeas corpus no STJ.

Aécio - Por 6 a 5, o STF decidiu que medidas cautelares de afastamento de mandato parlamentar devem ser submetidas às casas legislativas. "A questão ainda pode gerar controvérsia, pois determinada medida cautelar que não seja de afastamento objetivo, mas que cause embaraço ao mandato, pode gerar um conflito de interpretação entre Legislativo e Judiciário", avalia Cristiano Pimentel, do Ministério Público de Contas (MPCO). Para o procurador, a proclamação final do julgamento do STF não ficou clara em alguns aspectos.

Garanhuns - Os procuradores gerais Francisco Dirceu Barros e Cristiano Pimentel, respectivamente do Ministério Público do Estado (MPPE) e Ministério Público de Contas (MPCO) estarão em Garanhuns, em 9 de novembro, para palestras no Seminário “Administração Pública e Reforma Política”, que será realizado na Câmara de Vereadores da cidade.

Conscientização - A Praça do ABC, na Mustardinha, foi o local de encerramento da Gincana Ambiental da Semana das Crianças, realizada pela Secretaria de Saneamento do Recife. O secretário Alberto Feitosa marcou presença no evento, que aconteceu nesta quarta-feira (11) e reuniu as seis escolas participantes da ação. O cantor André Rio animou a criançada cantando o jingle da Capacitação em Educação Sanitária e Ambiental, que tem como mascote o Mustardeco.

RÁPIDAS

Coordenadores - Na última terça-feira a bancada federal de Pernambuco (deputados e senadores) escolheu os novos coordenadores. Os deputados federais Augusto Coutinho (SD) e Wolney Queiroz (PDT) coordenarão a bancada a partir de agora, em substituição aos deputados Cadoca e João Fernando Coutinho.

Recursos - A fim de dar continuidade ao avanço da cidade, nesta quarta-feira, o prefeito de Camaragibe, Demóstenes Meira (PTB), reuniu-se com o deputado estadual Aluísio Lessa (PSB), o secretário da Casa Civil, Nilton Mota (PSB), e o secretário de habitação do Estado, Kaio Maniçoba (PMDB), para tratar de emendas para o município de Camaragibe.

Inocente quer saber - O STF saiu desmoralizado após a decisão de ontem que beneficiou Aécio Neves?

José Múcio tem novamente nome lembrado para o governo em 2018

Edmar Lyra, | qua, 11/10/2017 - 09:45
Compartilhar:
Quando o cenário político está meio turvo, há sempre uma lembrança do nome do ministro do Tribunal de Contas da União José Múcio Monteiro para ser candidato a governador, foi assim em 2014 e para 2018 seu nome volta a ser cogitado nas coxias da política pernambucana. Isso se dá pelo fato de na eleição de 1986 ele ter enfrentado Miguel Arraes e realizado uma campanha diferenciada. Mesmo derrotado, Múcio virou uma espécie de sonho de consumo da classe política para ser governador.
Aos 69 anos de idade, com mais seis anos de mandato no TCU pela frente, José Múcio que foi deputado federal por cinco mandatos e ministro das Relações Institucionais de Lula, só entraria numa situação desta se fosse pule de dez. Seria em 2014 mas para não enfrentar o primo Armando Monteiro acabou abafando qualquer movimento que ensejasse numa candidatura. Em 2018 não seria diferente, só entraria no páreo se o governador Paulo Câmara desistisse da reeleição e fosse ser candidato a vice-presidente numa chapa presidencial.
Os entusiastas da candidatura de Múcio a governador já projetam uma chapa tendo João Paulo de vice-governador, Jarbas Vasconcelos e Ana Arraes de senadores numa articulação que passaria por um grande entendimento envolvendo não só os dois ministros do TCU, como também o ex-presidente Lula, o governador Paulo Câmara, a viúva de Eduardo, Renata Campos, e outras lideranças políticas diretamente ligadas ao Palácio do Campo das Princesas.
Apesar de não ser algo impossível de ocorrer, pois em política todos os cenários podem ser considerados, não se trata de uma construção fácil, a começar por José Múcio e Ana Arraes deixarem o céu chamado TCU para entrar no inferno das articulações políticas, passando pelo difícil argumento de que Paulo Câmara não ser candidato a reeleição e ainda assim o PSB lançar um nome e este nome sair vitorioso. Além do mais, 2018 está longe de se tratar de uma eleição de céu de brigadeiro para qualquer que seja o nome do PSB devido a fadiga material de 12 anos do partido em Pernambuco.
De todo modo, sonhar com José Múcio Monteiro sentado na cadeira de governador depois de uma brilhante trajetória política não custa nada aos amantes da boa política sempre praticada pelo ministro do TCU. O tempo vai dizer se isso pode virar fato ou se novamente não passará de um devaneio da classe política ligada ao Palácio do Campo das Princesas.
APAE – A prefeita de Caruaru Raquel Lyra, através da Secretaria de Saúde, firmará o termo de colaboração com a APAE- Associação de Pais e Amigos Excepcionais, nesta quarta-feira, às 14h, na sede da APAE.  O termo visa afirmar o compromisso da nova gestão, de apoiar os familiares e prestar uma assistência de qualidade às crianças com microcefalia, garantindo o estímulo precoce e melhor desenvolvimento destas crianças que, em Caruaru, totalizam 19.
Ausente – Apesar de ter confirmado em sua agenda oficial a participação da entrega de equipamentos esportivos do Santos Dumont, o governador Paulo Câmara mudou de ideia de última hora e acabou não participando do evento. Todo mundo ficou sem entender, pois seria uma excelente agenda positiva para o governador, que acabou passando a bola para Geraldo Julio e Felipe Carreras reinarem sozinhos no evento.
Bônus – 2.093 professores da Rede Pública de Ensino do Cabo de Santo Agostinho receberam um bônus no valor de R$ 200,00 para aquisição de livros na Bienal, que acontece no Centro de Convenções. A iniciativa da gestão do prefeito Lula Cabral visa incentivar a leitura por parte dos professores.  Com esta ação o município dispendeu de um montante de R$ 418.600,00.
Obstrução – Informações divulgadas ontem apontaram que o presidente Michel Temer estaria com uma obstrução parcial em uma artéria coronária e deverá passar por um cateterismo nos próximos dias. O Palácio do Planalto negou a informação, afirmando que o presidente goza de perfeita saúde e que não foi constatado nenhum problema.
RÁPIDAS
Baixas – Em Santa Cruz do Capibaribe o PTB do Senador Armando Monteiro deve sofrer várias baixas. Fernando Aragão pode deixar a legenda e levar com ele Carlinhos da Cohab, o vereador mais votado pela oposição no último pleito. O PCdoB já ofereceu a legenda e Fernando Aragão também está sendo sondado pelo PSB.
Perpart – O Solidariedade de Augusto Coutinho ampliou seu espaço no governo Paulo Câmara com a indicação de Jogli Uchoa para a presidência da Perpart. O partido que já possui a secretaria de Saneamento da PCR com Alberto Feitosa e a Jucepe com Taciana Bravo sacramentou o apoio ao projeto de reeleição de Paulo Câmara em 2018.
Inocente quer saber – Mendonça vai correr o risco de ficar sem mandato em 2018 disputando uma majoritária?

Se for reeleito Paulo Câmara fará segundo mandato melhor que o primeiro

por Alexandre Cunha | sab, 07/10/2017 - 09:49
Compartilhar:

Desde que foi instituída a reeleição em 1998, apenas Miguel Arraes não conseguiu ser reeleito, tanto Jarbas Vasconcelos em 2002 quanto Eduardo Campos em 2010 alcançaram o segundo mandato com votações expressivas. Paulo Câmara espera manter a escrita, mas não será tarefa fácil, uma vez que o governador precisará resolver as demandas que cercam sua gestão, cuja maior preocupação é a segurança pública.

Ao longo dos 33 meses do seu governo, Paulo Câmara teve uma série de desafios a enfrentar, dentre eles a crise econômica que trouxe a frustração de receita e o desemprego. A primeira fez com que o cobertor do governo ficasse mais curto do que o habitual e foi necessário um duro ajuste fiscal para as contas seguirem de pé. O desemprego foi mais um problema que tem dois efeitos imediatos, que é a violência aumentando e o grau de insatisfação com o governo que é amplificado em momentos de elevado desemprego.

Apesar dos problemas, Paulo Câmara conseguiu manter a folha salarial rigorosamente em dia e garantiu pelo terceiro ano consecutivo o pagamento do décimo terceiro salário em dezembro, o que vai injetar mais de R$ 800 milhões na economia, criando um ambiente satisfatório para a retomada do crescimento econômico no estado, que já se mostra maior do que a recuperação da economia brasileira.

Paulo Câmara evidentemente terá que lutar contra a rejeição ao seu governo, aos doze anos do PSB que trazem uma fadiga material, mas se conseguir convencer o povo pernambucano de que é o governador certo para este momento e tiver mais quatro anos de governo, terá uma chance real de fazer um governo muito mais tranquilo do que o atual, pois ele está arrumando a casa nestes três anos de mandato e deixará a máquina redonda para funcionar melhor para os pernambucanos.

Se a população comprar a ideia, Paulo conseguirá fazer jus a sua capacidade reconhecida por quem acompanha os bastidores da política de ser um excelente gestor público. A sorte está lançada para o governador e para o PSB de Pernambuco.

Aventura - A respeito da possível candidatura a governador de Pernambuco, muita gente acha que Mendonça Filho não deveria arriscar entrar numa disputa majoritária no ano que vem. Ele já tem três derrotas majoritárias e uma nova derrota no ano que vem seria letal para a sua vida pública. Todos aconselham que ele seja candidato a deputado federal novamente e avalie disputar a prefeitura do Recife em 2020.

Desistência - Não há nenhuma informação a respeito da edição do Pernambuco em Ação da Região Metropolitana do Recife. A expectativa era que o evento fosse realizado no Centro de Convenções em Agosto, mas já estamos em outubro e nenhuma sinalização quanto ao evento, o que causa rumores de que o governo poderia ter desistido de fazer o evento.

Seminário - A juventude do PSB no Recife promove neste sábado um importante debate sobre protagonismo juvenil e liderança. No evento batizado de #PolíticaJovem, que chega a sua segunda edição, o principal objetivo é fomentar a discussão sobre o papel do líder no desenvolvimento dos negócios, das organizações e das pessoas. Para contribuir com a temática, foram convidados o jornalista e atual Secretário Executivo de Esportes de Pernambuco, Diego Perez, e Allef Dantas, estudante do ProUni Recife.

Confusão - Não convide para a mesma mesa o vice-governador Raul Henry e o senador Fernando Bezerra Coelho. O nível da relação entre os dois baixou completamente após o episódio envolvendo o PMDB de Pernambuco. A troca de farpas tem se tornado cada vez mais corriqueira e qualquer que seja o desfecho do partido não há hipótese de reconciliação.

RÁPIDAS

Estadual - O vereador do Recife Davi Muniz é a principal aposta do PEN para a Assembleia Legislativa de Pernambuco. Se for eleito para o mandato de deputado estadual, Davi deixará a vaga para o suplente Junior de Cleto, que também tem a chance de assumir o mandato caso Romero Albuquerque tenha sua cassação consumada.

Fenômeno - Tem causado muita preocupação no meio político as movimentações de Marília Arraes neste período pré-eleitoral. Por onde passa ela tem recebido um bom número de pessoas e vem conseguindo angariar apoios espontâneos de políticos que não se sentem representados no governo do PSB ou na candidatura dos apoiadores de Temer.

Inocente quer saber - Quando Paulo Câmara oficializará as novas mudanças no secretariado?

PSDB pode chegar fragilizado em 2018

por Alexandre Cunha | sex, 06/10/2017 - 09:37
Compartilhar:

Desde que Sergio Guerra morreu em 2014 que o PSDB de Pernambuco virou um corpo sem cabeça, tendo muitos quadros relevantes e expressivos mas nenhum que significasse hegemonia no partido e representasse uma expectativa de poder. Por força das circunstâncias, Bruno Araújo, que está no terceiro mandato de deputado federal, acabou se tornando ministro das Cidades de Michel Temer, o que evidentemente o diferenciou dos demais quadros do partido no estado.

Por ser o terceiro maior partido do Brasil e ter governado o país por oito anos, o PSDB deveria ocupar um espaço de protagonismo nas discussões de 2018 em Pernambuco, porém apesar de prefeitos reconhecerem a liderança do ministro das Cidades, dois deputados federais trabalham diariamente para sabotar Bruno que é um dos principais ministros de Temer.

Daniel Coelho e Betinho Gomes há muito tempo vêm adotando uma postura que não condiz com uma seccional do partido que tem prestígio na esplanada. Daniel e Betinho deveriam respeitar a prevalência de Bruno no partido e seguir a sua orientação. Caso não quisessem, deveriam se afastar da sigla pois beira o oportunismo ter benefícios diretos ou indiretos junto a Bruno Araújo mas não querem arcar com a responsabilidade de defender o ministro e o governo que ele faz parte.

O fato de Daniel e Betinho não falarem a mesma língua de Bruno tem intensificado as confusões e a temperatura do partido. Daniel, Betinho e Elias agora estão unidos para fazer um contraponto ao ministro, que ganhou o apoio irrestrito dos prefeitos da sigla para assumir a presidência estadual do PSDB. Essa confusão não tem a menor condição de terminar bem.

Enquanto Bruno está a vida inteira no PSDB, Daniel e Betinho vivem pulando de galho em galho, o primeiro já foi do PV e agora quer ir para o PSL, enquanto o segundo já foi do PPS e estaria em negociações para junto com Elias Gomes ir para o PV. Essa briga interna acaba fragilizando não só a liderança de Bruno, que teria todas as condições de ser pelo menos candidato a senador em 2018 devido à força do partido, mas também a própria situação de Daniel e Betinho, que devem cair abruptamente suas votações no ano que vem, com Betinho tendo riscos reais de sequer se reeleger.

No fim das contas Bruno deverá ficar com um PSDB mais enxuto, porém sem fôlego para disputar o Senado, e os outros seguirão sua vida política completamente fragilizados e sem qualquer perspectiva majoritária ou de cargos no executivo.

Aposta - Uma das principais apostas do grupo dos Ferreira para deputado estadual é o delegado Erick Lessa, que obteve 41.102 votos para prefeito de Caruaru. O delegado fez uma campanha bonita, leve e propositiva e por muito pouco não chegou ao segundo turno. Em 2018 pode ser o fato novo de Caruaru por uma cadeira na Casa Joaquim Nabuco.

Estadual - Um nome que deve sacudir a política pernambucana no ano que vem é o secretário de Planejamento e Gestão da prefeitura do Recife Alexandre Rebelo, que será candidato a deputado estadual com o apoio irrestrito de Geraldo Julio. O projeto passa muito mais do que tentar uma cadeira na Alepe, segundo informações ele estaria sendo trabalhado pelo prefeito para ser o seu sucessor em 2020.

Felipe Carreras - Outro que é pré-candidato a sucessor de Geraldo, Felipe Carreras, que é deputado federal e diz que tentará a reeleição, volta e meia tem seu nome ventilado para disputar uma cadeira na Casa Joaquim Nabuco. O primeiro motivo seria o de abrir bases para João Campos, que é candidato a federal, e o segundo é o fato de na Alepe ficar mais próximo do Recife para fortalecer seu projeto majoritário em 2020.

Rec'n'Play - O prefeito Geraldo Julio participa nesta sexta-feira do lançamento do projeto Rec'n'Play, apresentado pelo Porto Digital. O evento acontece entre os dias 30 de novembro e 3 de dezembro e foi formatado para acontecer em diversos polos no Bairro do Recife. A iniciativa tem objetivo de gerar novos vínculos entre os participantes e a cidade, por meio da tecnologia, integrando diversas áreas como Desenvolvimento de Games, e-Sports, Música, Fotografia, Design, Audiovisual, Cidades Inteligentes & Sustentabilidade, IoT, Robótica e Fabricação Digital e Tecnologias da Informação e Comunicação.

RÁPIDAS

Igarassu - A vereadora Erica Uchoa (PTB) espalhou outdoors pela região do litoral Norte e já está sendo cotada como candidata a deputada estadual em 2018. Desde que Ceça Ribeiro deixou de ser deputada em 2010 que a cidade não possui nenhum representante. No segundo mandato como vereadora, Erica foi a quarta mais votada do município e espera lograr êxito no ano que vem.

Sanharó - A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, negou seguimento (julgou inviável) ao Habeas corpus, ao ex-prefeito do município de Sanharó Cesar Augusto de Freitas. A decisão cabe último recurso ao pleno do STF e, se confirmada a decisão da ministra, o ex-prefeito cumprirá a pena e perderá seus direitos políticos por oito anos.

Inocente quer saber - Em quanto tempo Bruno Pereira voltará para a prefeitura de São Lourenço da Mata?

Paulo Câmara saiu da inércia para buscar a reeleição em 2018

Edmar Lyra, | ter, 03/10/2017 - 08:55
Compartilhar:

De postura comedida, sem nunca ter sido sequer vereador, Paulo Câmara conseguiu ser diferente de todos os governadores que lhe antecederam no cargo. Isso não significa necessariamente que ele seja pior ou melhor que os demais, apenas que tem características distintas daqueles que ocuparam o Palácio do Campo das Princesas. De fino trato e portador de um tom extremamente conciliador, é inimaginável Paulo Câmara sequer dar um murro na mesa, ou destratar alguém como alguns políticos fazem de vez em quando.

Essa postura lhe rende críticas mas também muitos elogios. Pernambuco tem um governador sereno, inteligente, preparado e antenado com os desafios da máquina pública. Por ser muito tranquilo, Paulo Câmara às vezes dá a impressão de estar inerte ao que acontece no âmbito da política, porque no resto do governo, é indiscutível o seu trato com a máquina pública. Mas ele vinha acompanhando com muita cautela as movimentações que o cercavam com vistas a sua cadeira.

Essa postura não é novidade, todo mundo sabe que Paulo Câmara não almejou nem procurou ser governador e foi exatamente por isso que a candidatura acabou caindo no seu colo. Uma candidatura que tinha todas as condições de dar certo, devido ao que Eduardo Campos montou em torno dele, porém tudo ficou facilitado após a morte de Eduardo, que evidentemente ninguém cogitava ocorrer bem menos desejava. Mas acabou acontecendo e aumentou a responsabilidade de Paulo Câmara.

O governador enfrentou nestes dois anos e nove meses a maior crise financeira e política da história recente do Brasil. Na esteira da crise, o desemprego elevado que tem como consequência o aumento da violência, que é amplificado pelo crescimento desenfreado do tráfico de drogas, um problema nacional que acaba impactando em Pernambuco. Ciente do problema, o governador fez o dever de casa nas finanças públicas e tem investido maciçamente na segurança. É evidente que os resultados não ocorrem da noite para o dia, mas o governador vem mostrando aos pernambucanos que não está inerte ao processo.

No âmbito da política, o governador se viu obrigado a antecipar as articulações por conta das movimentações dos seus adversários e fez movimentos significativos, como a atração do PSL de Luciano Bivar para a sua base, e agora mais recentemente a chegada do PDT no secretariado e a ampliação do espaço do Solidariedade com a Perpart. O governador acordou pra vida e passou a fazer política, que junto com a segurança pública, eram as áreas mais deficitárias em termos de resultados do seu governo.

Gestor público qualificado, Paulo está ajeitando as finanças do estado, e mexeram nos brios dele. Agora mais do que nunca ele está determinado a buscar a reeleição, pois vem ajeitando o governo com uma capacidade de poucos e na hora em que o emprego volta a chegar, a economia volta a crescer, ele não pode entregar de bandeja o Palácio do Campo das Princesas de bandeja aos seus adversários, pois terá todas as condições para fazer um segundo mandato muito melhor do que o primeiro repleto de entregas e realizações, pois fez o dever de casa. Enfim, Paulo volta pro jogo e vai buscar o segundo mandato.

Resultados - Realizando uma gestão diferenciada em Jaboatão dos Guararapes, o prefeito Anderson Ferreira tem mais um motivo para comemorar. No mês de setembro o município atingiu a meta de reduzir em 13% o número de homicídios conforme estabelece o Pacto Pela Vida. Isso foi possível porque a gestão investiu fortemente em iluminação pública, convocou 80 guardas e 50 agentes de trânsito aprovados em concurso público, contratou vigilantes para as escolas e instalou a gerência de articulação cidadã.

Namoro - O governador Paulo Câmara cumprirá agenda em Brasília ao lado do ministro das Cidades Bruno Araújo. Há quem diga que o governador tentará uma reaproximação política com o tucano, inclusive oferecendo algum espaço no seu governo, que foi retirado em 2016 por conta das eleições municipais. Para o namoro virar casamento dependerá exclusivamente de como Bruno receberá a proposta.

Avalanche - Depois de passar nove meses azeitando a máquina que foi destruída por Vado da Farmácia, o prefeito do Cabo de Santo Agostinho Lula Cabral iniciará nos próximos dias uma avalanche de obras e ações para o município. As ações incluem pavimentação de ruas, reforma de escolas, iluminação de ruas, e outras obras que mudarão para melhor a vida dos cabenses.

Preterido - Apesar de ser um aliado leal e disciplinado do Palácio do Campo das Princesas, sendo considerado um dos deputados mais qualificados da Alepe, Tony Gel viu seu adversário em Caruaru José Queiroz receber a robusta secretaria de Agricultura do governador Paulo Câmara. Por mais que não tenha externado nenhuma insatisfação, não tem como Tony Gel ter gostado do desfecho da entrada do PDT no governo.

RÁPIDAS

Dobradinha - Pré-candidato a deputado federal, Guilherme Uchoa Júnior conseguiu mais um importante apoio para chegar ao seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. Fechou uma dobradinha com o deputado estadual Pedro Serafim Neto em cidades do litoral Sul.

Fernando Filho - O ministro de Minas e Energia Fernando Filho participou do Roda Viva e demonstrou grande conhecimento do tema em que está sendo responsável. Com apenas 33 anos de idade, Fernandinho é a grande revelação do ministério de Michel Temer e também da política pernambucana.

Inocente quer saber - Qual secretaria será entregue ao PP de Eduardo da Fonte?

As mudanças devem continuar

Edmar Lyra, | sex, 29/09/2017 - 11:20
Compartilhar:

O governador Paulo Câmara oficializou ontem em cerimônia bastante concorrida no Palácio do Campo das Princesas quatro alterações na sua equipe, que foram a entrada de Nilton Mota na Casa Civil, Wellington Batista na Agricultura, Antonio Figueira na Assessoria Especial e José Neto na executiva de Relações Institucionais.

Ainda há a possibilidade de três substituições no governo, a começar por Márcio Stefani de Planejamento, Lucia Melo de Ciência e Tecnologia e Alexandre Valença de Trabalho e Micro e Pequena Empresa. Márcio Stefani há muito tempo vem tendo seu trabalho contestado, e há insatisfações da base do governador com movimentações dele no intuito de ser candidato, como é uma pasta eminentemente técnica, o substituto tende a ser alguém que já esteja na estrutura do governo.

As outras duas pastas seriam oferecidas ao Solidariedade e ao PP. O Solidariedade que já comanda a Jucepe tem grande es chances de herdar a secretaria de Trabalho, que hoje é ocupada pelo engenheiro Alexandre Valença. O objetivo do Palácio é conter focos de insatisfação de Augusto Coutinho e garantir um maior espaço para o partido, que recentemente abriu espaços para o PSB na gestão de Olinda com o Professor Lupércio.

A secretaria de Ciência e Tecnologia seria destinada ao PP, que possui apenas o Lafepe, o Ipem e Porto do Recife, que juntos não chegam ao tamanho de uma secretaria do governo. Eduardo da Fonte, presidente da sigla, que tem seis deputados estaduais e dois federais, esteve reunido com o governador e teria sinalizado insatisfação.

Fechando a conta de PDT, PSB, PR, Solidariedade, PP, PCdoB e PSD, o governador estará compensando com louvor a eventual perda do PMDB, que inclusive não está sendo considerada definitiva por parte de Paulo Câmara. A tropa passa a ficar mais unida a partir de então e permitirá um novo oxigênio para o governo, que tentará reeleger Paulo Câmara.

Daniel Pessoa - O secretário executivo de Trabalho de Jaboatão dos Guararapes Daniel Pessoa em apenas quatro meses no cargo vem realizando uma série de ações importantes como a captação de R$ 3 milhões junto ao governo federal, criação do centro municipal de qualificação profissional e a reestruturação das salas do empreendedor. Daniel vem recebendo elogios pela sua capacidade de apresentar resultados na equipe do prefeito Anderson Ferreira.

Almoço - Deverá ocorrer nesta sexta-feira no Palácio do Campo das Princesas um almoço entre o governador Paulo Câmara e o prefeito do Cabo de Santo Agostinho Lula Cabral. A conversa deverá girar em torno da relação entre ambos e do apoio de Lula ao projeto de reeleição do governador em 2018, quando o prefeito terá papel estratégico na disputa.

Itacuruba - A ex-vice-prefeita de Itacuruba Djnanny Ferraz (PSB) que disputou a prefeitura em 2016 ficando em segundo lugar esteve presente na posse de Nilton Mota como secretário da Casa Civil. Djnanny é eleitora de Rodrigo Novaes para deputado estadual e pretende contribuir efetivamente com o projeto de reeleição do governador Paulo Câmara.

Segurança - Muita gente vem elogiando a presença de mais policiais nas ruas do estado. O governador Paulo Câmara vem demonstrando ações efetivas para reverter a onda de violência em todo o estado, não só aumentando o efetivo nas ruas como também equipando a polícia e lhe dando melhores condições de trabalho.

RÁPIDAS

Medalha - O diretor presidente da Rádio Maranata FM André Carvalho receberá a Medalha do Mérito Vidal de Negreiros na Câmara de Jaboatão dos Guararapes. A solenidade ocorrerá a partir das 19 horas e contará com todos os atores da política do município.

Frente - O presidente em exercicio do CREA Waldir Duarte Filho estará presente nesta sexta-feira na reunião da Frente Parlamentar de Engenharia na Assembleia Legislativa de Pernambuco e debaterá a situação do setor em nosso estado.

Inocente quer saber - Antonio Figueira ficou insatisfeito com o desfecho do secretariado do governador Paulo Câmara?

Poucas mudanças ocorrerão para as eleições de 2018

Edmar Lyra, | qua, 20/09/2017 - 09:57
Compartilhar:

A Câmara dos Deputados sepultou ontem de uma vez por todas a possibilidade de o sistema eleitoral chamado de distritão ser utilizado para as eleições de 2018 ou de 2022. Faltou um consenso sobre o tema porque os deputados tiveram medo do desconhecido. Faltando menos de um ano para as eleições do ano que vem, ninguém sabia como seria o comportamento do eleitor diante de todos os escândalos e num novo sistema eleitoral e por isso preferiram jogar o jogo que já conhecem.

Com o distritão sepultado, só existem três mudanças factíveis no nosso sistema eleitoral, que é o fim das coligações proporcionais, a cláusula de barreira e o financiamento público de campanha. O fim das coligações, que já se configuraria num grande avanço, já é visto como algo que só ocorrerá nas eleições de 2022. Porém, há uma forte possibilidade de o próprio TSE decidir o que o Congresso tem sido incapaz de legislar, e vetar as coligações já para 2018.

Viabilizando o fim das coligações, teríamos um fenômeno muito parecido com o bipartidarismo, onde dificilmente algum deputado disputaria por partidos pequenos. Em Pernambuco há a expectativa de que para deputado estadual somente PSB, PMDB, PTB, PSDB, PP, PT, PDT, PSD e PSC seriam atrativos para candidatos, uma vez que possuem chapa para atingir o quociente eleitoral e condições de eleger bancadas representativas. Já partidos como PSOL, PRB, PSL, Podemos, PR, PPS, DEM, PRTB, PHS e PEN dificilmente atingiriam quociente e elegeriam ao menos um deputado.

No caso de federal, a situação é ainda mais complexa, apenas PSB, PMDB e PTB teriam condições de sozinhos eleger deputados federais, os demais com muita dificuldade elegeriam um parlamentar, como é o caso de PSD, Solidariedade, PDT, Democratas e Podemos, que têm cada um apenas um deputado com votações abaixo do quociente eleitoral.

Esse movimento por si só praticamente dizima os partidos pequenos, uma vez que não haverá a atratividade de outrora. Como se não bastasse a cláusula de barreira serviria para reduzir drasticamente a quantidade de siglas com acesso a fundo partidário e tempo de televisão. Por fim o financiamento público, que é a joia da coroa dos políticos, que querem que o contribuinte agora seja responsável por bancar as suas eleições. Os políticos, como sempre, seguem legislando em causa própria de olho apenas no próximo mandato em detrimento do futuro do país, da democracia e da boa representatividade.

Contraponto - Com os prefeitos de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira e do Cabo de Santo Agostinho Lula Cabral cada vez mais próximos de Fernando Bezerra Coelho, setores do Palácio defendem alinhamento com o ex-prefeito das duas cidades Elias Gomes, atualmente no PSDB mas de malas prontas para sair. Elias seria o contraponto ideal para Paulo Câmara num contingente de 600 mil eleitores.

Confusão - Pouca gente ficou sabendo mas na homenagem aos 70 anos do PSB realizada no mês passado na Alepe, Edson Barbosa e Diego Brandy, que trabalharam nas campanhas de Eduardo Campos, quase foram as vias sem fato na solenidade. O problema só não foi maior porque a turma do deixa disso segurou.

Marcação cerrada - O PSB vem monitorando os movimentos do senador Fernando Bezerra Coelho e fazendo o contraponto imediato. Na semana passada ele recebeu a visita do prefeito de Olinda Professor Lupércio, depois Sileno Guedes foi ao prefeito fechar a participação do PSB no governo dele em Olinda. Ontem Lula Cabral recebeu a visita de Felipe Carreras, Fred Amâncio e Iran Costa após receber Fernando em seu gabinete.

Hepta - O Náutico já não pode mais se vangloriar do hexacampeonato da década de 1960. Seu torcedor mais ilustre, o ex-presidente Lula, roubou-lhe o posto e virou hepta-réu ontem. Desta vez Lula será investigado por ter atuado na venda de uma medida provisória para beneficiar as montadoras de automóveis no Brasil.

RÁPIDAS

Prioridade - O senador Fernando Bezerra Coelho, pré-candidato a governador, estabeleceu como meta fazer do ministro de Minas e Energia Fernando Filho um deputado federal mais votado do que João Campos, herdeiro de Eduardo e candidato preferencial do Palácio do Campo das Princesas em 2018.

Resolvido - Na Alepe, inclusive entre deputados do PSB, a maioria considera a situação do PMDB como caso resolvido. Jarbas Vasconcelos e Raul Henry não conseguirão reverter a mudança de comando do diretório estadual junto ao diretório nacional e precisarão tomar uma decisão imediata quanto ao caminho que será trilhado a partir de então.

Inocente quer saber - Quantos votos João Campos terá para deputado federal em 2018?

O Palácio subestimou adversários

Edmar Lyra, | qua, 06/09/2017 - 09:12
Compartilhar:

Vieram do prefeito de Santa Cruz do Capibaribe Edson Vieira (PSDB) até agora as críticas mais contundentes ao Palácio do Campo das Princesas. Durante entrevista na sua região, o gestor afirmou que se Eduardo Campos estivesse vivo não estaria havendo debandada da Frente Popular como a que está ocorrendo, e que o Palácio subestimou os adversários. Edson elenca uma série de equívocos de ordem política cometidos pelo Palácio do Campo das Princesas, dentre eles o fato de não ofertar espaço ao senador Fernando Bezerra Coelho no secretariado de Paulo Câmara, tendo ambos sido eleitos na mesma chapa, que ocorreu antes de o governo começar.

Na eleição da mesa diretora da Alepe em fevereiro de 2015, o Palácio permitiu que o PSB se movimentasse no sentido de lançar um candidato a presidente contra Guilherme Uchoa, mas esqueceu de combinar com a Casa Joaquim Nabuco. Terminou que o partido sequer lançou um nome a presidente, mas em vez de emplacar o primeiro-secretário numa construção com toda a Casa, preferiu colocar Lula Cabral numa fria, lançando-o candidato sem dialogar com ninguém. Guilherme não só foi reeleito como ajudou a eleger Diogo Moraes, tendo Lula Cabral recebido apenas 15 votos. O desgaste não foi de Lula, mas sim de um governo que estava apenas começando e tinha que emplacar seu indicado para demonstrar força. Como não conseguiu, a fragilidade ficou latente.

Na eleição de Caruaru, o Palácio entregou o comando do PSB a Raquel Lyra, mas depois decidiu tomar da filha do ex-governador, que acabou saindo do partido para disputar a prefeitura pelo PSDB. Em vez de bancar Raquel e dividir o bônus de uma vitória, o Palácio preferiu inventar a roda com a candidatura natimorta de Jorge Gomes. No fim das contas, não agradou Raquel, a vitoriosa, não agradou Jorge e José Queiroz, nem Tony Gel, candidato apoiado pelo PSB no segundo turno.

No episódio da indicação de Fernando Filho para o ministério de Minas e Energia, em vez de o Palácio dividir o bônus da indicação, pois o PSB havia apoiado o impeachment e seria absolutamente natural ter um ministro na Esplanada, preferiu tentar melar o nome de Fernando Filho, sem sucesso. No fim das contas saiu novamente fragilizado do processo e ganhou a antipatia de Michel Temer, sobretudo após deixar Danilo Cabral falar o que bem entender na Câmara, quando todo mundo sabe que ele é o porta-voz do governador. O Palácio novamente deixou de fazer a conta que não dá pra brigar com a União. A rebeldia de Danilo custou um financiamento do BNDES para o estado na ordem de R$ 600 milhões, que já poderia ter saído se relação fosse amistosa.

No caso da eleição do Recife, o governador quis antecipar a disputa de 2018, cobrando os cargos de PSDB e DEM no governo porque lançaram Daniel Coelho e Priscila Krause. Quando todo mundo sabia que o eleitorado deles jamais votaria no PT. Então seria legítima a postulação de ambos. A pedida dos cargos se deu exatamente no momento em que Bruno Araújo assumia o ministério das Cidades e Mendonça Filho o da Educação, gerando mágoas e insatisfações dos ex-aliados.

Esses são pequenos detalhes que juntos criam um enredo complexo para a reeleição do governador Paulo Câmara, que poderia ter uma reeleição tranquila se tivesse tratado com o respeito devido todos esses atores. Quando optou pelo enfrentamento, o governador estava subestimando a capacidade dessa turma de fazer política, suas atitudes deram o alimento necessário para que eles se juntassem e fizessem uma ampla frente para tentar derrotar a hegemonia do PSB no ano que vem. O governador complicou o que estava líquido e certo para ser a favor dele. Coisas da política, ou melhor, da falta dela.

Blitz - A Câmara Municipal de Olinda inicia uma fiscalização nos postos de saúde, nesta quarta-feira, com objetivo de elaborar um relatório de situação que será entregue aos órgãos de controle externo, Ministério Público e Tribunal de Contas. A decisão foi deliberada pelo presidente Jorge Federal após ouvir denúncias do vereador Ricardo Souza, que é enfermeiro, sobre a falta de vacina, médicos, precariedade das instalações e má qualidade no atendimento à população.

Filiação - O senador Fernando Bezerra Coelho, pré-candidato a governador de Pernambuco, anunciou ontem sua saída do PSB após doze anos na mesma sigla. Ele oficializa sua entrada no PMDB nesta quarta-feira em Brasília na sede do partido. O ato contará com várias lideranças do partido a nível nacional.

Excesso - O deputado Silvio Costa Filho (PRB) criticou, na Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da Assembleia Legislativa de Pernambuco o excesso de projetos de lei em regime de urgência enviados pelo Poder Executivo para a Alepe. Segundo o deputado, o volume de projetos em regime de urgência atenta contra a prerrogativa do Poder Legislativo de avaliar, debater e propor alterações nos projetos de lei.

João Doria - Além de Fernando Bezerra Coelho, que deverá disputar o governo de Pernambuco, e Márcio França, vice-governador de São Paulo, o prefeito e presidenciável João Doria está em negociações avançadas para ingressar na sigla. Atualmente filiado ao PSDB, Doria trava uma disputa interna com o governador Geraldo Alckmin pela indicação da candidatura ao Planalto em 2018.

RÁPIDAS

Consulta - O vereador Marco Aurélio (PRTB), primeiro-secretário da Câmara Municipal do Recife, anunciou ontem que está em tramitação na Casa José Mariano uma proposta de consulta popular em 2018 para decidir se as câmeras de videomonitoramento da prefeitura podem multar ou não os veículos que trafegam pela cidade. Se aprovada, será a primeira consulta popular da história do Recife.

Educação - Durante o Encontro Estadual de Conselheiros Municipais, que acontece em Petrolina, no Sertão do Estado, o prefeito da cidade, Miguel Coelho (PSB) teve um encontro com os vereadores do Recife, Renato Antunes (PSC) e Ana Lúcia (PRB). Os parlamentares aproveitaram a ocasião para debater ações de êxito na rede municipal do Recife.

Inocente quer saber - A sinusite proibirá Jarbas Vasconcelos de dar entrevistas hoje sobre a filiação de Fernando Bezerra Coelho ao PMDB?

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Leia Concursos

Procure os
Concursos

Copyright. 2019. LEIAJÁ. Todos os direitos reservados.

Carregando